Publicidade

Posts com a Tag semifinal

sábado, 11 de abril de 2015 Superliga | 09:50

Não passa nada! Molico/Nestlé cresce no bloqueio e vai para a final da Superliga

Compartilhe: Twitter

O Rexona/Ades já sabe quem vai enfrentar na decisão da Superliga feminina 2014/2015. Na noite de sexta-feira, o Molico/Nestlé bateu o Sesi por 3 sets a 0 (25/21, 25/17 e 25/14), fechou a série com duas vitórias e garantiu a sua vaga na final do campeonato. E lá vamos nós para mais um Rio x Osasco na decisão. Será o 10º nos últimos 11 anos!

Divulgação/ZDL

Bloqueio do Molico/Nestlé para cima do Sesi na semifinal da Superliga 2014/2015

E na partida desta sexta, o Molico/Nestlé repetiu o que deu certo no primeiro jogo da semifinal e arrumou o que estava errado. Assim, ficou fácil. No primeiro confronto, as jogadoras do Osasco aplicaram 27 pontos de bloqueio em cinco sets. Agora, foram 17 pontos no fundamento em três sets. Era bloqueio pelo meio, na ponta, na bola largada… Excelente leitura de jogo da equipe e pressão o tempo todo para cima do Sesi.

Mais detalhes da semifinal Molico/Nestlé x Sesi

Entretanto, no primeiro jogo o Molico vacilou nos erros e se perdeu em quadra, tendo que decidir no tie-break depois de ter vencido os dois primeiros sets. Foram os bloqueios que salvaram naquela partida. Agora, a equipe mostrou concentração do começo ao fim para liquidar logo a partida. Na volta para o terceiro, saiu na frente e em pouco tempo estava com 4 a 0 ou 6 a 1 no placar. Se com uma ótima atuação no bloqueio e erros já saiu a vitória, com parede na rede e concentração, veio o 3 a 0.

Do outro lado, o Sesi pecou nos erros de saque logo no primeiro set. Acho que foram seis pontos de graça nessas falhas. E com a pressão do outro lado, acabou sucumbindo. O time paulistano chegou a reagir ainda no primeiro set e quase complicou no finalzinho, mas não deu.

E desta vez, a escolha do Viva Vôlei foi mais do que acertada. Às vezes o prêmio é dado para incentivar uma jogadora e não vai para quem realmente segurou a onda da partida. A escolhida da noite foi Gabi, do Molico/Nestlé. Com 1,75m, ela bloqueou, mostrou potência em lindos ataques e defendeu. Mereceu. Mas como o destaque do jogo foi o bloqueio, méritos também para Thaísa e Adenízia e mais cinco pontos no fundamento na conta de cada uma.

Agora, como disse lá no começo, lá vamos nós para mais uma decisão entre Rio de Janeiro e Osasco. Espero que o time de Luizomar mantenha o embalo desta semifinal. Aí a final, marcada para o dia 26, promete…

Autor: Tags: , , , , , , ,

sexta-feira, 10 de abril de 2015 Superliga | 13:56

Com saque em um set e bloqueio nos outros, Rexona vai para a final da Superliga

Compartilhe: Twitter

De novo, o time do Rio de Janeiro é finalista da Superliga feminina. O Rexona/Ades venceu o Camponesa/Minas na noite de quinta-feira por 3 sets a 0 (25/17, 25/18 e 25/21) e vai disputar a decisão do torneio nacional pela 11ª vez consecutiva. A gente está cansado de saber que uma boa combinação saque e bloqueio ajuda, e muito. A equipe de Bernardinho levou isso ao pé da letra.

Divulgação/CBV

Rexona é finalista da Superliga feminina

No primeiro set, o saque foi o que fez a diferença. Com seis aces contra nenhum do Minas, as cariocas foram crescendo e dominando o placar. A partir do segundo set, ainda com o serviço entrando, o bloqueio apareceu mais. Foram quatro pontos na segunda parcial e sete na terceira. O resultado foi o 3 a 0 no placar.

Veja como foi a vitória do Rexona set a set

No primeiro jogo da série semifinal, muitos reclamaram que o Minas acabou prejudicado por erros da arbitragem. Agora, acho que os juízes não interferiram no resultado. O Rexona errou menos e apareceu mais no jogo. Carol foi bem saque e Juciely, bem no bloqueio. Natália foi a maior pontuadora, com 18 bolas no chão. E Fofão é a Fofão. Em um lance já no final do jogo, ela levantou uma bola para trás com um passe C e deixou na pinta para Régis bater.

Do outro lado, o Minas não pode ser ignorado. A equipe cresceu muito de produção com Jaqueline e realmente conseguiu virar uma das favoritas ao título depois de derrapar no começo da Superliga. Como Walewska já tinha falado na primeira partida semi, a inexperiência de algumas jogadoras pode ter pesado. Mas ficar entre os quatro é um feito e tanto. No começo da temporada, a aposta era, por exemplo, que o estrelado Dentil/Praia Clube fosse mais longe. Mas o Camponesa/Minas que acabou entre os quatro melhores.

Hoje temos que comemorar sim de estar entre os quatro melhores times, diz Walewska

E agora, repito a pergunta do outro post sobre as semifinais: será que a velha e conhecida decisão vai se repetir? O Rexona fez a parte dele e, nesta noite, o Molico/Nestlé recebe o Sesi. O time de Osasco venceu a primeira e está na vantagem. Veremos…

Autor: Tags: , , , , , , ,

domingo, 5 de abril de 2015 Superliga | 21:44

Rexona e Molico na frente na semifinal… A história vai se repetir?

Compartilhe: Twitter

As semifinais da Superliga feminina começaram neste final de semana e Rexona/Ades e Molico/Nestlé saíram na frente. As cariocas venceram o Camponesa/Minas e o time de Osasco passou pelo Sesi. Será que a velha e conhecida história das finais da Superliga vai se repetir, com Rio x Osasco na decisão? Primeiro, vamos ao que aconteceu no sábado.

Bloqueio do Rexona na vitória sobre o Minas no 1º jogo da semifinal

Bloqueio do Rexona na vitória sobre o Minas no 1º jogo da semifinal da Superliga

Camponesa/Minas 1 x 3 Rexona/Ades

Foi um jogo repleto de erros: 26 para cada lado, segundo as estatísticas da CBV. E isso é muito! No primeiro set, por exemplo, o Minas não fez nenhum ponto de saque e nem de bloqueio, mas deixou o jogo igual porque ganhou 13 pontos de graça das cariocas. E erros à parte, a partida foi bem equilibrada nos três primeiros sets. Já no quarto set, foi o Minas quem vacilou e deu oito pontos, enquanto o Rexona foi abrindo e liquidou com 10 pontos de vantagem (as parciais do jogo foram 25/23, 22/25, 25/22 e 25/15).

O Rexona, apesar de nem sempre ser constante e também errar, é mais experiente e consegue crescer em qualquer momento de decisão, seja com uma chamada a mais de Bernardinho ou com uma inversão que dá certo. Já o Minas tem Jaqueline, mais uma vez quem mais pontuou para o time, mas ainda tem jogadoras mais novas e isso pode ter pesado, como disse a central Walewska depois da derrota. Agora passou o impacto na primeira partida da semifinal, mas ainda aposto na equipe do Rio de Janeiro para chegar à final.

Ivna foi a maior pontuadora da partida, com 25 acertos

Ivna foi a maior pontuadora da partida, com 25 acertos

Sesi 2 x 3 Molico/Nestlé

Mais um tie-break para a conta do Molico nesta Superliga (já fiz um post sobre isso aqui no blog!). O time de Osasco venceu os dois primeiros sets diante do Sesi mostrando bloqueio e saque afiados. Erros da central Fabiana também ajudaram as visitantes na segunda parcial. Mas o cenário mudou a partir do terceiro set. Será que foi aquela mais do que manjada síndrome do terceiro set? O Molico poderia ter crescido e acabado com o jogo, mas passou a errar e viu o Sesi, agora com Fabiana recuperada, empatar e levar o jogo para o tie-break. No set final, mais uma vez o saque e o bloqueio ajudaram. Para completar, na passagem de Dani Lins pelo serviço e com Carcaces no contra-ataque, o Molico emplacou três pontos e fechou em 15 a 10 (as parciais foram 25/11, 26/24, 22/25, 20/25 e 15/10).

Voltando a falar em erros, o Molico pecou neste jogo. Deu 11 pontos de graça no terceiro set, quando era o momento de aproveitar o embalo e fechar a partida. No total, foram 29 pontos de graça para o Sesi. A vitória veio graças ao bloqueio, que funcionou muito bem, marcou 27 pontos e compensou. Gabi e Dani Lins tiveram boas passagens pelo saque, o que ajudou no fundamento. Mas é complicado errar tanto e vencer mais uma vez… Apesar do triunfo, fica o sinal de alerta.

As semifinais continuam nesta semana… A gente se vê!

Autor: Tags: , , , , , , , ,

terça-feira, 31 de março de 2015 Superliga | 09:34

Sada Cruzeiro x Sesi em mais uma final de Superliga

Compartilhe: Twitter

*atualizado dia 01/04

Voltamos, galera! Fiquei longe durante as férias, perdi o começo dos playoffs da Superliga, mas estou de volta a tempo de acompanhar a decisão. Então vamos ao que interessa? O Sada Cruzeiro é o primeiro finalista da Superliga 2014/2015. O atual campeão comprovou o favoritismo e fechou a série semifinal diante do Minas na noite de segunda-feira com duas vitórias. E com 3 a 0 para cima dos rivais fora de casa.

Mais detalhes da vitória do Sada Cruzeiro na semifinal da Superliga

Divulgação/CBV

Sada Cruzeiro passa pelo Minas na semifinal da Superliga

No primeiro jogo, os times fizeram uma partida mais equilibrada e o saque do Sada Cruzeiro fez a diferença. Foram 9 aces contra 2 do Minas. Nesta segunda, mais uma vez o serviço pesou. Enquanto o Sada forçava e desestabilizava a recepção rival, o Minas tentava responder forçando também, mas errando mais e sem conseguir quebrar o ritmo do Sada.

O primeiro set teve um placar mais apertado, com vitória de 25 a 22. Mas na segunda parcial, o Sada passeou com 25 a 11. E a prova de que os visitantes estavam bem foi que o Minas quase não errou, dando apenas 3 pontos de graça. Foi o Sada quem construiu a vantagem, disparou no placar aproveitando contra-ataques e fechou com um ace de Filipe. Depois, logo abriu 6 a 1 no terceiro set. O Minas tentou, mas o volume de jogo do Sada era melhor e eles fecharam em 25 a 19 sem muitos problemas.

Leia mais: “Estamos entre os quatro melhores times de forma honrosa”, diz técnico do Minas

Méritos para o Sada Cruzeiro, claro, que está em mais uma final. Foi o melhor time da fase classificatória com folga, tanto que jogará a decisão da Superliga em casa, no Mineirinho, no dia 12 de abril. Entretanto, o Minas também merece um parabéns. O 3 a 0 deve ter doído, mas o time é jovem, com vários atletas da base. Eles deixaram quem era apontado como favorito pelo caminho, como o Brasil Kirin, depois de duas vitórias nas quartas. Ninguém quer perder, mas que o lugar entre os quatro primeiros ajude ao Minas a se motivar a seguir investindo no vôlei. Quanto ao Sada, valeu o saque, o volume de jogo e a experiência de um time que mantém a base (fórmula com cara de ideial, não?).

Sesi garante vaga e repete final

Divulgação/CBV

Lucarelli e Marcelinho comemoram vitória do Sesi na semifinal

Do outro lado, o Sada Cruzeiro vai encarar o Sesi. A equipe paulista venceu o Taubaté/Funvic na noite de terça-feira por 3 a sets a 1 e fechou a série semifinal também em duas partidas. E a na segunda partida, só o primeiro set foi mais fácil. O Taubaté errou mais (deu nove pontos de graça) e o Sesi conseguiu fechar. Os donos da casa entraram no jogo na segunda parcial, mas aí os nervos pesaram. Lipe levou vermelho e o Sesi se manteve melhor e fechou mais um. Depois, de novo com bastante equilíbrio, foi o vez do Taubaté liderar o placar, abrir em uma passagem de Lorena pelo saque e fechar. No quarto set, o Taubaté ainda se manteve à frente quase toda a parcial, mas quase sempre com diferença mínima. No finalzinho, uma boa inversão de 5 1 de Pacheco e o ponto de saque de Lucão para cima de Dante deram a vitória ao time da capital.

E aqui também os dois times merecem parabéns. O Sesi cresceu no momento certo da competição, por mais clichê que seja falar isso. A equipe sofreu com lesões no começo da temporada, como Murilo e Téo, e se encaixou aos poucos. Chega aos playoffs com todo mundo pronto para jogar. Murilo ainda não está bem no ataque, mas está recuperado da cirurgia do ombro. Se não ataca, ele ajuda no passe. O time está completo e vai completo para a final.

Já o Taubaté ganhou reforços esse ano para ser campeão. Venceu o Campeonato Paulista, diante do mesmo Sesi, e a Copa do Brasil. Ficou no caminho na Superliga, mas merece respeito. Caiu em uma semifinal disputada, equilibrada. Que também serva de motivação para manter o investimento para a próxima temporada (acho que fiquei um pouco traumatizada depois de ver tantos times fechando ou perdendo espaço nas últimas temporadas…)

Autor: Tags: , , ,

quarta-feira, 17 de setembro de 2014 Seleção masculina | 23:50

Sacrifício vale a vaga na semifinal no Mundial

Compartilhe: Twitter

Segunda fase do Campeonato Mundial, uma vitória e uma derrota para o Brasil, a vaga na semifinal assegurada e uma certeza: o sacrifício valeu a pena! Diante da Rússia, na última partida da fase anterior, Wallace (entorse no tornozelo esquerdo), Sidão (dor nas costas) e Murilo (estiramento na coxa direita) saíram machucados. Contra a Polônia, na terça-feira, Sidão conseguiu atuar, mas Wallace só entrou nas inversões e Murilo sequer foi relacionado. O Brasil perdeu por 3 sets a 2. Nesta quarta, era preciso vencer a Rússia mais uma vez para seguir no torneio e todo mundo foi para quadra. E a seleção atropelou os russos por 3 sets a 0.

Divulgação/FIVB

Murilo voltou ao time titular na vitória por 3 a 0 sobre a Rússia no Campeonato Mundial

Dos machucados, quem faz mais falta ao time é Murilo. Desde que voltou na Liga Mundial, ele é peça fundamental para a recepção. Lipe foi titular contra a Polônia na vaga de Murilo. Com ele, o Brasil ganha mais uma opção no ataque. Lipe foi o terceiro melhor atacante da partida (colocou 13 bolas no chão no total) e ainda fez três bloqueio. Entretanto, com ele, o fundo de quadra acaba um pouco pior. Mario Junior fica sobrecarregado e Lucarelli tem que ajudar mais no passe também. E Lucarelli vive uma excelente fase no ataque e melhorou no passe, mas ainda não é o Murilo.

Nesta tarde, contra a Rússia, Murilo foi para o sacrifício e voltou a ser titular. E a atuação dele na recepção foi até melhor que a de Mario Junior. Enquanto o ponteiro teve um aproveitamento de 57,89%, o líbero ficou nos 55.56%. Na rede, Murilo fez quatro pontos no ataque e um no bloqueio. Aí está o exemplo de que o Brasil com Lipe pode ganhar na rede, mas fica com mais volume de jogo com Murilo. E no caso da nossa seleção, que joga muito bem com os meios, vale, e muito, ter um bom fundo de quadra e passe na mão de Bruninho.

Além disso, o Brasil segue bem no saque e esse fundamento ajudou a diante dos russos, por exemplo. A seleção abriu vantagem com bons saques no primeiro e no segundo set. E ainda fez uma série de bloqueios (fundamento que, como sabemos, é ajudado por um saque que quebra a recepção rival) que levaram até o match point. Para fechar, uma ajuda dos russos com toque na rede.

O sacrifício de Murilo compensou para o passe. E ainda inspirou Wallace, que também ignorou a dor no entorse no tornozelo e foi titular e ainda terminou o jogo como segundo maior pontuador, com 14 acertos, atrás de Lucarelli, que fez 15 pontos.

Leia mais: Ignoramos a provocação e isso até incomodou o time deles, diz Wallace

Wallace também destacou outro ponto importante. Depois de tanto sofrer diante dos russos, o Brasil aprendeu a encarar o rival não apenas recepcionando bem e marcando os gigantes rivais, mas também mantendo a cabeça no lugar. Jogo contra a Rússia é jogo de provocação na cara o tempo todo e, como Wallace disse, os brasileiros souberam ignorar isso. E o oposto tem razão quando fala que ignorar pode até irritar ainda mais do que responder. Quem gosta de ser ignorado? Ninguém. E o melhor jeito de responder a uma provocação é deixar o cara falando sozinho e ainda aplicar um 3 a 0 no placar.

Que venha a semifinal!

Autor: Tags: , , , , ,

sábado, 19 de julho de 2014 Seleção masculina | 00:59

E os erros reaparecem na seleção na Liga Mundial…

Compartilhe: Twitter

O Brasil sabia que poderia até perder nesta sexta-feira que já estava na semifinal. E se o Irã vencesse, a Rússia ainda estaria eliminada da Liga Mundial. E foi isso que aconteceu. A seleção fez um jogo feio, levou 3 a 1 do Irã e viu a pedra no sapato das últimas decisões dar adeus a competição. Valeu a pena? Não sei…

Divulgação/FIVB

Irã comemora vitória diante do Brasil na fase final da Liga Mundial

No último post a força do Brasil, que reagiu depois de quase ter sido eliminado na primeira fase, foi exaltada. Agora, a equipe voltou a mostrar os erros que a deixaram por um fio na competição. O saque diante dos iranianos não funcionou e não colocou pressão. O bloqueio, que contra a Rússia fez 12 pontos, ficou nos oito e só em momentos do terceiro set incomodou o oposto Ghafour, principal pontuador da partida (colocou 23 bolas no chão). Sem contar que em em muitos momentos faltava definição no ataque na força. Do outro lado, o Irã sacou forçado o tempo todo e soltou o braço no ataque e, por isso, venceu até sem muitos problemas.

Sabendo que não dependia do resultado, Bernadinho mexeu no elenco e colocou Éder no lugar de Sidão na rede e Lucas Lóh na vaga de Murilo na ponta. O entrosamento do Bruninho com o central seguiu bem, já que os dois cansaram de atuar juntos nos tempos de Cimed. Mas o jovem ponteiro foi caçado pelo saque iraniano e sofreu com o passe. Os melhores momentos da seleção foram logo no começo, com jogadas de Bruno com Lucão. Mas depois… No ataque Lucarelli acabou se achando a partir do segundo set, mas não foi suficiente para levar a equipe.

Ok, não era preciso vencer, mas faria bem mais uma vitória. Se não influenciaria muito na classificação, que já estava assegurada, empolgaria para a semifinal. Mas o Brasil parecia que estava ignorando esse jogo. “Nossa principal preocupação era chegar bem amanhã, mas é claro que queríamos vencer”, disse Éder após o jogo. E agora, valeu a pena mexer no time que estava bem e jogando no alto nível e ver os erros voltarem a aparecer na véspera da partida decisiva contra a Itália? Não era melhor manter Sidão, que vinha com bom saque, e Murilo, fundamental no passe e no bloqueio, e vencer bem mais uma partida?

Agora já foi. Que venha a Itália, mais uma vez (foi diante dos italianos que o Brasil venceu as últimas partidas que deram a vaga na fase final). Da outra semifinal, Irã encara os Estados Unidos.

P.s.: O que foi a torcida do Irã nesta partida? Eles não pararam de fazer barulho um instante sequer com suas cornetas e gritos! Impressionante!

Autor: Tags: , , ,

sábado, 12 de abril de 2014 Superliga | 16:39

Unilever cresce, conta com defesas de Fabi e faz outra final

Compartilhe: Twitter

A equipe do Unilever assegurou a sua vaga na final da Superliga 2013/2014. Depois de uma temporada de tropeços, o time de Bernardinho chegou aos playoffs sem o mesmo favoritismo de antes, mas fez jus a camisa, cresceu na hora certa (como já comentávamos no post anterior) e fechou a semifinal com 3 sets a 2 diante do Vôlei Amil e 2 a 0 na série.

Festa do Unilever na semifinal no Maracañazinho

Festa do Unilever na semifinal no Maracañazinho

Achava que esse ano a Superliga poderia ter uma final diferente depois de algumas atuações do Unilever ao longo do torneio. Também apostava o Vôlei Amil pudesse interromper a hegemonia carioca. Errei. A equipe de Bernardinho fez logo 3 a 0 na primeira partida da semifinal e mostrou tranquilidade e personalidade para acabar com a série neste sábado.

Pelo primeiro set, parecia que seria diferente. Com Natália inspirada e bom saque, o elenco de Campinas venceu sem problemas. Na segunda parcial, o cenário de inverteu e quem passou a acertar passes e jogadas foram as cariocas, que empataram o jogo. Vitória de novo da Unilever no terceiro set e empate mais uma vez com parcial para o Vôlei Amil logo em seguida. Aí, na hora da decisão, calma e precisão do lado carioca.

O tie-break chegou a ficar 14 a 10 para o Unilever depois de erros de ataque de Tandara e Kristin. Mas com um ace e dois bloqueios, as campineiras empataram em 14 a 14. Isso dá moral para qualquer um crescer e virar de vez o jogo. Mas não foi assim. O Unilever recuperou o match point e colocou a bola no chão para vencer e avançar para a final.

A diferença na dinâmica do jogo me chamou a atenção. Tirando os problemas no passe vividos dos dois lados, tanto a defesa campineira como a carioca estavam presentes. Só que do lado do Vôlei Amil, a impressão era que a bola apenas subia e era preciso passar como fosse possível para seguir a jogada. Já no Unilever, até nas defesas as bolas sobravam melhores para Fofão, fluindo mais o jogo.

E para isso, méritos de Fabizinha. Ela estava em todas as bolas e salvou muitas jogadas, entregando bem para que Fofão seguisse com a armação. A líbero foi eleita a melhor em quadra com louvor. Fofão, aos 44 anos, dispensa comentários pela calma para decidir as jogadas e leitura da partida. E outra que merece destaque é Carol. A jovem central conquistou a vaga de titular nesta temporada, comandou o bloqueio no primeiro jogo da semi e foi a maior pontuadora do time carioca neste sábado.

Sesi na frente

Enquanto isso, na outra semifinal, caiu a invencibilidade do Molico/Nestlé. O time de Osasco, que não perdia há 28 jogos, ou seja, toda a Superliga, levou 3 sets a 1 do Sesi em casa na noite de sexta-feira. E aqui os méritos vão para a dupla Dani Lins e Fabiana. A levantadora soube distribuir muito bem as jogadas e a central é aquela velha conhecida da seleção desde meados da Superliga.

E durante o jogo tive a impressão de ver o Sesi mais solto em quadra. Em alguns momentos, como no final do segundo set, se não me engano, o Molico reagiu e o time de Talmo ameaçou ficar nervoso. Mas se segurou e venceu. No geral, parecia que as jogadas do time de Osasco eram mais forçadas enquanto o jogo fluía melhor do outro lado.

E agora, o que vem pela frente? O Sesi chegou a ser 10º colocado no torneio e melhorou muito depois da Copa Brasil. Depois disso ainda foi campeão sul-americano justamente diante do Molico. Será que a final vai ser diferente graças ao Sesi? Ou o Molico/Nestlé reverte a série e repete a decisão contra o Unilever? Eu é que não vou arriscar nenhum palpite…

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

quarta-feira, 9 de abril de 2014 Superliga | 11:18

Será que o Unilever chega lá mais uma vez?

Compartilhe: Twitter

O Unilever não fez uma temporada dos sonhos. Na fase de classificação da Superliga, por exemplo, somou seis derrotas, incluindo tropeço para o Rio do Sul, e ainda passou sufoco em outros jogos. A dificuldade continuou no primeiro confronto das quartas de final, quando venceram o Pinheiros apenas no tie-break. Na segunda partida, vitória por 3 a 0 e vaga na semifinal assegurada. E na noite de terça-feira, na abertura da série que leva para a decisão, mais um 3 a 0, agora para cima do Vôlei Amil. O time se encaixou de vez?

Mais sobre o jogo: Unilever larga na frente do Vôlei Amil nas semifinais da Superliga feminina

Mihajlovic - Divulgação

Mihajlovic foi a maior pontuadora do Unilever no primeiro jogo da semifinal da Superliga

No jogo em Campinas, o Unilever mostrou volume de jogo e paciência para buscar o placar quando era necessário. E nesses momentos o bloqueio apareceu e travou as opções de Claudinha, levantadora do outro lado da quadra. Teve uma hora que era bola para Tandara que ficava no bloqueio. Depois bola para Natália e mais um bloqueio. E ainda jogada com Carol Gattaz e o quê? Outro bloqueio. O destaque no fundamento foi Carol, que marcou metade dos pontos do time carioca na rede (foram 12 bloqueios certeiros no total).

Para colaborar, a sérvia Mihajlovic comandou o Unilever com 19 dos 42 pontos de ataque da equipe no jogo (ela ainda marcou um ponto de bloqueio e um ace). Ela pouco se importou com o bloqueio do Vôlei Amil…

Ainda foi a primeira partida da série semifinal e o time de Campinas tem elenco para se recuperar lá no Rio de Janeiro. Não pode é ficar no “feijão com arroz” como criticou José Roberto em um dos tempos técnicos já no terceiro set. Do outro lado, o Unilever cresce no momento certo da competição e lembra que mais uma final entre Rio e Osasco ainda pode, sim, acontecer.

Autor: Tags: , , , , , , , ,

segunda-feira, 17 de março de 2014 Superliga | 14:05

Definições e mais definições

Compartilhe: Twitter

Passadinha rápida (e atrasada) depois de um final de semana de plantão na redação do iG…

Reta final de Superliga e de definições tanto no feminino quanto no masculino. Entre as mulheres, sabemos quais os times vão para as quartas de final e a tabela dos jogos. No masculino, já temos os semifinalistas. E aí, os resultados foram os esperados?

Entre os homens, tudo ficou resolvido no segundo jogo das quartas de final. Como esperado, Vivo/Minas eliminou o RJ Vôlei. Eles farão um duelo mineiro com o Sada Cruzeiro, que também como previsto, passou pelo Moda Maringá. Já o São Bernardo até tentou resistir, mas levou a virada do Sesi, que se classificou. Os paulistas também fazem um duelo regional, já que terão o Brasil Kirin, de Campinas, pela frente.

Veja a tabela das semifinais da Superliga masculina

Meu palpite é que, aquilo que foi aposta ao longo da Superliga, pode acontecer. Sada Cruzeiro deve avançar para final e aqui em São Paulo o duelo pode ser mais equilibrado, mas deve acabar com vaga para o Sesi na decisão. E vocês? Apostam em quem?

O torneio feminino está uma etapa antes do masculino e foram definidas as quartas de final. O Molico/Nestlé, arrasador e líder da fase de classificação, vai jogar contra o Brasília. O segundo colocado Vôlei Amil encara o São Caetano e, na sequência, o terceiro Unilever faz duelo contra o Pinheiros. Para fechar, Sesi diante do Banana Boat/Praia Clube.

Veja a tabela das quartas de final da Superliga feminina

Sem dúvida o caminho mais simples é do time de Osasco que, pelo que parece, vai para mais uma decisão de Superliga. A campanha delas é impressionante e passar pelo Brasilia, com todo respeito, não será tão complicado assim. Agora resta saber se Unilever mantém a tradição e também chega, mesmo com um temporada abaixo das anteriores. Ou se o Sesi repete a Copa do Brasil e surpreende? Ou ainda se Vôlei Amil conta com Tandara e companhia para mudar a história. Por outro lado, será que alguém pode surpreender esses favoritos? Veremos…

Autor: Tags: , , , , , , ,

sexta-feira, 19 de julho de 2013 Seleção masculina | 23:28

O 3 a 0 na hora que precisava

Compartilhe: Twitter

A seleção masculina brasileira de vôlei marcou um 3 a 0 na hora que precisava na Liga Mundial. Nesta sexta-feira, a equipe nacional venceu o Canadá, somou três pontos e, com isso, fechou a fase na liderança do grupo. Pouco depois, viu a Itália marcar 3 a 1 na Argentina e também ficar com o primeiro lugar na sua chave e, com isso, deixar a Bulgária como adversária da seleção na semifinal.

Mais notícias, transações de mercado e bastidores? Curta também a página do Mundo do Vôlei no Facebook

O resultado diante do Canadá foi comemorado, ainda mais depois de mais um tropeço contra a Rússia. E lembrando que os canadenses venceram os brasileiros no ano passado na Liga Mundial. Mas nesta quinta-feira, depois de um começo um pouco abaixo, o Brasil engrenou e venceu o primeiro set. No segundo, mesmo com o equilíbrio, se manteve firme e fechou no 30 a 28. Depois, não teve aquela famosa síndrome do terceiro set e liquidou a partida em sets diretos.

Como sempre, há um lado bom e um ruim. O bom foi que no momento que realmente precisou, no primeiro jogo que era um mata-mata, o Brasil correspondeu. Wallace também foi outro destaque positivo. Já tinha achado que a entrada do oposto tinha feito bem mesmo na derrota para a Rússia. E dessa vez, como titular, ele foi o maior pontuador.

Siga também o Mundo do Vôlei no Twitter

No lado ruim tem a lesão de Vissotto. Mesmo se Wallace estiver melhor e merecer começar jogando, é bom ter uma opção no banco para as inversões. Mas Leandro Vissotto sentiu dores no joelho diante dos russos, fez exames e tem um edema no local. Antes do jogo contra o Canadá ainda não havia uma previsão exata de volta. Gosto de Lipe e o acho um bom atacante e uma opção para Bernardinho mesmo como oposto, mas é interessante contar também com Vissotto, que é mais alto, tem uma velocidade diferente de bola. Vamos ver se ele volta logo…

E dessa vez foi um 3 a 0 , sem aquela parada no meio do caminho vista em outras partidas. Ainda assim, o Brasil demorou a entrar no jogo de vez. Até Bruninho comentou que só se soltou no meio do primeiro set. Digo e repito, nem sempre pode dar tempo de se recuperar!

Agora é descansar e esperar pela Bulgária. Pelo menos o desempenho do ano passado, quando acabou em sexto lugar, ficou para trás. Será que dá para sonhar com título?

p.s.: galera, final de semana será de aniversário por aqui. Vou ficar mais velha… Tentarei acompanhar os jogos do Brasil, mas se demorar um pouco a postar, já sabem o motivo. Nos vemos amanhã, ou depois ou segunda!

Autor: Tags: , , , , , , ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. 3
  5. 4
  6. 5
  7. Última