Publicidade

Posts com a Tag Vôlei Futuro

terça-feira, 11 de dezembro de 2012 Diversos | 11:28

Stacy Sykora se aposenta das quadras

Compartilhe: Twitter
Getty Images

Stacy Sykora

A líbero norte-americana Stacy Sykora, eleita a melhor do mundo na posição no Mundial de 2010, decidiu parar de jogar vôlei. A jogadora, que defendia o Urbino, da Itália, resolveu se aposentar por não conseguir mais dar o seu máximo. As informações são do site Melhor do Vôlei.

“Quero que as pessoas se lembrem de mim por meus prêmios individuais, como o do Mundial de 2010, que se lembrem de quando eu jogava em alto nível. Hoje, ao meu ver, eu já não posso dar o meu máximo”, teria dito a líbero.

Leia mais: Líbero norte-americana, Stacy Sykora assume homossexualidade

Stacy foi uma ótima defensora para a seleção dos Estados Unidos e ganhou fama aqui no Brasil defendendo o Vôlei Futuro. Em 2011, sofreu um acidente de ônibus com a delegação da equipe de Araçatuba e foi a única atleta com ferimentos graves. Com traumatismo crânio-encefálico, ela chegou a ficar em coma e tentou se recuperar. Stacy voltou a jogar, sonhava com Londres 2012 e assinou neste ano com o time italiano. Entretanto, ficou com algumas sequelas, como a visão afetada e não voltou ao alto nível.

“Vai demorar até eu me entregar. De A a Z, recomeço do A. Não sei o que eu vou fazer ainda, mas com certeza será o meu melhor”, falou a agora ex-jogadora.

Autor: Tags: , , , , ,

sábado, 21 de abril de 2012 Superliga | 18:02

Briga, vibração e muito barulho na final da Superliga

Compartilhe: Twitter
Sada Cruzeiro

Sada Cruzeiro comemora título da Superliga

Parece que ainda estou escutando os bate-bates da torcida do Vôlei Futuro e os gritos do lado do Sada Cruzeiro mesmo horas depois da final da Superliga masculina. Os fãs deixaram o ginásio poliesportivo de São Bernardo do Campo branco e azul, fizeram barulho do começo ao fim e foram coroados com uma bela atuação do Sada Cruzeiro, campeão da Superliga masculina 2011/2012.

Saiba como foi a final da Superliga: De virada, Cruzeiro vence Vôlei Futuro e fatura título

No primeiro set da partida, a vibração do time do Vôlei Futuro era bem maior se comparada do Sada Cruzeiro. Talvez fiquei com essa sensação porque estava do lado deles da quadra. Cada ponto era um jogador gritando mais do que o outro. E logo no começo apareçam as características reclamações do time de Araçatuba (Ricardinho passa o jogo inteiro cobrando o árbitro!). Não deu certo. Lorena partiu para cima dos jogadores do Sada Cruzeiro e foi parar do outro lado da quadra, ao melhor estilo Brasil x Cuba no feminino.

Leia mais: Sada Cruzeiro domina premiação individual, mas valoriza conjunto

Com ânimos no lugar e depois de três amarelos, o jogo seguiu. Depois de um primeiro set equilibrado, o Sada Cruzeiro dominou as duas parciais seguintes. A vibração aos poucos mudou de lado. Com um ponto de bloqueio já no quarto set, o levantador William deu uma volta olímpica na quadra. E o Vôlei Futuro ainda perdeu Lorena, que sentiu cãibras na panturrilha direita, saiu no começo do terceiro set e voltou apenas no final do quarto.

Mais uma vez, barulho ensurdecedor. Mesmo atrás no placar, a torcida do Vôlei Futuro foi à loucura depois de pedir e ver Lorena em quadra. Mas a manhã era do Sada Cruzeiro. O time fez o que sabe, mostrou volume de jogo e aproveitou demais os contra-ataques. William distribuiu com precisão e foi o melhor em quadra. Filipe foi para o saque e soltou uma bomba. E o time de Minas ficou com o título.

Leia ainda: William se emociona ao lembrar do pai e descarta seleção

A festa foi azul em São Bernardo. Os jogadores do Vôlei Futuro agradeceram à torcida, mas quem fez festa mesmo foi o Sada Cruzeiro com sua volta olímpica e quem tinha vindo de Contagem, em Minas, para o ABC paulista.

O espetáculo poderia ter sido mais emocionante se Lorena tivesse jogado o tempo todo. Ele é a referência do Vôlei Futuro, que perdeu muito na virada de bola com o desfalque em dois sets que decidiram a partida. Mas isso em nada tira o mérito do Sada Cruzeiro que, com um jeito mais calmo e comedido no começo, cresceu e se aproveitou, soltando o grito de é campeão pela primeira vez.

Douglas - Sada/Cruzeiro

Douglas vibra para o campeão Sada Cruzeiro na final da Superliga

Autor: Tags: , , , ,

Superliga | 14:57

Sada Cruzeiro é campeão da Superliga masculina

Compartilhe: Twitter

Segunda final consecutiva e primeiro título para o Sada Cruzeiro. Time de Contagem venceu o Vôlei Futuro na manha deste sábado por 3 sets a 1 e faturou a edição 2011/2012 da Superliga masculina. Estava lá no ginásio em São Bernardo e, enquanto termino as matérias para o iG, deixo o relato do jogo para vocês. Volto mais tarde com os comentários. E parabéns, Sada Cruzeiro!

Saiba como foi a final da Superliga: De virada, Cruzeiro vence Vôlei Futuro e fatura título inédito

Sada Cruzeiro

Sada Cruzeiro no lugar mais alto do pódio na Superliga masculina


Autor: Tags: ,

sábado, 14 de abril de 2012 Superliga | 00:13

Vôlei Futuro vence semi que começou e terminou no saque

Compartilhe: Twitter
Michael - Vipcomm

Michael fez quatro aces para o Vôlei Futuro na partida desta sexta-feira pela semi da Superliga

Logo de cara o Vôlei Futuro deu o seu recado para o RJX na partida que decidiria a semifinal da Superliga: iria apostar no saque forçado. E a aposta deu certo, já que Michael começou fulminando no fundamento. O time chegou a abrir 9 a 2 no primeiro set. Depois foi a vez de Vini, outro central de Araçatuba, acertar a mão, como já fez em outros jogos do torneio e na segunda partida da semifinal. Jogando em casa, o Vôlei Futuro fez 3 sets a 1 para cima do RJX e garantiu a vaga na decisão do campeonato.

Veja como foi a vitória do Vôlei Futuro set a set

Como o Vôlei Futuro soube acertar o saque! No final, foram nove aces da equipe da casa e cinco da carioca. Muitas bolas do Vôlei Futuro não foram direto para chão, mas “explodiram” nos jogadores do RJX. E o jogo começou e acabou no fundamento. Se Michael acertou e pontuou logo de cara no serviço, Lucão entregou o último ponto do quarto set com um erro, depois de ter feito também mais um ponto no saque.

Mas outros aspectos ainda chamaram a atenção nesta sexta-feira. O central paulista Michael não foi bem apenas no serviço. Ele virou no ataque e ajudou no bloqueio, tanto que foi eleito o melhor em quadra. No final, Dentinho foi o cara, com bloqueios em sequência mesmo não sendo o mais alto da rede.

Do outro lado, Dante segurou o jogo. Ele foi o maior pontuador do confronto, com 17 acertos, e entrou de fato na partida depois de ver uma discussão entre seus companheiros. Marlon e Riad se desentenderam e o central acabou indo para o banco. Assim que foi substituído, ele partiu para o vestiário. Dante se revoltou com aquela atitude, chamou Riad de moleque e desabafou na bola, soltando a bola no ataque, pontuando sempre que acionado. Vale lembrar que no segundo jogo uma situação parecida aconteceu. Lorena acordou de vez depois de discutir com Théo.

O problema foi que, desta vez, só a vontade de Dante não adiantou. O ponteiro motivou o RJX no terceiro set e a equipe venceu a parcial. Entretanto, começou o quarto set como os outros, atrás no placar, sofrendo com o saque e sem muitas forças para virar. Além disso, Théo, que seria o cara de segurança no RJX, não se encontrou em momento algum na partida. E se nem o seu oposto joga bem quando o passe está bem quebrado, fica complicado.

Essa partida começou com cara de jogo fácil depois de o Vôlei Futuro vencer as duas primeiras parciais, ganhou ares de um jogaço com a reação no terceiro set do RJX, mas acabou com vantagem para os donos da casa. Que venha agora a final contra o Sada Cruzeiro.

Notícia triste do dia

Segundo jornais e alguns blog, o Cimed perdeu o patrocínio da Sky e corre o risco de fechar. É complicado acabar com uma equipe tetracampeã só porque caiu nas quartas de final duas vezes seguida. Chegar aos playoffs, ainda mais uma um torneio equilibrado como a Superliga masculina, não é pouco.

Com a saída do patrocinador devem sair também Giba e Gustavo. Que o time consiga manter os outros atletas…

Autor: Tags: , , , , , , ,

domingo, 8 de abril de 2012 Superliga | 13:23

Lorena volta, e Vôlei Futuro empata em jogo de saques

Compartilhe: Twitter

Está tudo igual na semifinal da Superliga masculina. O Vôlei Futuro venceu o RJX por 3 sets a 1 neste domingo e levou a decisão para casa. E se na primeira partida, quando perdeu por 3 a 0, o time de Araçatuba sofreu por não contar com Lorena que, doente, jogou muito abaixo do esperado, agora o oposto cresceu no jogo e comandou.

Veja o jogo set a set: De virada, Vôlei Futuro vence RJX e empata semifinal

Lorena-Ricardinho/Divulgação

Lorena abraça Ricardinho na vitória do Vôlei Futuro sobre o RJX

Foi preciso uma discussão na rede para “acender” Lorena. Depois de brigar com Théo por causa de uma marcação do árbitro (falando nisso, diversas bolas foram duvidosas), o oposto passou a vibrar mais e, concentrado, virou bolas e variou no saque. Nada de, na hora da decisão, forçar e correr risco de errar. Lorena balanceou e ajudou seu time. Mais uma vez, a parceria com Ricardinho deu certo. O oposto chamou jogo, ganhou confiança e “voltou” de fato ao time.

E a virada do Vôlei Futuro também merece destaque. Eles saíram de 5 a 0 e 9 a 3 no terceiro set e se recuperaram, De novo, com Lorena, que marcou o ponto de empate e colaborou para que o Vôlei Futuro voltasse e ainda vencesse o set.

No RJX, um bom começo aproveitando os contra-ataques, mas faltou definição para aguentar até o quarto set. Mesmo bloqueando mais (8 a 4), o time caiu de rendimento e viu o Vôlei Futuro seguir forte. Eles fizeram um lance lindo no começo, com Dante recuperando uma bola quase na arquibancada e, depois, concluindo no bloqueio. Mas pecaram no final, com um levantamento que passou no meio dos braços do central Ualas…

Saque forçado x saque forçado

Neste domingo, o saque das duas equipes foi muito bem. O Vôlei Futuro demorou um pouco a ganhar o ritmo ideal, mas fez um excelente final. Lucão, que vem sendo destaque do RJX, continuou forçando e acertando o serviço, como no outro jogo da série. Só ele fez cinco dos oito aces do time carioca.

Foram oito aces também para o lado de Araçatuba, quatro de Vini. E como o central arriscou e marcou na hora certa! No quarto set, quando o Vôlei Futuro já liderava, ele quebrou a recepção e fez um ace na sequência, marcando 23 a 17. O RJX ainda salvou um match point no com outro ace, agora de Théo. Mas o oposto colocou na rede o serviço e o jogo acabou.

Os times estão forçando muito e o resultado está saindo. Além dos 16 aces no jogo, diversos passes saíram quebrados. E, depois de uma sequência de pancadas, alguém alivia e confunde ainda mais a recepção do outro lado. Gostei desse serviço neste domingo e espero mais pancadas  certeiras na próxima sexta, na partida que decide o finalista da Superliga. O jogo será às 21h, em Araçatuba.

Autor: Tags: , , , , ,

sexta-feira, 6 de abril de 2012 Superliga | 23:29

E a final será Unilever x Sollys mais uma vez…

Compartilhe: Twitter

Começa Superliga, termina Superliga e uma coisa não muda: a final. Pela oitava vez consecutiva Unilever vai encarar o Sollys/Nestlé na decisão do torneio nacional. O time do Rio Janeiro venceu o Vôlei Futuro agora há pouco por 3 sets a 0 e avançou à briga pelo título.

Unilever

Juciely ajudou no bloqueio da Unilever. Fundamento fez a diferença mais uma vez

Leia mais detalhes do jogo: Unilever vence Vôlei Futuro e vai a mais uma final de Superliga

E depois de um 3 a 0 no qual só o Unilever jogou e outro jogo decidido no tie-break para o Vôlei Futuro, a partida desta noite começou um pouco devagar. Ninguém atacava a bola de verdade! Era largada de um lado e largada de outro. Aos poucos, as largadas do Unilever cairam mais e o time venceu o primeiro set.

O cenário começou a mudar na segunda parcial. De um lado, Sheilla passou a soltar o braço. Do outro, Paula Pequeno e Fernanda Garay também começaram a atacar mais. O Vôlei Futuro cresceu, liderou, mas falhou. Quando tinha a vantagem e podia decidir e empatar o jogo, pecou nas finalizações e levou a virada e saiu, de novo, derrotado.

Ainda havia o terceiro set, mas o Vôlei Futuro demorou a voltar para a quadra e levou um 7 a 1. Elas até empataram, mas aí o jogo voltou a ser como na primeira partida da série, com o bloqueio do Unilever marcando presença. Foram três pontos em sequência no fundamento no finalzinho da parcial, mais uma vitória, final de jogo e a vaga na decisão. Amanda, que saiu do banco para ajudar no fundo, acabou aparecendo também na rede e foi destaque da partida.

Ninguém estava no auge do ataque nesta noite. Mari pouco apareceu. Sheilla demorou a virar de verdade. Joycinha também mais aliviou do que soltou o braço. Os passes quebrados dos dois lados ajudaram para isso. Mas se não dá para decidir no ataque, a opção é decidir no bloqueio. Parece que foi essa a tática adotada pelo Unilever e que já deu certo em outros jogos da Superliga. O time de Bernardinho pode sofrer na recepção e, muitas vezes, depender do talento de Fernanda Venturini (apesar de eu achar que ela não foi tão bem nesta sexta-feira), mas está se mostrando uma potência e tanto no bloqueio, marcando muito bem os rivais. E o Vôlei Futuro ajudou, sendo pouco agressivo nos momentos decisivos. E lá vamos nós para mais um Rio x Osasco na decisão…

Autor: Tags: , , , , ,

terça-feira, 3 de abril de 2012 Superliga | 21:22

RJX sai na frente do Vôlei Futuro na semifinal da Superliga

Compartilhe: Twitter

Parece que a ideia de se concentrar em Saquarema antes das decisões está realmente fazendo bem ao RJX. O time carioca venceu, agora há pouco, o Vôlei Futuro por 3 sets a 0 na primeira partida da semifinal da Superliga masculina. E se a equipe de Araçatuba sentiu falta de seu oposto Lorena, o RJX viu lindas bolas cravadas no ataque e passagens de saques certeiras de Lucão.

RJX - Divulgação

Riad abre os braços e comemora ponto do RJX na semifinal da Superliga

A dupla Lorena e Ricardinho encaixou muito bem nesta temporada no Vôlei Futuro. Lorena sabe bater bem as bolas aceleradas de Ricardinho e é o cara que chama o jogo e a torcida o tempo todo. Mas esta noite não era a noite dele. Ele até foi o maior pontuador da partida, com 13 acertos, mas também errou demais, principalmente no saque.

Foram diversas bolas na rede ou para fora. E quando você consegue o empate em 27 a 27 no terceiro set , depois de ter perdido os dois primeiros, não é o momento de arriscar no serviço se você não está num dia bom. Mas Lorena forçou, colocou a bola quase na cadeira do árbitro e viu o RJX fechar o set e o jogo na sequência.

Além disso, Ricardinho também o forçou demais no ataque. Ele é o jogador de segurança, mas se não estava bem, por que ser tão acionado? E por que o César Douglas não mexeu? O central Vini, que perdeu a cabeça depois de uma discussão após marcação de um erro de posicionamento foi logo para o banco e não voltou, por exemplo…

Do outro lado, o RJX parece, aos poucos, mais redondo. Depois de um começo de Superliga só com bons nomes, a equipe se uniu em duas semanas de concentração em Saquarema e está jogando bem nos playoffs. Para mim, o nome desta noite foi Lucão. Como ele virou pelo meio! E como ele sacou! O que o Lorena errou, ele acertou. Foi apenas um ponto direto no saque, mas ele conseguiu vários passes quebrados do lado do Vôlei Futuro. Méritos também de Marlon, que soube usar o seu jogador e deixá-lo diversas vezes com bloqueio quebrado na rede. E falando em saque, destaque também para Lipe que no finalzinho do terceiro foi lá, forçou e acertou.

Agora é ver a sequência da semifinal da Superliga masculina…

P.s.: vocês viram que o oposto Miljkovic anunciou a aposentadoria da seleção sérvia neste começo de semana? Eu fiquei surpresa porque ele ainda, quando está em seus dias, é o típico oposto que faz vinte e tantos pontos e carrega o time. Acho que deve fazer falta à Sérvia no Pré-Olímpico…

Autor: Tags: , , , , , ,

sábado, 31 de março de 2012 Superliga | 15:15

Vôlei Futuro volta à briga, e Sada vai à semi com "básico"

Compartilhe: Twitter

O sábado na Superliga foi para o Vôlei Futuro voltar à briga na semifinal do torneio feminino e para o Sada/Cruzeiro chegar à semifinal, depois de uma despedida e tanto do BMG/São Bernardo do torneio nacional. Veja como foram os jogos…

Já era esperado que o Unilever não tivesse de novo uma partida fácil como foi o primeiro jogo da série. E, neste sábado, o Vôlei Futuro também foi para quadra, não deixando as cariocas jogarem sozinhas. O time de Araçatuba foi agressivo, cresceu no jogo e empatou a semifinal usando melhor o saque e os ataques pelas pontas.

Ana Cristina - Divulgação/CBV

Ana Cristina foi eleita a melhor em quadra na vitória do Vôlei Futuro

Durante toda a Superliga, o Unilever sofreu com passe. Com a ajuda da levantadora Fernanda Venturini, que conseguiu arrumar diversas bolas “quebradas” e encaixou muito bem o jogo com as centrais Juciely e Valeskinha, as cariocas dominaram boa parte do torneio nacional. Mas neste sábado, voltou a sofrer no fundo de quadra. A recepção do Unilever não funcionou. Até no saque de Paula Pequeno, que é um serviço tático do chão, elas erraram.

Leia mais sobre o jogo: Vôlei Futuro frustra torcida, bate Unilever e adia decisão

Já o Vôlei Futuro melhorou no ataque ao longo do jogo. Fernanda Garay, Paula e companhia aos poucos soltaram o braço. E o jogo teve lindas defesas, de ambos os lados. Ninguém se intimidou em ficar na frente da bola! Mas as visitantes aproveitaram mais, mostraram mais tranquilidade e levaram o jogo para o tie-break. No set decisivo, só elas jogaram. Parecia o troco para a partida ruim na abertura da série. Agora fica tudo igual e o Sollys/Nestlé terá que esperar mais um pouco para conhecer o seu rival. Depois do equilíbrio de hoje, o Vôlei Futuro voltou a ter chances de acabar com o domínio Osasco x Rio nas finais…

Fazendo o básico e usando quem está virando, Sada/Cruzeiro vai à semi

No masculino, quase uma surpresa em mais um jogo bastante equilibrado. O BMG/São Bernardo chegou aos playoffs sem nenhuma pressão. Foi o oitavo colocado, teve uma campanha de altos e baixos e jogou mal na primeira partida da série de quartas de final, sendo facilmente derrotado pelo Sada/Cruzeiro. Já os mineiros eram os favoritos por serem os líderes da primeira fase e por terem mantido praticamente o time que foi vice-campeão no ano passado. Mesmo com as diferenças, a série acabou também bastante equilibrada.

Sada/Cruzeiro - Divulgação/CBV

Sada/Cruzeiro conseguiu a vaga na semifinal diante da sua torcida

A vitória no segundo jogo por 3 a 1 dão ânimos aos jovens paulistas e eles não se intimidaram em Contagem neste sábado. Saíram atrás no placar, perdendo o primeiro set, mas buscaram a virada. Depois, foi o Sada/Cruzeiro quem definiu mais e levou a partida para o tie-break (placar comum nesses playoffs da Superliga, não?). No set decisivo, os donos da casa venceram fazendo o básico, ou seja, dando bola para quem estava virando. Com ataques de Wallace e ajuda de bloqueio de Acácio e saque de Filipe, vitória aos mineiros e a vaga na semifinal. O São Bernardo não surpreendeu por pouco, mas fez bonito na série.

E continuo gostando das atuações de William, como acho que já comentei por aqui. O levantador sabe dar velocidade à bola, fazer lindas invertidas de rede, mas não esquece que, muitas vezes, vale fazer o mais simples. Wallace é um oposto que vem melhorando e muito porque, além de jogar na pancada, está aprendendo a usar o jeito também. E ele não se intimida e, diversas vezes, é o maior pontuador. Neste sábado não foi diferente. Ele marcou mais de 30 pontos no jogo. William, vendo isso, acionou o seu oposto. Méritos para o levantador, que tem que saber a hora de inventar, mas também tem que colocar a bola para quem está decidindo. E para o atacante, que amadurece diante de todos.

E se tivemos tie-breaks até agora, acho que a semifinal deve manter o mesmo ritmo. De um lado, RJX e Vôlei Futuro em uma série entre um time novato que finalmente ganhou identidade e outro que apostou em “não-selecionáveis” e se deu bem. Já o Sada/Cruzeiro terá um confronto regional com Vivo/Minas. Pelo visto, teremos mais saques forçados e pancadas nos ataque com os opostos. As duas séries têm grandes chances e durarem até o terceiro jogo…

Autor: Tags: , , , , ,

terça-feira, 27 de março de 2012 Superliga | 22:53

Vôlei Futuro respeita demais, e Unilever sai na frente

Compartilhe: Twitter

“Estamos respeitando demais”. Esta foi uma frase do técnico do Vôlei Futuro Paulo Coco ao final de um dos tempos técnicos do primeiro jogo da série semifinal contra o Unilever. E assim, respeitando demais, demorando a acordar no jogo, e levando diversos pontos no bloqueio que o time de Araçatuba viu o Unilever sair na frente na série com louvor.

Unilever

Unilever fez um paredão para cima do Vôlei Futuro no primeiro jogo da semifinal

O time carioca jogou com facilidade e marcou 3 sets a 0 com direito a 19 pontos de bloqueio. Quase um set só neste fundamento em um jogo com apenas três parciais. É muita coisa (e uma curiosidade: nos últimos posts sempre tenho comentado da boa atuação da equipe de Bernardinho no bloqueio!). Mas a explicação nesta noite é simples e volta ao “respeito” do Vôlei Futuro. O time de Araçatuba não foi agressivo no saque. O Unilever sofre na recepção e, mesmo sabendo disso, as anfitriãs sacavam fácil para cima da líbero Fabi. Sem contar quando não erravam dois serviços seguidos…

Mais detalhes do jogo: Com ‘paredão’, Unilever vence Vôlei Futuro

Com isso, Fernanda Venturini trabalhou com o passe na mão e deixou a quadra com sorriso no rosto. Na grande maioria das jogadas ela estava com a  bola redondinha e tinha todas opções de ataque para definir. Do outro lado, Ana Cristina e Ana Tiemi tinham que forçar com as pontas. E quando o passe saia era tão esperado que a levantadora tentaria uma bola de meio que era bloqueio na certa (veja mais no lance a lance da vitória do Unilever).

O Vôlei Futuro até conseguiu bloquear e forçar o ataque e empatar no terceiro set, mas quando teve a oportunidade de virar, falhou e voltou a parar no bloqueio carioca. Pois é, não tinha mais jeito.

Acho que fica a mesma lição adotada pelo Mackenzie/Cia do Terno nas quartas. Antes do primeiro jogo, a ideia das mineiras era forçar o tempo todo, ser agressivo e arrisacando sempre. Deu certo e elas surpreenderam com a vitória no primeiro jogo da série. Resta ao Vôlei Futuro seguir o mesmo caminho e esquecer a apatia o respeito desta noite. Ou elas se aproveitam da fragilidade da recepção carioca e soltam o braço no ataque, ou teremos mais uma vez o Unilever na final.

Autor: Tags: , , ,

domingo, 25 de março de 2012 Sem categoria, Superliga | 12:06

Superliga tem surpresas, semi definida e um 25 a 7

Compartilhe: Twitter

Este final de semana é mais um daqueles de agenda cheia e de decisão. Se na sexta São Bernardo e Vivo/Minas empataram as suas séries de quartas de final, o sábado foi de definição de uma das semis, com RJX enfrentando o Vôlei Futuro. Já no feminino, Sollys/Osasco teve um começo arrasador e saiu na frente do Usiminas/Minas na sua semifinal. Vamos ao resumo da Superliga e alguns pitacos.

Séries empatadas
Um pode ter sido uma surpresa, mas no outro, o equilíbrio era mais do que esperado. Primeiro o BMG/São Bernardo esqueceu o primeiro jogo da série, no qual foi batido facilmente pelo Sada/Cruzeiro, jogou de igual para igual e venceu os mineiros por 3 a 1. Os paulistas realmente acreditaram na vitória, apesar da superioridade do Sada, que havia vencido todos os jogos contra eles nesta Superliga. Tanto que saíram perdendo de 5 a 0 em um dos sets e buscaram o placar. Além disso, fizeram direitinho a combinação saque e bloqueio. Acertaram no serviço com sete aces e bola fora da mão de William. E completaram com 14 bloqueios.

Já Vivo/Minas e Cimed/Sky tiveram mais um tie-break. E tenho que concordar com os leitores daqui do blog. Eu mesma já disse isso em outros posts: já chegou a hora de Bruninho parar com essa de insistir com o jogador se ele erra a primeira bola! Rivaldo era o maior pontuador em quadra e, então, ele deveria receber bola no tie-break. Mas ele foi bloqueado e, em seguida, recebeu mais uma bola e levou outro bloqueio. Era a hora de tentar uma jogada diferente. Com isso, o Vivo/Minas venceu e forçou o quarto jogo. Mas Bruno ainda é um bom levantador e Cimed e Minas têm ótimos elencos. Esta série é de longe a mais equilibrada…

Altura nem sempre resolve
Medley/Campinas tem um oposto de 2,08m (Bob), um central de 2,15m (Gustavão) e até um levantador de 2,06m (Fidele, reserva de Rodriguinho).  Já o Vôlei Futuro tem Camejo, de 2,06m, mas o outro ponteiro tem 19,4m (Dentinho), o oposto é de 1,98m (Lorena) e um central de 1,96m (Vini). Quem bloquearia melhor? Os mais altos? Não, não… No segundo set o Vôlei Futuro já tinha oito a zero em bloqueios para cima do Campinas.

E o saque também ajudou. O time de Araçatuba força muito no serviço e quebrou a recepção do Medley/Campinas a ponto de Lukianetz dizer a seguinte frase após o jogo: “Com esse saque forçado e sem errar, o Vôlei Futuro vai longe e vai ser campeão dessa Superliga”. Será? Vamos ver a semifinal diante do RJX. Pelo que mostrou na temporada, pelo elenco redondo e ótima dupla Ricardinho e Lorena e também pela potência no saque acho que o Vôlei Futuro pode chegar à final…

Adeus ao campeão
O RJX está mais perto do que era o objetivo no começo da temporada, quando o time foi lançado. Eles queriam chegar à final. Já estão na semi depois de terem eliminado o Sesi, atual campeão. O time paulista vinha sofrendo nas últimas rodadas sem seus opostos, que estavam machucados. Wallace até jogou, mas voltou a sentir dores no joelho. Depois de altos e baixos dos dois lados, melhor para o RJX, que venceu no tie-break. É uma equipe que oscilou na fase de classificação, mas que aos poucos deixa de ser só um grande nome no papel e também aprende a jogar junta em quadra. 

Alerta depois de começo arrasador
O jogo feminino deste final de semana foi Sollys/Nestlé x Usiminas/Minas na primeira partida da série semifinal. O  time de Osasco e marcou simplesmente 25 a 7 no primeiro set. Depois, o jogo ficou equilibrado e ganhou mais cara de semifinal. E, depois de vencer dois sets, o Sollys mais uma vez baixou a guarda, como fez no segundo jogo das quartas contra o BMG/São Bernardo. Só que o Minas tinha Herrera, que tinha começado a virar bolas, Claudinha bem na distribuição e um saque que deu trabalho (mais uma vez o saque, personagem desses jogos!). Se contra o São Bernardo deu tempo de recuperar e fechar em 3 a 0, aqui foi necessário se contentar com um 3 a 1. Ainda acho que o Sollys/Nestlé é mais equilibrado e tem um conjunto melhor. Mas é melhor ligar o alerta para Herrera, que pode decidir.

Na terça-feira tem mais, com Unilever x Vôlei Futuro na abertura da outra série de semifinais… Os homens voltam a jogar na sexta e no sábado.

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. 3
  5. 4
  6. 5
  7. Última