Publicidade

Posts com a Tag karine

segunda-feira, 29 de outubro de 2012 Diversos | 11:51

37 vitórias e final em outro seleção x Zé Roberto

Compartilhe: Twitter
Divulgação

Festa do Sollys/Nestlé diante do Pinheiros na semifinal do Paulista

O Sollys/Nestlé fechou no final de semana a série semifinal com mais uma vitória sobre o Pinheiros (novamente por 3 sets a 0) , como era o esperado. Com isso, o time de Osasco chega à final do Campeonato Paulista com uma série de 37 jogos invicto. E na decisão, terá pela frente o Vôlei Amil, equipe de Campinas comandada por José Roberto Guimarães.

Será mais um confronto entre a seleção brasileira, já que o Sollys conta com Sheilla, Jaqueline, Thaísa, Adenízia e Fernanda Garay, e o técnico do time nacional. Assim como nas classificatórias do estadual, as pupilas são favoritas em relação ao comandante.

A equipe de Osasco está muito bem entrosada e em forma com titulares e reservas. No segundo jogo semifinal, Karine e Ivna entraram nos lugares de Fabíola e Sheilla, por exemplo, e deram cara nova ao time. No Mundial foi a mesma coisa. No único jogo em que perderam um set, contra o Rabita Baku, as reservas entraram e, apesar da derrota, pelo menos encostaram no placar e deram ânimo ao elenco para seguir na partida.

Do outro lado, o conjunto de Campinas pode contar com a experiência de Walewska ou Fernandinha, mas é uma equipe um pouco baixa e pode ter problemas diante do bloqueio rival.

É esperar para ver. Será que Zé Roberto e companhia acabam com essa série invicta do Sollys/Nestlé? Ou o time de Osasco volta ao topo do Paulista? A decisão começa no dia 4 de novembro (domingo), em Campinas, às 21h. Depois, as equipes duelam em Osasco, no dia dia 7 (quarta-feira), às 20h30. Se necessário, o último jogo será no dia 11 (domingo), às 13h, novamente em Osasco.

Autor: Tags: , , , , ,

quinta-feira, 25 de outubro de 2012 Diversos | 10:13

Mala do Sollys tem chocolate de pedra, vestidos e histórias

Compartilhe: Twitter

O Sollys/Nestlé venceu o Campeonato Mundial disputado em Doha e voltou ao Brasil no final de semana. Na quarta-feira, o patrocinador ofereceu um café da manhã para as jogadoras e o evento rendeu matérias para o iG, falando sobre a série invicta de 35 jogos e o título individual inédito para Jaqueline, e um especial para o Mundo do Vôlei.

Divulgação

Malas na chegada a Doha e malas mais cheias ainda na volta para casa

Para o blog, as atletas contaram o que acharam dos Emirados Árabes, revelaram alguns delírio de consumo e também o que mais as chocou em uma cultura tão diferente. E ainda teve gente que até encontrou um primo distante por lá.

Rosto coberto até para comer

Sheilla foi almoçar com Thaísa no shopping no dia de folga da equipe no torneio. E as duas se chocaram com os rostos cobertos das mulheres até na hora de comer. E olha que Thaísa conhece a cultura local porque sua bisavó era libanesa (daqui a pouco conto melhor essa história).

“Nunca tinha ido aos Emirados, mas sabia que os homens têm várias mulheres e que as mulheres andam todas cobertas. E fomos saber mais e descobrimos que é o homem quem define quanto do rosto a mulher vai mostrar. Nesse almoço, a moça (ou velha, não sei, não dava para ver porque estava tudo coberto) levantava só um pouco do véu para comer ou beber. E o marido estava ali na frente! Que cara que não facilita para a mulher, nem para comer! Fiquei chocada”, contou Sheilla

Primo Daher

Thaísa ainda encontrou um parente que era atendente em uma loja da Louis Vuitton. “Tenho descendência árabe, então já conheço um pouco da cultura, da comida. A minha bisavó por parte de mãe nasceu no Líbano e veio para o Brasil. E só existe uma família Daher no mundo, que se dividiu entre o Líbano e aqui”, falou a central.

Leia ainda: “Melhor individual que eu ganhei na vida”, diz Jaqueline sobre prêmio de passadora

“Encontrei um parente meu em Doha! Ele morava e trabalhava lá. Quando estava na loja, ele viu meu nome e perguntou de onde eu era. Começamos a conversar em inglês, disse que era do Brasil e falei da minha família. Ele disse que a mãe dele também era do Líbano. ‘Então você é meu parente’, eu respondi”.

Cinco vestidos pelo preço de meio

Doha é um paraíso para comprar joias de ouro ou pérola, produtos de marcas internacionais e muitos vestidos. Mais uma vez, quem conta a história é Thaísa.

“Trouxe cada vestido longo, de festa… Trouxe algumas coisas de joias, mas me foquei nas roupas. As mulheres de lá sempre usam burca, ficam cobertas, mas por baixo, minha amiga, é uma coisa espetacular. Elas se vestem para as outras mulheres porque as festas são só para elas. Então, quando chegam e tiram a burca, é uma disputando com a outra qual o vestido mais bonito, qual a melhor joia. Elas estão sempre muito bem maquiadas. Comprei cinco vestidos, quatro longos e um curtinho que eu dei para Sheilla, e peguei menos da metade de um que comprei aqui e nem está pronto ainda. Voltei com uma mala a mais. Tava tão bom o preço que eu nem pechinchei. Pensei é que tinha saído no prejuízo aqui no Brasil”.

Divulgação

Sacolas cheias no mercado em Doha

Chocolate de pedra e outros mimos

Nem todo mundo precisou de mais uma mala, como Thaísa. Sheilla disse ao blog que se rendeu aos produtos importados e comprou um chocolate, digamos, diferente. “Era um chocolate que parecia pedra. Se vir, nem acredita. Acho que todo mundo trouxe isso”, comentou.

Leia também: Dono de maior série invicta, Sollys Nestlé reconhece feito, mas ignora pressão

Karine, que jogou o Mundial no Catar pela segunda vez, se controlou mais dessa vez. “No ano passado eu trouxe muito chá, azeite, café… Agora eu comprei menos. Mas trouxe umas pashiminas (lenços) e lembrancinhas para a minha casa. Gosto de ter coisas dos lugares por passei, para lembrar que estive por lá”.

E depois de pensar um pouco, a levantadora do time “completou a sua mala”. “O mais importante que trouxe de lá foi a medalha, linda”, disse aos risos.

De volta ao trabalho

O Sollys/Nestlé já voltou à ativa e venceu o Pinheiros por 3 sets a 0 na noite de quinta-feira na primeira partida da série semifinal do Campeonato Paulista. Mais uma decisão à vista…

Autor: Tags: , , , , , , ,

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012 Superliga | 22:34

O que era um clássico virou uma lavada

Compartilhe: Twitter

*atualizado dia 18/01

Karine - Sollys/Osasco

Karine, com ajuda das defesas de Camila Brait, fez um grande jogo

Até a temporada passada, Osasco x Pinheiros era um belo clássico. Os dois times tinham nomes da seleção e disputavam os títulos estadual e da Superliga. Na noite desta segunda-feira, no primeiro confronto entre as equipes na edição 2011/2012 do torneio nacional, o jogo que tinha ares de clássico virou um grande passeio.

O Pinheiros, que passou por crise depois da Superliga passada, perdeu jogadoras importantes justamente para o Sollys/Nestlé. As levantadoras Fabíola e Karine e as ponteiras Ju Costa e Ivna foram para o time vice-campeão nacional. Com um elenco sem estrelas, a equipe da capital paulista já tinha seis derrotas e apenas uma vitória no campeonato e, agora, perdeu mais uma.

O Sollys/Nestlé deu um pouco de espaço no primeiro set, vencido por 25 a 17. Depois, embalou, errou pouco e venceu de lavada por 25 a 14 e 25 a 15. E o jogo teve alguns destaques. Se Luizomar estava preocupado com a ausência de Fabíola, com edema ósseo no joelho, pode relaxar. Karine fez uma grande partida e, pelo que eu tenha notado, errou apenas um levantamento de manchete no segundo set. Os méritos do passeio no ataque são dela. Claro que ter só uma levantadora no time é ruim porque atrapalha nos treinos, nas inversões de 5-1 e em tudo mais, só que Karine se mostrou gigante em quadra.

Além disso, Tandara, mais uma contratação para a temporada, virou praticamente tudo a partir do segundo set (será que ela ainda perde espaço para a norte-americana Destinee Hooker, quando a oposta se recuperar de uma lesão na mão?). Para completar, Ju Costa teve ótima passagem pelo saque também na segunda parcial. Sem falar na líbero Camila Brait, que fechou a defesa, principalmente na última parcial, e foi premiada com o troféu Viva Vôlei de melhor em quadra. Brait está crescendo muito como líbero e tem facilitado o trabalho das demais jogadoras.

O Sollys/Nestlé jogou como um grande time e assumiu provisoriamente a liderança da tabela, recuperando-se da primeira derrota na Superliga que levou na última rodada, com os 3 a 1 para o Usiminas/Minas. Foram pontos de bloqueio, saque e ataques conscientes de Jaqueline e companhia. Já o Pinheiros ainda tem um muito longo caminho a seguir se quiser sonhar com alguma coisa Superliga. E essa foi só a abertura da oitava rodada…

Um invicto a menos e um novo líder

Na continuação da rodada, o Unilever fez um belo jogo e bateu o Usiminas/Minas por 3 sets a 0. O time de Bernardinho realmente embalou e se encontrou no torneio. Depois de um começo ruim, com derrota para o Sesi e jogos abaixo do esperado, já são sete vitórias consecutivas e Fernanda Venturini e companhia afiadas.

Já o Vôlei Futuro, que era o invicto no torneio, perdeu para o Sesi por 3 sets a 2. A derrota não apaga a bela campanha até aqui do time de Araçatuba, m as dá uma emoção na Superliga, ajudando a embolar a tabela. O Vôlei Futuro bloqueou muito na segunda parcial. Já o Sesi soube definir melhor. Que essa edição do torneio nacional não fique apenas entre Unilever e Osasco, apesar de as duas equipes também estarem de vento em popa.

Autor: Tags: , , , , , ,

domingo, 7 de agosto de 2011 Diversos | 19:58

Sesi e Sollys/Osasco vencem e vão ao Mundial

Compartilhe: Twitter
Wallace e Rodrigão

Rodrigão, um dos reforços da temporada, ao lado de Wallace

Os campeonatos Sul-Americanos de clubes acabaram neste final de semana. Tudo bem, temos que lembrar que os times brasileiros têm muito mais qualidade que o rivais e eram os favoritos, mas deu para sentir um pouco do que essas equipes preparam para a temporada.

No masculino, o Sesi venceu a Upcn, da Argentina, neste domingo por 3 sets a 0 e fechou o torneio com o título e nenhum set perdido. Os brasileiros não deixaram os argentinos crescerem e mostraram ofensividade do começo ao fim.

Dos reforços, Leo Mineiro parece bem com o restante da equipe. Quando o Sesi foi apresentado, comentei por aqui que o time ganharia muito no passe com o novo ponteiro, mas poderia perder um pouco na potência do ataque. Entretanto, Leo Mineiro deu belas pancadas neste domingo (na verdade, todos os atacantes do Sesi soltaram o braço neste domingo!).

Já no meio, o Rodrigão ficou em segundo plano pela atuação de Sidão. O levantador Sandro soube usá-lo muito bem no ataque e o central também teve ótima presença no bloqueio. Mas Rodrigão, pela experiência, tem o seu espaço, sem dúvida. Se o Sesi mantiver essa postura ofensiva, desde o saque ao ataque, tem chances de mais títulos na temporada, já que a linha de passe com Murilo, Serginho e Leo Mineiro está garantida. E ainda tem Diogo, que veio contratado do Minas e é mais um ponteiro passador.

Sollys/Osasco é campeão Sul-Americano - Divulgação

Sollys/Osasco é campeão Sul-Americano

No feminino, um renovado Sollys/Osasco ficou com o título e já viveu a situação que deve enfrentar no Mundial, em Doha. O time contou apenas com Jaqueline e Camila Brait como titulares do time que entrou em quadra e foi vice-campeão da última Superliga, já que Thaísa, Adenízia e companhia estão na seleção brasileira.

Ivna, Karine e Ju Costa, que chegaram do Pinheiros, ao lado de Jaqueline, comandaram o time neste Sul-Americano. Mesmo com as mudanças, a equipe paulista venceu todos os seus confrontos por 3 set as 0 e o entrosamento dessas três atleta do antigo clube pode ter ajudado.

Sesi e Solly/Osasco vão para o Mundial de Clubes (no masculino, o Brasil retorna depois de um ano de ausência, já que a Cimed perdeu para o Bolivar na final do Sul-Americano do ano passado e perdeu a vaga). E lá terão que, provavelmente, usar o seu elenco suplementar para jogar, já que as principais atletas devem estar na seleção brasileira, afinal, o Mundial será às vésperas do Pan-Americano, em outubro. Foi por isso que o Unilever desistiu de jogar o Sul-Americano, porque achou que não teria um time competitivo no Mundial.

Por enquanto, Sollys/Osasco e Sesi mostraram ter banco para colocar em quadra. E essa foi uma preocupação de quase todos os times no ano, já que o calendário das seleções na temporada é bem puxado. O problema é que o Mundial não é tão simples quanto o Sul-Americano. Como começo de temporada, o Sul-Americano valeu para dar ritmo, já que os rivais não exigiram tanto dos times nacionais, como Murilo disse após o título deste domingo.

Autor: Tags: , , , , , , , ,

segunda-feira, 9 de maio de 2011 Sem categoria | 19:14

Unilever segura a base com Sheilla, Mari e Juciely

Compartilhe: Twitter
Sheilla

Sheilla segue como o principal nome da Unilever

A semana já começou agitada no mercado do vôlei feminino. A Unilever, que já havia renovado com a líbero Fabi, agora garantiu mais três titulares para a próxima temporada: a oposta Sheilla, a ponteira Mari e a central Juciely. As reservas Roberta (levantadora), Juliana Nogueira (oposta), Juju Perdigão (líbero) e Mara (meio-de-rede) também seguem no elenco. Com isso, pode-se de dizer que a base campeã nacional será preservada.

A equipe de Bernardinho deve perder Dani Lins para o novo time do Sesi, mas vai manter seus destaques da última temporada. Sheilla foi, sem dúvida, a melhor jogadora da Superliga e é um grande nome em qualquer time. Já Mari, recuperada da cirurgia do joelho, também é forte no ataque e está crescendo na recepção, já que sempre é alvo do saque rival. E Juciely, que já tinha feito uma boa temporada no São Caetano, se superou no ano passado. Ela não é uma central muito alta, o que pode atrapalhar no bloqueio, mas tem velocidade de braço, o que a torna uma bela atacante, com tempo de bola um pouco diferenciado.

Claro que, para manter tudo isso bem unido, é necessário ter uma boa levantadora. Mas trabalhar com atacantes de alto nível e uma líbero que entrega na mão facilita. Vamos ver quem fica com a responsabilidade de armar as jogadas no time carioca…

Novidades e dispensas no Sollys/Osasco

Adenízia

Adenízia disse que segue no Sollys/Osasco

Como o blog divulgou com exclusividade, o time paulista contará com Fabíola como levantadora para a próxima temporada. Além disso, já estão confirmadas Karine, como segunda levantadora, e a ponta Ivna, mais jogadoras que estavam no Pinheiros/Mackenzie. E Adenízia confirmou nesta segunda-feira em sua página no Twitter que já renovou o seu contrato.

Tinham me perguntando sobre Carol Albuquerque e Ana Tiemi. As duas já deixaram o time de Osasco, mas ainda não foram confirmadas por outras equipes.

Fora isso, o blog apurou que o time tem acordo verbal com outras atletas, mas nada ainda assinado. São elas: Tandara, ex-Vôlei Futuro, Thaísa e Camila Brait. Natália também segue em negociação, só que ainda em fase inicial. E quem deve sair mesmo é Jaqueline, mais uma que provalvemente vestirá a camisa do Sesi na próxima temporada.

Por enquanto, a equipe teve boas e más notícias. Fabíola e Karine são belos reforços, pois, como já disse por aqui, Carol e Ana Tiemi vacilaram em diversos jogos na Superliga. Na final, Carol não se achou com suas atacantes e isso contribuiu para o vice. Acho Fabíola e Karine mais estáveis.

Entretanto, Jaqueline fará falta à linha de passe. Ivna, a nova ponteira, é jovem e versátil para o ataque, mas não sei se é segura o suficiente no fundo. Ajudará se Sassá seguir no time…

Mais equipes

Herrera é dada como certa no Usiminas/Minas

Herrera é dada como certa no Usiminas/Minas

Desde a semana passada, algumas renovações e mudanças no Usiminas/Minas eram dadas como certas. Além continuar com a ponteira cubana Herrera, a levantadora Claudinha, a líbero Tássia e a central Natasha, a equipe fechou com outra cubana, Daymi Ramirez, ex-Praia Clube, e também com a ponteira Dani Paraíba e com a meio Fernanda Ísis, que estavam no Macaé.

Já o Sesi, além de Dani Lins e Jaqueline, sonha com a central Fabiana, que já falou em tom de despedida do Vôlei Futuro. E a equipe já teria repatriado a central Walewska, que estava na Rússia. Promete ser um time com ótimo potencial e jogadoras que, graças à seleção, já sabem jogar juntas, o que ajuda em um novo projeto.

Vamos ver como seguem as negociações. Até agora, o que vocês acharam? Quem parece ter ficado mais forte para 2011/2012?

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , ,

sábado, 16 de abril de 2011 Superliga | 12:12

Unilever está em mais uma final de Superliga

Compartilhe: Twitter
Fabi faz festa na vitória do Unilever. Ela foi muito bem na defesa

Fabi faz festa na vitória do Unilever. Ela foi muito bem na defesa

Mais uma final de Superliga começa a ser definida e, mais uma vez, o Unilever estará na briga pelo título. Com uma bela armação tática, o time de Bernardinho venceu o Pinheiros/Mackenzie neste sábado por 3 sets a 0, fechou a sua série semifinal e está na final do torneio nacional.. pela 10ª vez!

O Pinheiros/Mackenzie mostrou, no começo do jogo, que daria muito trabalho, principalmente com o seu saque. O time abusou das falhas na recepção de Regiane e ficou sete pontos consecutivos no saque. Pois é, mas o jogo não seria bem assim…

Logo o Pinheiros teve dois erros muito bobos na defesa, com a bola caindo bem no meio de todas as jogadores, e o Unilever reagiu. Além disso, Suelle entrou no lugar de Regiane e o passe melhorou.

O jogo mostrou dois times em momentos diferentes. O Unilever, que conseguiu virar e disparar no placar em todas as parciais, esteve muito bem taticamente. A equipe encaixou o saque e, principalmente, se fechou na defesa e no bloqueio. Mas, para isso, teve uma “ajudinha” das paulistas. O Pinheiros jogou sem Fabíola, que torceu o tornozelo, e a levantadora Karine usou muito a ponta, deixando o meio de lado porque muitas vezes teve um passe ruim ou por falta de entrosamento por ser a levantadora reserva.

A líbero carioca Fabizinha também estava inspirada. Suelle entrou e ficou. Dani Lins, Mari e Sheilla estão cada vez mais em sintonia. Tudo isso, com ajuda do bloqueio sempre bem armado (foram 13 pontos no fundamento, quatro a mais que as paulistas), o resultado foi o 3 a 0 (leia como foi o jogo set a set). O Pinheiros ainda tentou, jogou na garra até o meio do terceiro set, mas depois parece que entregou um pouco os pontos. A expressão de Karine depois de errar um saque demonstrava exatamente isso…

Agora é esperar a outra série, entre Sollys/Osasco e Vôlei Futuro. E o Mundo do Vôlei segue na torcida pela recuperação de Stacy. A jogadora já acordou e conversou com os médicos, com contou Paula Pequeno em seu Twitter. #FORCASTACY

Autor: Tags: , , , , , , ,