Publicidade

Posts com a Tag Pinheiros/Mackenzie

sábado, 30 de abril de 2011 Sem categoria | 10:14

Paredão do Vôlei Futuro leva bronze na Superliga feminina

Compartilhe: Twitter

O Vôlei Futuro montou seu time nesta temporada para brigar pelas finais no feminino e no masculino. Acabou com o bronze nos dois. E no feminino, um dos grandes nomes do time apareceu no jogo que valia o terceiro lugar.

Fabiana é uma das melhores centrais do mundo. Ela começou um pouco devagar a Superliga, principalmente no ataque. Demorou para se entrosar com Alisha, mas apareceu mais sob o comando da levantadora Ana Cristina. Ainda assim, em diversas partidas a gente escutava: Fabiana não está sendo  muito utilizada e tal….

No jogo da noite de sexta ela apareceu, principalmente no bloqueio. Foram cinco pontos no fundamento. E Andressa, outra central, marcou mais cinco. No total, foram 19 pontos no fundamento. Ou seja, o Pinheiros/Mackenzie, que estava do outro lado da quadra, se viu muito marcado e, depois de dar 25 pontos de graça, perdeu por 3 sets  1.

Eu esperava um pouco mais das duas equipes nesta Superliga. O Vôlei Futuro, pelo time de estrelas, demorou a se entrosar e, quando estava forte, sofreu o acidente com o ônibus da delegação e não tem como ignorar que o susto mexeu com as atletas. Já o Pinheiros não conseguiu se manter aquele time de raça e volume de jogo do Paulista. Além disso, acho que caiu no fundo de quadra com a troca das líberos, de Michele por Suellen.

Agora, a minha torcida é para que os times, pelos menos, sigam com bons elencos para a próxima temporada. O Vôlei Futuro masculino já perdeu Leandro Vissotto, vamos ver o que acontece com o feminino. E o Pinheiros dos homens ficou sem a Sky, principal patrocinadora. Mas as meninas, mesmo com o quarto lugar, chegaram longe com um time sem grandes estrelas da seleção, por exemplo (só Fabíola defende a equipe de Zé Roberto). O mercado nos dirá o que vai acontecer.

P.s: Unilever e Sollys/Osasco jogam agora a final da Superliga feminina. Quem quiser, pode seguir os comentários dos melhores lances do jogo no twitter do blog, o @mundodovolei. A gente se vê por aqui depois da partida!

Autor: Tags: , , , , ,

sábado, 16 de abril de 2011 Superliga | 12:12

Unilever está em mais uma final de Superliga

Compartilhe: Twitter
Fabi faz festa na vitória do Unilever. Ela foi muito bem na defesa

Fabi faz festa na vitória do Unilever. Ela foi muito bem na defesa

Mais uma final de Superliga começa a ser definida e, mais uma vez, o Unilever estará na briga pelo título. Com uma bela armação tática, o time de Bernardinho venceu o Pinheiros/Mackenzie neste sábado por 3 sets a 0, fechou a sua série semifinal e está na final do torneio nacional.. pela 10ª vez!

O Pinheiros/Mackenzie mostrou, no começo do jogo, que daria muito trabalho, principalmente com o seu saque. O time abusou das falhas na recepção de Regiane e ficou sete pontos consecutivos no saque. Pois é, mas o jogo não seria bem assim…

Logo o Pinheiros teve dois erros muito bobos na defesa, com a bola caindo bem no meio de todas as jogadores, e o Unilever reagiu. Além disso, Suelle entrou no lugar de Regiane e o passe melhorou.

O jogo mostrou dois times em momentos diferentes. O Unilever, que conseguiu virar e disparar no placar em todas as parciais, esteve muito bem taticamente. A equipe encaixou o saque e, principalmente, se fechou na defesa e no bloqueio. Mas, para isso, teve uma “ajudinha” das paulistas. O Pinheiros jogou sem Fabíola, que torceu o tornozelo, e a levantadora Karine usou muito a ponta, deixando o meio de lado porque muitas vezes teve um passe ruim ou por falta de entrosamento por ser a levantadora reserva.

A líbero carioca Fabizinha também estava inspirada. Suelle entrou e ficou. Dani Lins, Mari e Sheilla estão cada vez mais em sintonia. Tudo isso, com ajuda do bloqueio sempre bem armado (foram 13 pontos no fundamento, quatro a mais que as paulistas), o resultado foi o 3 a 0 (leia como foi o jogo set a set). O Pinheiros ainda tentou, jogou na garra até o meio do terceiro set, mas depois parece que entregou um pouco os pontos. A expressão de Karine depois de errar um saque demonstrava exatamente isso…

Agora é esperar a outra série, entre Sollys/Osasco e Vôlei Futuro. E o Mundo do Vôlei segue na torcida pela recuperação de Stacy. A jogadora já acordou e conversou com os médicos, com contou Paula Pequeno em seu Twitter. #FORCASTACY

Autor: Tags: , , , , , , ,

sexta-feira, 8 de abril de 2011 Superliga | 11:48

Vamos voltar a falar dos jogos?

Compartilhe: Twitter

A discussão no vôlei nessa semana foi o caso do central Michael. Ele sofreu ofensas na primeira partida da semifinal, como comentamos por aqui, e assumiu ser homossexual, como escrevi em reportagem para o iG (para quem quiser reler a matéria, segue o link). O novo capítulo da história é que o Sada/Cruzeiro será julgado pelo STJD na semana que vem e pode ser multado em R$ 100 mil e os torcedores identificados como autores dos gritos podem ficar, no mínimo, 720 dias proibidos de entrar no ginásio (leia mais).

Sada/Cruzeiro venceu o primeiro jogo da semifinal

Sada/Cruzeiro venceu o primeiro jogo da semifinal

Mas, antes o julgamento, temos um jogo importante pela frente. Um não, dois jogos importantes. Então, vamos pensar um pouco na disputa dentro de quadra? E já que estamos falando de Sada/Cruzeiro e Vôlei Futuro, vamos começar por essa partida, marcada para sábado, às 10h.

O Sada/Cruzeiro pode fechar a série e garantir a vaga na final se vencer em Araçatuba na manhã de sábado. Acho que, depois de toda a confusão, o Vôlei Futuro vai entrar mais mordido e motivado em quadra. Com Lucão, que deu um ânimo a mais no time desde que voltou depois da cirurgia na mão, inspirado no saque e no bloqueio, o time pode mesmo crescer. Além disso, Ricardinho sabe distribuir bem. Só não deve sobrecarregar Leandro Vissotto, como já vimos nesta Superliga. A aposta deve ser sacar forte e variar, com Lucão ,Vissotto e Camejo no ataque.

Mas cuidado… o Sada foi mais regular no torneio e, com esse equilíbrio, venceu a primeira partida. Os mineiros foram um time coeso, com boa linha de passe e o levantador William em ótima fase. Se Wallace também estiver forte, saltando como ele sabe, vai dar trabalho. Aposto em um jogo duro, no qual os dois tem chances de vencer. Entretanto, pelo histórico da Superliga, acho que o Sada/Cruzeiro fecha a série com um novo tie-break .

Sesi venceu fora e recuperou vantagem de decidir em casa

Sesi venceu fora e recuperou vantagem de decidir em casa

O outro jogo importante será nesta noite, às 20h30. Sesi recebe o Vivo/Minas e quem vencer, vai para a final. Gostei muito o trabalho dos mineiros nesta Superliga, crescendo na reta final e chegando forte aos playoffs. É muito bonito ver, por exemplo, Luiz Felipe jogando com raça e vibrando demais. Mas eles encaixaram muito bem o bloqueio nas quartas e na primeira partida da semi. Precisam repetir o desempenho ou podem se complicar…

Isso porque o Sesi tem um belo potencial de ataque. Wallace, assim como Luiz Felipe, não está na pré-lista da seleção para a Liga Mundial à toa. Ele vem fazendo uma ótima Superliga, como um oposto muito seguro no saque e no ataque. Além disso, o time conta com Murilo e Thiago Alves nas pontas, e Sidão e Vini no meio, ou seja, prato cheio para o levantador Sandro.

O Minas deve se impor no bloqueio, como fez contra o Montes Claros, ou terá trabalho. E o Sesi precisa encaixar e manter o saque em toda a partida, não apenas em um set, como no primeiro jogo da semifinal…

Depois de uma semana de treino, os jogadores viram muitos vídeos e tiveram tempo de acertar todos os seus erros. Vamos ver como eles se saem neste final de semana. E espero que o foco seja o jogo e o que acontece dentro de quadra, com respeito da torcida…

Decisão também para as mulheres

Sexta também é o dia da primeira partida das semifinais da Superliga feminina. O Pinheiros/Mackenzie recebe o Unilever em São Paulo. A outra série, entre Sollys/Osasco e Vôlei Futuro começa na terça-feira, em Osasco. Agora sim a disputa vai ficar interessante, já que as quartas de final foram um pouco previsíveis… Será que teremos mais um Unilever x Osasco na final ou teremos mudanças?

P.s.: ficarei um pouco fora do blog e do twitter (@mundodovolei) no final de semana por conta de outros compromissos, marcados há tempos… Sei que teremos ótimos jogos e tentarei escrever assim que tiver um tempinho na sexta à noite e no sábado, depois do almoço. Enquanto isso, o espaço é de vocês, como sempre!

Autor: Tags: , , , , , , , , , , ,

terça-feira, 29 de março de 2011 Superliga | 23:26

Virada com direito a dar tudo certo para o Pinheiros

Compartilhe: Twitter
Disputa na rede no clássico das quartas de final

Disputa na rede no clássico das quartas de final

Agora sim o jogo equilibrado entre Usiminas/Minas e Pinheiros/Mackenzie! No primeiro jogo da série das quartas, o Minas venceu por 3 sets a 1 com encaixando saque e bloqueio e não deixando o Pinheiros jogar. Nesta noite, a partida foi bem mais parelha, pelo menos nos primeiros sets, e as paulistas deram o troco, com méritos.

As duas primeiras parciais foram bem parecidas. No set inicial, foi o Minas quem acertou mais no final e fechou, com Herrera. Depois, mais equilíbrio em toda a parcial, e melhor para o Pinheiros no final, acertando bloqueios, saques, defesas, enfim, tudo. As paulistas seguiram no mesmo ritmo no terceiro set, virando a partida. Na sequência, fecharam o jogo com um passeio e devolveram os 3 sets a 1 (leia mais detalhes da partida).

A partir do crescimento do segundo set, o Pinheiros jogou solto e, talvez por isso, tenha se dado tão bem. Ju Costa e Soninha deram segurança no ataque. Não é à ta que foram melhor em quadra e maior pontuadora, respectivamente. E Lia, que não sei por que foi para o banco durante o jogo, voltou firme no saque e na rede. O bloqueio funcionou mais também (foram 12 pontos contra oito das mineiras no fundamento).

No final, o jogo foi o oposto do primeiro. O time paulista usou o seu conjunto e mostrou um ânimo bem diferente daquele da primeira partida da série. Do outro lado, a levantadora Claudinha insistiu com bolas de segunda, mas a defesa estava ligada. Pois é, dessa vez nem a cubana Herrera e toda a sua potência deram jeito…

E ainda falando em defesa, esse fundamento chamou a atenção nesse jogo, e não só do lado do Pinheiros, muito concentrado todo o tempo. Foi bonito ver Michele, ponta do Usiminas/Minas, buscando bola lá na placa ou segurando a pancada na volta do bloqueio depois da batida Herrera.

O Pinheiros venceu e, agora, decidem a vaga na semifinal em casa. Só acho que Paulo Coco poderia ter deixado as paulistas curtirem pouco mais a vitória. Logo após o ponto final, ele reuniu as jogadoras no centro da quadra para frisar que não estava nada vencido ainda. Sim, ainda há mais um jogo, mas elas merecem pelo menos respirar aliviadas pelo que mostraram em quadra. E se repetirem o desempenho e o Minas acertar seus erros, teremos mais um clássico no sábado, às 21h30. Quem vencer encara o Unilever na semi, ou seja, mais bons jogos pela frente…

Autor: Tags: , , , , , , ,

segunda-feira, 28 de março de 2011 Superliga | 12:27

Quartas da Superliga feminina começam sem surpresas

Compartilhe: Twitter

O final de semana foi de primeira rodada das quartas de final da Superliga feminina 2010/2011. E os resultados foram os esperados: os favoritos confirmaram a sua condição e venceram sem muitos problemas, e o jogo que prometia o maior equilíbrio terminou em quatro sets.

Mari fez sua melhor partida no Unilever depois da cirurgia no joelho

Mari fez sua melhor partida no Unilever depois da cirurgia no joelho

No primeiro jogo, vitória do Unilever sobre o BMG/São Bernardo por 3 sets a 0 (leia mais sobre a partida). Nem é preciso falar que Sheilla, com 17 pontos, foi a maior p0ntuadora da partida, não é? Mas vale falar de Mari. Aos poucos a atacante está mais solta em quadra  e se mostra recuperada da cirurgia no joelho que a afastou das quadras por seis meses. Bom para ela, que volta ao alto nível, e bom para o time, que ganha um reforço de peso no ataque. Agora, nas quartas, eu acho que as cariocas passam sem problemas, mesmo ainda errando e abrindo e deixando as rivais se aproximarem no placar. Mas na semifinal será importante saber variar as jogadas e não jogar só com Sheilla já que elas enfrentarão Usiminas/Minas ou Pinheiros/Mackenzie.

Ainda falando dos favoritos, o Sollys/Osasco, que praticamente não entrou em quadra no último jogo das classificatórias diante do Unilever, sofreu no primeiro set, ainda desligado no jogo, mas se arrumou e venceu o Praia Clube também por 3 sets a 0 (leia mais sobre a partida). E o jogo do conjunto fez a diferença. Cada uma fez bem a sua parte e, por isso, o time se recuperou: Sassá foi a melhor jogadora em quadra; Natália foi a maior pontuadora (19 acertos) e Thaísa fez uma muralha na rede, com 13 bolas no chão. Além disso, Jaqueline, que passou por uma artroscopia no joelho, voltou a atuar. A equipe atual campeã está se equilibrando para as semifinais.

Para fechar os resultados “esperados”, o Vôlei Futuro bateu o Macaé também por 3 sets a 0 (leia mais sobre a partida). Foi o troco daquela derrota no returno quando o time de Araçatuba estava em um belo momento. E também uma mostra que as paulistas estão mesmo equilibradas em quadra e que podem chegar às semifinais. Como já disse por aqui, o time que era de estrelas no papel parece estar tomando forma nos jogos também.

Já o Usiminas/Minas venceu o Pinheiros/Mackenzie por 3 sets a 1 no jogo que tinha cara de ser o mais disputado dessa série de quartas de final. Até que foi, se considerarmos que foi o único com quatro sets. Mas as mineiras foram superiores desde o saque até as finalizações com a cubana Herrera e a central Natasha. Resultado foi merecido e elas embalam para decidir a vaga em casa (leia mais sobre a partida). Do lado do Pinheiros, eu fico com uma dúvida, como já comentaram por aqui: por que Michelle não é mais a líbero titular? Ela estava bem, pelo menos nos jogos que assisti, e dava mais volume de jogo do que Suellen no fundo…

As quartas segue nesta semana, a partir de terça-feira. Acho que Unilever e Sollys/Osasco têm tudo para fechar a série com facilidade. O Vôlei Futuro é mais do que o Macaé, mas deve ficar alerta e não menosprezar as adversárias. Ainda assim, também aposto em mais uma vitória de Paula Pequeno, Fabiana e companhia. E espero que o Pinheiros atue como o time que foi campeão paulista para dar ao confronto com o Usiminas/Minas o gosto de clássico que estava esperando, afinal, as mineiras entrarão com tudo em casa. E vocês, em quem apostam?

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,

quinta-feira, 17 de março de 2011 Superliga | 22:09

Unilever e Osasco seguem na frente na Superliga

Compartilhe: Twitter

A Superliga feminina teve a penúltima rodada nesta noite e nos jogos de Rio x São Paulo, melhor para as cariocas em um jogo e para as paulistas no outro.

Dani Lins conseguiu equilibrar um pouco mais o jogo do Unilever

Dani Lins conseguiu equilibrar um pouco mais o jogo do Unilever

No primeiro confronto, o Unilever visitou o Pinheiros/Mackenzie e conseguiu colocar o que queria em quadra. Na tarde desta quinta-feira, conversei com Valeskinha, central do Unilever, e ela me disse que o time deveria melhorar o saque. Pois a equipe conseguiu crescer nesse fundamento e, mesmo com altos e baixos, virou para cima do Pinheiros.

Além disso, o Unilever conseguiu jogar como uma equipe um pouco mais coesa. Já estava virando rotina usar e abusar apenas da oposta Sheilla. Dessa vez, Dani Lins usou, sim, a sua principal atacante, mas também equilibrou e fez boas chinas com as centrais quando teve o passe, ou acionou Mari quando o jogo ficou mais aberto. Sheilla foi a maior pontuadora do jogo, com 31 bolas no chão, mas as outras jogadoras também apareceram na partida.

O Unilever ainda não recuperou o nível que mostrou nas últimas temporadas, segue cometendo erros bobos e mostrando momentos de desconcentração em quadra, mas já foi melhor do que nos últimos jogos.

Do lado do Pinheiros, faltou o detalhe como arrumar o passe em alguns momentos ou virar o contra-ataque em outros. Elas levaram 16 pontos no bloqueio, por exemplo, e marcaram apenas seis. E com uma bola que voltou no pé de Ju Costa, as cariocas fizeram 3 sets a 2 e asseguram o primeiro lugar na tabela (leia mais).

O outro Rio x São Paulo não foi de times da capital, mas sim, dos Estados. O Sollys/Osasco recebeu o Macaé/Sports e segurou o embalo da equipe fluminense. A vice-campeã carioca havia vencido o Vôlei Futuro na última rodada e já tinha dado trabalho a outros grandes no torneio. Entretanto, não repetiu o mesmo desempenho e viu o Osasco marcar 3 sets a 1 e assegurar a vice-liderança. Natália foi a maior pontuadora, com 24 acertos, e Thaísa foi uma gigante na rede, com sets pontos no bloqueio (leia mais). Entretanto, o Sollys/Osasco ainda mostrou alguns erros e deixou o Macaé entrar no jogo na terceira parcial. Isso pode ser prejudicial nos playoffs.

A rodada também teve um susto para o Vôlei Futuro. O time de Araçatuba começou atrás e perdeu o primeiro set para o frágil São Caetano. Depois, se encontrou e conseguiu a virada em 3 sets a 1. Com o resultado, subiu para a terceira colocação, jogando o Pinheiros para o quarto lugar na tabela. Será que a equipe vai chegar entrosada e forte para os playoffs? Achei que elas tivessem prontas depois dos 3 a 0 no Unilever, mas parece que ainda há altos e baixos…

Para completar, o Usiminas não deu chance ao Pauta/São José, vencendo por 3 sets a 0, o Banana Boat/Praia Clube marcou 3 a 1 contra o BMG/São Bernardo e o BMG/Mackenzie também fez 3 a 1 no Brusque. Praia Clube e Mackenzie seguem na briga pelas quartas (leia mais).

No final de semana tem mais… Vamos ver quem pega quem nos playoffsl!

Autor: Tags: , , , , , , ,

segunda-feira, 14 de março de 2011 Superliga | 22:54

Esta é a hora de crescer na Superliga – parte 2

Compartilhe: Twitter

*atualizado dia 15/03, às 11h

A Superliga feminina também caminha para a fase de definição e já começa a semana com surpresas. Na noite de segunda-feira, o Macaé/Sports fez um jogo bastante equilibrado e venceu o Vôlei Futuro em casa no tie-break. Por isso, o time carioca aparece como primeiro exemplo da nossa lista de quem pode crescer na hora certa na competição.

O Macaé foi melhor no ataque e, por isso, venceu. O time pode ter um investimento modesto, mas se deu bem com as contratações de Camilla Adão, Mari Paraíba e Michelle. E ainda mostrou ter gente no banco, como a levantadora reserva Luiza que entrou no segundo set e acabou como a melhor em quadra. Com esse resultado, ganha moral, já que o Vôlei Futuro vem em ótima fase, e ainda sobe para o quinto lugar na tabela. Tem chances de bater de frente com Sollys/Osasco e Pinheiros, seus últimos rivais, e pode chegar embalado aos playoffs.

Já o time de Araçatuba leva um susto depois de finalmente se encaixar em quadra. E depois também de o técnico William ter dito que o venceria o Macaé em qualquer quadra (o jogo havia sido adiado por causa das condições ruim do ginásio no domingo). Mas essa é a hora de mostrar que a equipe está mesmo pronta e conseguir se manter firme, mesmo com o tropeço. Atualmente, elas estão em quarto lugar na classificação.

Entre os líderes, Unilever (primeiro) e Sollys/Osasco (segundo colocado) venceram no final de semana, mas ainda apresentam alguns problemas nesta Superliga. A equipe carioca entra rodada e sai rodada e segue se apoiando em Sheilla, como já falamos por aqui algumas vezes. E as atuais campeãs passaram por alguns altos e baixos, cometendo muitos erros em quadra. São times fortes, sem dúvida, mas não são mais os únicos nesta Superliga.

Ainda temos Pinheiros/Mackenzie (terceiro colocado) e Usiminas/Minas (sexto), dois que têm todas as chances de jogar de igual para igual com Unilever e Sollys/Osasco. Enquanto as paulistas se baseiam no conjunto, as mineiras também tiveram tropeços, mas sempre fazem jogo duro com os primeiros colocados. E ainda podem contar com a torcida se chegar à final, já que o povo de Belo Horizonte gosta, e muito, de seus times.

Outro lado da tabela
A distância do sétimo colocado para os primeiros e grande. Enquanto o Macaé tem seis derrotas e o Usiminas, sete, o BMG/São Bernardo tem 12 tropeços. A briga vai ser contra Banana Boat/Praia Clube e BMG/Mackenzie para ficar com as última vagas nas finais.

E esses duelos começam na quinta-feira. Vamos ver quem cresce para os playoffs! 

Autor: Tags: , , , , , ,

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011 Superliga | 13:01

Aula de bloqueio e uma partida de opostos

Compartilhe: Twitter

Dois “detalhes”  me chamaram a atenção nos jogos do final de semana na Superliga. Entre as mulheres, a aula de bloqueio do Sollys/Osasco em mais uma vitória sobre o Pinheiros/Mackenzie. Entre os homens, o jogo de opostos que foi a vitória da Cimed sobre a Medley/Campinas.

Natália para Jú Costa no bloqueio

Natália para Jú Costa no bloqueio

26 pontos… tá bom ou quer mais?
Sollys/Osasco e Pinheiros/Mackenzie fizeram o segundo duelo da semana na Superliga feminina. Agora, na casa do Pinheiros, a partida foi bem mais equilibrada e as donas da casa voltaram, como bem disse o técnico Paulo Coco, a mostrar o seu conjunto e o espírito guerreiro. Mas nada adiantou já que, do outro lado, elas encontraram um paredão, literalmente.

Comandadas por Jaqueline e Adenízia, o Osasco fez nada menos do que 26 pontos de bloqueio. Isso mesmo. Elas fecharam um set só com pontos no bloqueio e venceram por 3 sets a 2 (leia mais sobre a partida). É o recorde em uma partida na competição nacional e prova de que as atuais campeãs estão embaladas e muito concentradas em quadra.

Uma pena foi a lesão de Jaqueline. Ela não jogou nada na derrota para a Unilever, mas já tinha ido muito bem na primeira vitória sobre o Pinheiros e repetia o bom desempenho quando sentiu dores no joelho e teve que deixar a partida. Sem lesão no ligamentos, a previsão inicial é que ela volte em uma semana.

Anderson é destaque na Cimed

Anderson é destaque na Cimed

Um oposto é o melhor e outros são maiores pontuadores
Foi assim os 3 sets a 1, de virada, da Cimed sobre a Medley/Campinas em casa (leia mais sobre a partida). Vendo os números da partida, parece que só os opostos apareceram. O melhor jogador em quadra foi o veterano campeão olímpico e mundial Anderson. Ele entrou em todos os sets na equipe da Cimed. Já o maior pontuador da partida foi Franco, oposto de Campinas. E quem foi o maior pontuador do lado catarinense? Bob, o oposto titular.

Aproveitando o assunto, vocês sabem quem colocou mais bolas no chão na vitória do Vôlei Futuro sobre o Soya/Blumenau? Sim, foi mais uma vez ele, Leandro Vissotto (leia mais sobre a partida). Como disse em um post na semana passada, o oposto leva o time de Araçatuba nas costas! Em quase todos os jogos é ele a principal opção de Ricardinho. Isso é resultado do entrosamento rápido entre os dois, já que o levantador conseguiu fazer seu gigante de 2,12m bater bolas aceleradas, mas pode ser uma armadilha, afinal, o bloqueio adversário já sabe para quem vai a bola. Por enquanto, apesar de alguns tropeços do Vôlei Futuro, o Vissotto vem desempenhando muito bem o seu papel.

E para você? O que foi destaque no final de semana na Superliga? Deixe seu comentário!

Autor: Tags: , , , , , , , ,

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011 Superliga | 12:49

Quando a sequência de resultados entra em quadra

Compartilhe: Twitter

Até que ponto uma sequência boa, ou uma ruim, pode influenciar o desempenho dos jogadores em quadra? As vitórias podem embalar e deixar o time eufórico? Ou as derrotas podem acabar com a confiança? Tivemos os dois exemplos nesta semana nas rodadas da Superliga.

Jaqueline passa pelo bloqueio na vitória do Osasco sobre o Pinheiros

Jaqueline passa pelo bloqueio na vitória do Osasco sobre o Pinheiros

Pinheiros/Mackenzie, no feminino, está sofrendo com a influência dos resultados negativos. A equipe estava invicta no torneio, mas amarga uma série de três tropeços nos últimos jogos.  Desses confrontos, eu vi dois.

Contra a Unilever, como comentamos por aqui, o Pinheiros vinha bem, teve chances de fechar, mas faltou aquela ofensividade a mais no final. Depois, elas perderam para o Macaé (que eu não acompanhei) e, na terça, cairam diante do Osasco, cometendo erros bobos, como levantamentos para ninguém e falhas na recepção.

O time parece ter perdido a confiança. O técnico Paulo Coco confirma. “Nossa equipe perdeu a nossa principal característica, que é jogar com pegada. As últimas derrotas mexeram com o grupo”, disse ele.

Já no masculino, o Vôlei Futuro levou 3 sets a 0 da Cimed na noite de quinta-feira. Pouco antes do final do primeiro turno eu conversei com o Leandro Vissotto sobre a situação do time. Perguntei se ele sabia o que estava acontecendo para, mesmo com um elenco bom, não vencer como era o esperado. A resposta veio com uma risadinha: “Ah, como eu queria saber”. “Isso acaba criando um pouco de insegurança. Temos é que seguir trabalhando com bola para chegar mais seguro aos jogos”, completou o oposto.

Nesse caso, acho que essa tal insegurança é do conjunto e não de um ou outro atleta. Tanto que, nos jogos do time de Araçatuba, é comum escutarmos: “Ricardinho e Vissotto estão chamando a responsabilidade”. Prova disso é que o oposto, até nas derrotas, é quase sempre o maior pontuador da partida. Mas só um atacante vence jogo? Sabemos que não. Faltam os outros atacarem com vontade mesmo com bloqueio armado, por exemplo. Olha os maus resultados pesando sobre o grupo mais uma vez…

Macaé faz festa na vitória sobre o Unilever

Macaé faz festa na vitória sobre o Unilever

Por outro lado, sequências de vitórias têm feito bem a equipes como Cimed e Macaé. Os catarinenses embalaram com vitórias em um mês fora de casa e bateram o Vôlei Futuro em Florianópolis usando um ótimo saque e marcando no bloqueio, fundamentos que mostram a confiança e a concentração da equipe.

Já o Macaé acabou, simplesmente, com a invencibilidade do Unilever com direito a 3 sets a 0 no placar. Elas foram para quadra sabendo que Sheilla era o ponto forte do time de Bernardinho e marcaram a oposta logo de cara. Por isso digo que um atacante sozinho nem sempre ganha jogo!

A Superliga continua e o Pinheiros tem a chance de buscar a revanche contra o Sollys/Osasco, a Cimed pode seguir o ritmo embalado contra o Medley/Campinas, o Vôlei Futuro tentará a reabilitação contra o Soya…

E você? O que espera dos próximos jogos? Quem está perdendo consegue reverter a situação? Quem está vencendo segue com a boa maré? Dê a sua opinião!

Autor: Tags: , , , , , , ,

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011 Superliga | 21:27

Talento de Sheilla vence o conjunto do Pinheiros

Compartilhe: Twitter

Unilever e Pinheiros/Mackenzie, como lembramos no começo da semana, eram os protagonistas do duelo dos últimos invictos na Superliga feminina 2010/2011 nesta quinta-feira. Em quadra, um confronto entre um time que tem o seu conjunto como grande força e outro que joga no talento individual. No final, venceu o talento individual.

Vibração de Fabíola, que comandou o conjunto do Pinheiros

Fabíola, comandante do conjunto do Pinheiros

A partida começou de fato no terceiro set. A primeira parcial, com as equipes parecendo nervosas em quadra, foi um festival de erros, principalmente do lado do Pinheiros, que pecou nos ataques. Já o Unilever se aproveitou e fechou o set em 4 a 0 no bloqueio e 25 a 20 no placar. Já a segunda parcial começou e terminou do mesmo jeito. O Pinheiros reagiu, errou menos e conseguiu uma boa combinação de saque e bloqueio. Com disciplina tática, abriu 6 a 3 no começo da parcial. Depois, mais uma vez usando o saque tático e quebrando a recepção carioca, abriu 21 a 17 e fechou, devolvendo os 25 a 20.

Agora vamos para o jogo de verdade? A partir do terceiro set, as duas equipes entraram ligadas em quadra e a partida ficou bastante equilibrada. E aí ficou clara a diferença entre o estilo das equipes. Enquanto o Pinheiros variava a jogada, usando o seu conjunto, o Unilever passou a usar Sheilla como a válvula de escape. Os últimos pontos foram reflexo disso: Sheilla errou ataque e as paulista chegaram ao set point. Depois, Sheilla bateu e fez 24 a 24. No próximo ponto, Sheilla acertou no contra-ataque e virou em 25 a 24. Na sequência, 27 a 25 para as cariocas.

Sheilla foi o grande nome do jogo para o Unilever

Sheilla foi o grande nome do jogo para o Unilever

O equilíbrio e o alto nível seguiram no quarto set. E a partida continuou com a mesma tônica. No Pinheiros, pontos de Lia, Ju Costa, Natália e companhia. Do outro lado, só bola para Sheilla. Mas dessa vez, o final foi diferente. Sheilla tinha o set point e bateu fora. Ju Costa foi lá, arriscou o saque e marcou o ace. Sheilla ainda salvou um ponto com um ataque de fundo, mas o Pinheiros fechou na sequência em 27 a 25.

No tie-break, o Pinheiros fez uma parede na frente da oposta do Unilever e foi a vez a Soninha crescer. A ponteira do time paulista saiu do jogo, voltou no quarto set e marcou todos os pontos até o time abrir 4 a 1. E alguém advinha quem virou de novo para o Unilever? Sim, foi a Sheilla. Só depois de uma bronca de Bernardinho que Dani Lins variou as jogadas e deu certo. O bloqueio paulista estava armado em cima de Sheilla e deixou espaços para as outras. Já o bloqueio carioca parou Soninha duas vezes e o time virou em 12 a 10. Sheilla voltou a pontuar no 13 a 10. Depois, com dois erros do Pinheiros, o Unilever fechou em 15 a 10.

Pode se dizer que Sheilla, com mais de 30 pontos no jogo, venceu o Pinheiros/Mackenzie. Com isso, o Unilever é agora o líder isolado da tabela e o único invicto da Superliga feminina.

Terceiro Set
O boletim desta semana, em parceria com o site do Milton Neves, é um especial sobre a Superliga feminina, que está quase na metade. O programa traz entrevistas com Luizomar de Moura, Valeskinha e Camila Adão. Eu também comento sobre os favoritos nesta edição do torneio. Para ouvir, clique no link. Depois, quem quiser, me fale o que achou!

Autor: Tags: , , , ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. Última