Publicidade

Posts com a Tag Rapha

terça-feira, 27 de janeiro de 2015 Diversos, Superliga | 10:44

O que o Funvic Taubaté tem?

Compartilhe: Twitter
Divulgação/CBV

Funvic Taubaté é campeão da Copa Brasil

Tanto a versão feminina como a masculina da Copa Brasil tiveram campeões inéditos em 2015. A diferença foi que, para as mulheres, venceu um dos times mais tradicionais do País, o Pinheiros. E entre os homens, o título ficou com o reformulado Funvic Taubaté. O time do interior de São Paulo já disputou outras Superligas, mas nesta temporada veio com cara de equipe grande, cheia de estrelas, e, por enquanto, tem cumprido o seu papel.

O Taubaté desbancou o Sesi para faturar o título do Paulista. Agora, depois de ter passado pelo Sada Cruzeiro na semifinal, venceu o Brasil Kirin na decisão da Copa Brasil. Afina, o que essa equipe tem?

Detalhes da final: Taubaté vence Copa Brasil e garante vaga no Sul-Americano

Eles já chamavam a atenção no papel, com elenco formado pelos selecionáveis Sidão, Lipe, Felipe e Rapha. Ainda tem o experiente Dante em uma das pontas, o oposto Lorena e o central Maurício. Entretanto, juntar talentos nem sempre resolve tudo. Era preciso esperar e ver na prática se o time se encaixava. Bom, os resultados respondem se deu certo ou não… Além do Paulista e a Copa Brasil, o Taubaté é vice na Superliga. Até agora soma apenas quatro derrotas, para Sada Cruzeiro (duas vezes), Sesi e Minas.

As armas da equipe são saque e bloqueio. Como comentamos por aqui, Lipe é destaque. Ele é uma arma de saque para Bernardinho na seleção e tem repetido o desempenho no Taubaté. Tanto que é o melhor sacador da Superliga, com 34 aces até agora e aproveitamento de 15,04%. O time ainda é o líder nas estatísticas no saque e no bloqueio.

Equipe desfilou nesta terça (27) por Taubaté para comemorar o título na Copa Brasil

Equipe desfilou nesta terça (27) por Taubaté para comemorar o título na Copa Brasil

Na final da Copa Brasil, a equipe fez jus aos números. No primeiro set, com Lipe no saque, abriu 22 a 15. No segundo, de novo com o ponteiro no serviço, virou para 21 a 20 depois de três bloqueios. E, para completar, Lipe foi o maior pontuador, com 22 bolas no chão.

Ok, saque está garantido e isso já ajuda, e muito, a atuação do bloqueio. E na rede, se Lorena estiver em um dia inspirado, os ataques também vão bem. O oposto é velho conhecido por seu temperamento explosivo em quadra e às vezes se perde, mas é uma força e tanto para a equipe. E ainda podemos lembrar que o time passou parte da temporada desfalcado. Sidão começou lesionado e Rapha machucou o tornozelo na final do Paulista e perdeu o começo da Superliga.

Leia mais: Central Sidão comemora título e bom momento na cidade onde foi criado

Vale a pena cuidar da sua recepção ao enfrentar o Funvic Taubaté. E será que eles cumprem os objetivos da temporada? Segundo o técnico Cesar Douglas, as metas eram o título do Paulista, final da Copa Brasil e semifinal da Superliga. Dois já foram…

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

domingo, 21 de setembro de 2014 Seleção masculina | 19:21

Polônia é campeã mundial e deixa o Brasil com frustração da prata

Compartilhe: Twitter

A Polônia é campeã mundial masculina de vôlei. Os donos da casa honraram a festa da torcida, venceram o Brasil na decisão por 3 sets a 1 (18/25, 25/22, 25/23 e 25/22) e ficaram com o ouro. Para a seleção brasileira, a frustração de mais uma prata. Sim, um segundo lugar em um Campeonato Mundial tem o seu valor, mas no caso do jogo deste domingo também é dolorido. A Polônia foi bem, principalmente na virada de bola, e o Brasil errou mais e deu pontos quando não poderia, principalmente no final do quarto set.

Divulgação/FIVB

Polônia comemora ponto em quadra e torcida faz festa na arquibancada

A partida teve momentos parecidos com a semifinal brasileira. No primeiro set, a seleção, assim como na partida contra a França, foi arrasadora. Além de encaixar o bloqueio, com cinco pontos no fundamento, soube defender e dar cobertura. Venceu e parecia que iria encaminhar o jogo. Mas não foi nada disso.

A partir do segundo set, o Brasil conseguiu ficar poucas vezes à frente do placar. E se encostava ou finalmente tinha uma pequena vantagem, não aproveitava. No segundo set, na passagem de Bruninho pelo saque, saiu do 17 a 11 para deixar o jogo igual. Logo depois, os poloneses voltaram a atacar e fecharam. Na parcial seguinte, a Polônia liderou e no quarto set, quando o Brasil precisava levar o jogo para o tie~break para seguir com chances, a situação se repetiu. Já na parte final o time brasileiro colocou dois pontos de vantagem. Seria segurar a virada de bola e tentar fechar o set. Mas aí apareceram os erros. A Polônia foi marcando, fez um bloqueio, agradeceu dois ataques errados brasileiros e fechou o jogo em um belo contra-ataque.

Os poloneses honraram a festa armada neste Mundial. O torneio teve jogo em estádio de futebol e uma torcida apaixonada e fiel em todas as partidas. Neste domingo na final era impressionante a quantidade de gente que estava do lado de fora do ginásio para acompanhar a partida pelo telão. Foi uma festa e tanto, coroada pelo ouro.

Em quadra, os destaques da final foram o experiente levantador Zagumny e o ponteiro Mika. Zagumny saiu do banco e deu ritmo ao ataque polonês, deixando diversas vezes seus jogadores diante de um bloqueio simples. E Mika, com aquela expressão serena, foi o nome no ataque. Foi o melhor atacante da partida, com 19 bolas no chão. Deu muito trabalho ao bloqueio brasileiro.

Do lado nacional, os problemas começaram com a inversão de 5-1. Desde a Liga Mundial, com Rapha como levantador reserva, essa inversão tem ido muito bem. Na final não foi. Vissotto entrou e levou bloqueios. Rapha não conseguiu mudar o jeito do jogo. Mas tudo bem, esse não foi o maior problema. Acho que o que faltou o Brasil foi decisão. A seleção passou o jogo inteiro ali, colada no placar, mas não cresceu no final. Aquela cobertura e marcação do bloqueio do primeiro set se perderam ao longo da partia. E ali, no finalzinho, foram erros que custaram o jogo.

Fica o sentimento de frustração com a prata, ainda mais depois de três ouros seguidos em Mundiais e depois de outras pratas como nas Olimpíadas ou na Liga Mundial. entretanto, a temporada da seleção foi em uma crescente. Passou sufoco na Liga, chegou às finais e, agora, fez um bom Mundial. Foi muito bom ver Murilo de volta à boa forma, principalmente no passe. Ou Lucarelli com seus 22 anos e sendo decisivo no ataque. Mas ainda falta um pouco. Como nesta final… Faltou mais de Mário Jr no passe e nos golpes de vista. Na dúvida, vá na bola! Faltou um pouco de malícia para explorar o bloqueio. Faltou o saque de Lucão, tão importante em outros torneios. Enfim, faltou colocar a bola no chão ali ni finalzinho.

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

sexta-feira, 4 de julho de 2014 Seleção masculina | 12:40

Um pouco de Brasil com cara de Brasil na Liga Mundial

Compartilhe: Twitter

A quinta-feira sem jogo da Copa do Mundo veio em um ótimo momento para acompanhar o Brasil na Liga Mundial de vôlei. Melhor ainda que foi uma vitória por 3 sets a 1 para cima da Itália. E uma partida que a seleção mostrou que ainda sabe jogar como tal, variando as bolas, pressionando e não se deixando abalar tanto assim com algum tropeço. Com o resultado, o time segue com chances de, mesmo depois de tanto sufoco, avançar às finais da Liga.

Divulgação/FIVB

Brasil comemora ponto na vitória sobre a Itália na Liga Mundial

O primeiro set foi o melhor do Brasil. Enquanto a Itália parecia um pouco sem ritmo ao voltar a atuar com titulares depois de algumas partidas com reservas, a equipe nacional dominou. Bruninho explorou todas as jogadas. Já conhecemos o bom e velho meio com Lucão e estava com saudades de ver a pipe, aquela jogada de fundo. Lucarelli e Murilo foram acionados e corresponderam bem. Vitória com ótima atuação.

Na segunda parcial a Itália deu o troco e venceu. Entretanto, o Brasil não abaixou a cabeça de vez como em outras partidas dessa Liga Mundial. A seleção voltou, levou os dois outros sets e fechou o jogo com o placar que precisava para respirar um pouco e seguir dependendo de si para se classificar. Que venha a Itália mais uma vez no próximo domingo, mais um dia sem jogos da Copa do Mundo, para colaborar com os amantes de vôlei.

A diferença em quadra

Durante a transmissão da partida contra a Itália desta quinta-feira muito se falou que o Murilo é um termômetro da equipe. Concordo. E finalmente ele está voltando a atuar bem depois da cirurgia no ombro. Aos poucos é acionado no ataque e já está firme e forte no fundo de quadra. Com ele por ali, o Brasil ganha volume e isso é essencial. Estava fazendo falta um ponteiro passador.

E apesar dos problemas da Liga Mundial, gosto das duplas de levantador/oposto da seleção. Bruninho joga acelerado com Wallace e Rapha conhece muito bem Vissotto dos tempos que atuaram juntos na Itália. Vissotto tem uma bola mais alta e com Rapha está soltando o braço nos ataques. Eles viraram uma arma na inversão do 5-1.

Falando em oposto, a Itália saiu derrotada, mas a atuação de Ivan Zaytsev merece aplausos. Foram 30 pontos no jogo! Quer saber o que significa jogador de segurança? É só ver como ele joga. Tem um rali que ninguém define? Coloca para  Zaytsev que é bola no chão. E pode ser bola na entrada, na saída… O bloqueio brasileiro tentou e tentou e conseguiu parar o italiano no último ponto do quarto set. Ufa! Preparem-se porque domingo tem mais…

Autor: Tags: , , , , , , ,

segunda-feira, 4 de novembro de 2013 Seleção feminina, Seleção masculina | 10:12

Novatos e veteranas para a Copa dos Campeões

Compartilhe: Twitter

As seleções brasileiras de vôlei se preparam para a Copa dos Campeões, que será disputada neste mês. A equipe feminina já está concentrada em Saquarema, enquanto a masculina se apresenta nesta segunda-feira. A pela lista de convocados de José Roberto Guimarães e Bernardinho, um aposta na experiência e outro em novatos.

Divulgação/CBV

Zé Roberto observa Carol Gattaz durante treino em Saquarema

No time feminino, o técnico teve que fazer mudanças por conta de dispensas e lesões (muitos jogos, desgaste e tudo o que vire e mexe comentamos por aqui). Dani Lins nem foi convocada e Thaísa, Juciely e Gabi acabaram dispensadas. Nos lugares, Claudinha segue como opção no levantamento, como já havia sido na ausência de Fabíola. Michelle fica com a vaga de Gabi e continua sendo testada na equipe. A experiência veio pelo meio, com Walewska e Carol Gattaz.

Veja a lista completa da seleção feminina para a Copa dos Campeões

Não esperava a volta das duas centrais. A justificativa do treinador faz sentido, já que ele  disse querer dar mais maturidade ao time sem pesar muito para as jogadoras, já que é um torneio curto. Mas Carol ficou um tempo parada e Wal não defende a seleção há cinco anos, desde Pequim. Espero ainda ver no time nomes como Bia, que fez uma ótima Superliga pelo Sesi no ano passado, mas a jogadora ainda se recupera de lesão. O fato é que Zé Roberto treina as veteranas no Vôlei Amil e sabe muito bem das condições das duas…

No masculino, Bernardinho mexeu no elenco e lembrou de campeões mundiais do Sub 23. Além de Lucarelli, destaque do torneio e que deve seguir firme e forte na seleção. foram convocados os ponteiros Ary e Lucas Loh. A posição pede uma renovação e eles podem mostrar seu potencial ao técnico. E vai ser bom ver Murilo de volta ao time, mesmo que apenas para os treinos. O ponteiro do Sesi passou por um cirurgia no ombro e aos poucos está de volta e acho que ainda tem espaço na equipe nacional.

Leia mais: Bernardinho divulga lista da Copa dos Campeões e convida Murilo para os treinos

No levantamento, pode ser o teste de Rapha. O ex-jogador do Trentino e agora na Turquia teve uma fratura na mão e não pode ser incluído na lista. Agora, sem William (uma pena, depois do que fez na estreia na seleção e também no Mundial), Rapha ganha espaço o lado de Bruninho.

A Copa do Campeões começa no dia 12 para as mulheres e no dia 19 de novembro para os homens. Já dá para fazer alguma previsão?

Autor: Tags: , , , , ,

terça-feira, 7 de maio de 2013 Seleção masculina | 10:32

Capitão novo e dupla esperada de levantadores na seleção

Compartilhe: Twitter

*atualizado às 14h27

Galera, as férias foram bem aproveitadas, mas é hora de voltar ao batente. Aos poucos estou me interando as movimentações de mercado e notícias que perdi nesse tempo que fiquei longe do blog. E a semana começou com novidade. Foi divulgada a lista de inscritos do Brasil para a Liga Mundial e, além de alguns nomes novos, uma mudança esperada para o cargo de capitão. Bruninho é o dono da função.

Veja a lista completa de inscritos para a Liga Mundial

Divulgação/CBV

Bruninho - capitão do RJX no título da Superliga e, agora, da seleção brasileira

Giba era o capitão do Brasil até as Olimpíadas de Londres. Na ausência do ponteiro, Murilo ficava com a tarja e era apontado como novo líder desse ciclo até por Bernardinho. Só que ele vai ficar seis meses afastado das quadras depois de uma operação no ombro realizada no final da semana passada. Com isso, a tarja ficou para Bruno.

Relembre os capitães da seleção brasileira

É uma escolha interessante. Ele foi o capitão no Pan de 2011, quando o Brasil atuou com uma seleção B. Também faz a função em seus times. O levantador é a cabeça da equipe por comandar as ações. No caso de Bruno, ele é um jogador com essa característica de liderar, então, é justo aliar uma coisa a outra.

Ainda falando de levantadores, teremos mudança esse ano na posição também. Bruninho segue ali, mas tem a companhia de William, Rapha e Murilo Radke nos inscritos para a Liga Mundial. Só que Rapha faturou o dedo na Itália, fez uma cirurgia e ficará dois meses afastado. Já Radke ainda é inexperiente para a função e deve ser usado em torneios “menores”, como  a Copa Pan-Americana. Dessa vez, passada as confusões e desentendimentos com Bernardinho, William deve ser o outro levantador.

E repito o que já disse por aqui. Acho interessante ter um levantador mais novo e outro mais experiente na seleção. Bruninho já tem o seu espaço, mas faria bem a ele atuar com William, um cara rodado e também bom no que faz. A tentativa de fazer alguma mescla ao trazer Ricardinho de volta não deu certo e ele não rendeu o esperado. Quem sabe agora a nova dupla não se encaixe?

A Liga Mundial começa no dia 7 de junho. Ainda em maio, o Brasil joga a Copa Pan e pode mesclar e usar os mais novos que foram convocados.  Vamos ver o que a seleção nos reserva no primeiro ano do ciclo olímpico até 2016.

Autor: Tags: , , , , ,

quarta-feira, 12 de maio de 2010 Campeonato Italiano | 09:10

A final do Campeonato Italiano direto da quadra

Compartilhe: Twitter

O Trentino, bicampeão europeu, campeão da Copa da Itália e atual vice italiano, era o time a ser batido na final do Campeonato Italiano. Mas quem disse que o Cuneo se intimidou do outro lado da quadra? Na primeira temporada em decisão em jogo único, no último domingo, o Cuneo venceu por 3 sets a 1 e faturou o scudetto pela primeira vez. Mas eu não vou contar como foi a partida. Com a palavra, os brasileiros que estavam por lá: Leandro Vissotto, oposto do Trentino, e Rapha, levantador. Cada um fala sob um ponto de vista, já que Vissotto jogou e Rapha ficou como espectador, ainda se recuperando de uma fratura no dedo da mão.

Primeiro set – domínio do Trentino
Vissotto: “Começamos bem o jogo, com um primeiro set muito consistente e com um bom ritmo. Fechamos com uma grande vantagem e tudo caminhava bem, até então. Fomos perfeitos no bloqueio e no ataque, principalmente”
Rapha: “Conseguimos ser muito agressivos no saque e essa foi a diferença nesse set, ganhamos fácil”
Resultado: Trentino 25 x 14 Cuneo

Segundo set – pane no ataque
Vissotto: “O jogo ficou mais equilibrado. Ficamos um pouco atrás no marcador na metade da parcial e corremos atrás do prejuízo, mas erramos alguns saques. Quando tentamos forçar e eles acabaram vencendo. Nosso ataque simplesmente não funcionou no set”
Rapha: “Cuneo conseguiu entrar no jogo e começou a neutralizar os pontos fortes do nosso time (ataque e saque)”
Resultado: Trentino 20 x 25 Cuneo

Terceiro set – faltou cabeça
Vissotto: “Nós começamos muito mal, errando muito e eles abriram cinco pontos na primeira parada. Isso nos desestabilizou um pouco. Após o segundo tempo técnico, tentamos buscar o resultado, mas já não dava tempo”
Resultado: Trentino 22 x 25 Cuneo

Quarto set – o fim
Rapha: “A partir do terceiro set, fomos totalmente dominados por Cuneo, que com seus jogadores muito experientes conseguiram manter a calma e manter esse ritmo agressivo até o final do jogo”
Vissotto: “Até começamos bem, equilibramos o jogo novamente, mas outra vez apareceram os mesmos problemas dos sets anteriores e acabamos perdendo”
Resultado: Trentino 20 x 25 Cuneo

Resumindo…
Vissotto: “Foi uma partida decidida em detalhes, eles estavam um pouco mais concentrados e conseguiram tirar proveito dos nossos erros para vencer. O aspecto físico também foi determinante. Vínhamos de uma decisão desgastante na Champions League, tivemos dois jogos em dois dias no Final Four, enquanto o Cuneo está descansando desde o último jogo da semifinal do Italiano, alguns dias antes. Mesmo assim, eles estão de parabéns pelo scudetto. Fizeram uma bela partida e mereceram vencer”
Rapha: “Foi um jogo muito estranho. Foi uma noite muito triste para o nosso time, parabenizo Cuneo pela excelente partida que fizeram. Mas fazendo uma analise geral de toda temporada, acabo muito feliz por todas conquistas que obtivemos”
Resultado: Trentino 1 x 3 Cuneo

Com o primeiro título na história, o Cuneo deu o troco na final da Copa da Itália, quando foi derrotado pelo Trentino. Os jogadores fizeram festa na quadra, lotada por 8426 fãs e até ficaram sem roupa! Veja as fotos da comemoração

Autor: Tags: , , , , ,