Publicidade

Posts com a Tag Jaqueline

terça-feira, 28 de abril de 2015 Diversos | 10:35

Lucão no time dos casados

Compartilhe: Twitter

A Superliga acaba, os jogadores começam a curtir os dias de férias e aproveitam para se casar! Foi assim com Sheilla, Camila Brait e agora, com Lucão.  O central vice-campeão nacional pelo Sesi e da seleção brasileira trocou alianças com Beatriz na noite de segunda-feira (27) em São Paulo, na Igreja Nossa Senhora do Brasil.

A cerimônia, como esperado, reuniu diversos nomes do vôlei como Murilo e Jaqueline, Lucarelli, Éder, Gustavão… E a festa contou com muita música sertaneja com as duplas Cesar Menotti e Fabiano, Fernando e Sorocaba, Jorge e Matheus e mais. A #casamentobiaelucao bombou nas redes sociais e rendeu cliques dos bastidores e de momentos da união. Veja na galeria abaixo:

Autor: Tags: , , ,

sexta-feira, 10 de abril de 2015 Superliga | 13:56

Com saque em um set e bloqueio nos outros, Rexona vai para a final da Superliga

Compartilhe: Twitter

De novo, o time do Rio de Janeiro é finalista da Superliga feminina. O Rexona/Ades venceu o Camponesa/Minas na noite de quinta-feira por 3 sets a 0 (25/17, 25/18 e 25/21) e vai disputar a decisão do torneio nacional pela 11ª vez consecutiva. A gente está cansado de saber que uma boa combinação saque e bloqueio ajuda, e muito. A equipe de Bernardinho levou isso ao pé da letra.

Divulgação/CBV

Rexona é finalista da Superliga feminina

No primeiro set, o saque foi o que fez a diferença. Com seis aces contra nenhum do Minas, as cariocas foram crescendo e dominando o placar. A partir do segundo set, ainda com o serviço entrando, o bloqueio apareceu mais. Foram quatro pontos na segunda parcial e sete na terceira. O resultado foi o 3 a 0 no placar.

Veja como foi a vitória do Rexona set a set

No primeiro jogo da série semifinal, muitos reclamaram que o Minas acabou prejudicado por erros da arbitragem. Agora, acho que os juízes não interferiram no resultado. O Rexona errou menos e apareceu mais no jogo. Carol foi bem saque e Juciely, bem no bloqueio. Natália foi a maior pontuadora, com 18 bolas no chão. E Fofão é a Fofão. Em um lance já no final do jogo, ela levantou uma bola para trás com um passe C e deixou na pinta para Régis bater.

Do outro lado, o Minas não pode ser ignorado. A equipe cresceu muito de produção com Jaqueline e realmente conseguiu virar uma das favoritas ao título depois de derrapar no começo da Superliga. Como Walewska já tinha falado na primeira partida semi, a inexperiência de algumas jogadoras pode ter pesado. Mas ficar entre os quatro é um feito e tanto. No começo da temporada, a aposta era, por exemplo, que o estrelado Dentil/Praia Clube fosse mais longe. Mas o Camponesa/Minas que acabou entre os quatro melhores.

Hoje temos que comemorar sim de estar entre os quatro melhores times, diz Walewska

E agora, repito a pergunta do outro post sobre as semifinais: será que a velha e conhecida decisão vai se repetir? O Rexona fez a parte dele e, nesta noite, o Molico/Nestlé recebe o Sesi. O time de Osasco venceu a primeira e está na vantagem. Veremos…

Autor: Tags: , , , , , , ,

domingo, 5 de abril de 2015 Superliga | 21:44

Rexona e Molico na frente na semifinal… A história vai se repetir?

Compartilhe: Twitter

As semifinais da Superliga feminina começaram neste final de semana e Rexona/Ades e Molico/Nestlé saíram na frente. As cariocas venceram o Camponesa/Minas e o time de Osasco passou pelo Sesi. Será que a velha e conhecida história das finais da Superliga vai se repetir, com Rio x Osasco na decisão? Primeiro, vamos ao que aconteceu no sábado.

Bloqueio do Rexona na vitória sobre o Minas no 1º jogo da semifinal

Bloqueio do Rexona na vitória sobre o Minas no 1º jogo da semifinal da Superliga

Camponesa/Minas 1 x 3 Rexona/Ades

Foi um jogo repleto de erros: 26 para cada lado, segundo as estatísticas da CBV. E isso é muito! No primeiro set, por exemplo, o Minas não fez nenhum ponto de saque e nem de bloqueio, mas deixou o jogo igual porque ganhou 13 pontos de graça das cariocas. E erros à parte, a partida foi bem equilibrada nos três primeiros sets. Já no quarto set, foi o Minas quem vacilou e deu oito pontos, enquanto o Rexona foi abrindo e liquidou com 10 pontos de vantagem (as parciais do jogo foram 25/23, 22/25, 25/22 e 25/15).

O Rexona, apesar de nem sempre ser constante e também errar, é mais experiente e consegue crescer em qualquer momento de decisão, seja com uma chamada a mais de Bernardinho ou com uma inversão que dá certo. Já o Minas tem Jaqueline, mais uma vez quem mais pontuou para o time, mas ainda tem jogadoras mais novas e isso pode ter pesado, como disse a central Walewska depois da derrota. Agora passou o impacto na primeira partida da semifinal, mas ainda aposto na equipe do Rio de Janeiro para chegar à final.

Ivna foi a maior pontuadora da partida, com 25 acertos

Ivna foi a maior pontuadora da partida, com 25 acertos

Sesi 2 x 3 Molico/Nestlé

Mais um tie-break para a conta do Molico nesta Superliga (já fiz um post sobre isso aqui no blog!). O time de Osasco venceu os dois primeiros sets diante do Sesi mostrando bloqueio e saque afiados. Erros da central Fabiana também ajudaram as visitantes na segunda parcial. Mas o cenário mudou a partir do terceiro set. Será que foi aquela mais do que manjada síndrome do terceiro set? O Molico poderia ter crescido e acabado com o jogo, mas passou a errar e viu o Sesi, agora com Fabiana recuperada, empatar e levar o jogo para o tie-break. No set final, mais uma vez o saque e o bloqueio ajudaram. Para completar, na passagem de Dani Lins pelo serviço e com Carcaces no contra-ataque, o Molico emplacou três pontos e fechou em 15 a 10 (as parciais foram 25/11, 26/24, 22/25, 20/25 e 15/10).

Voltando a falar em erros, o Molico pecou neste jogo. Deu 11 pontos de graça no terceiro set, quando era o momento de aproveitar o embalo e fechar a partida. No total, foram 29 pontos de graça para o Sesi. A vitória veio graças ao bloqueio, que funcionou muito bem, marcou 27 pontos e compensou. Gabi e Dani Lins tiveram boas passagens pelo saque, o que ajudou no fundamento. Mas é complicado errar tanto e vencer mais uma vez… Apesar do triunfo, fica o sinal de alerta.

As semifinais continuam nesta semana… A gente se vê!

Autor: Tags: , , , , , , , ,

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015 Superliga | 11:28

Mais uma vitória do Minas, mais uma partida de Jaqueline

Compartilhe: Twitter

A ponteira Jaqueline assinou com o Camponesa Minas quando a Superliga já estava na terceira rodada do primeiro turno, em novembro de 2014. Ela externou o medo de ficar sem clube depois de voltar a jogar após o nascimento do filho Arthur, foi às lágrimas e conseguiu um contrato com o time mineiro. E,como esperado, foi uma contratação e tanto para a equipe.

Jaqueline é a quinta melhor atacante da Superliga até agora

Jaqueline é a quinta melhor atacante da Superliga até agora

A estreia de Jaque foi na primeira vitória da equipe na Superliga, no finalzinho de novembro, nos 3 a 1 diante do São José dos Campos. Desde então, o Minas embalou e saiu da lanterna para a sexta colocação geral, zona de classificação para os playoffs. Com Jaqueline na equipe, foram apenas duas derrotas, uma diante do Brasília, ainda no turno, e outra para o Rexona, único invicto na competição, agora no returno.

A jogadora pode nem sempre ter sido eleita a melhor em quadra, mas em quase todas as partidas, ela foi a maior pontuadora do elenco mineiro. Na noite de terça-feira, mais uma vez diante do São José e em outra vitória do Minas, ela colocou 22 bolas no chão. E até nas derrotas ela comandou os números, com 25 acertos nos 3 a 2 para o Rexona, com 21 pontos de ataque, três de bloqueio e um de saque.

Veja o desempenho de Jaqueline no returno da Superliga

  • Pinheiros 2 x 3 Camponesa Minas – 20 pontos (Mari Paraíba foi a maior pontuadora, com 22 acertos)
  • Camponesa Minas 3 x 0 Dentil/Praia Clube – 16 pontos (maior pontuadora do jogo)
  • Camponesa Minas 3 x 1 Molico/Nestlé – 13 pontos (Carla foi maior pontuadora, com 22 acertos)
  • Camponesa Minas 3 x 1 Sesi – 17 pontos (maior pontuadora do Minas)
  • Rexona-Ades 3 x 2 Camponesa Minas – 25 pontos (maior pontuadora do Minas)
  • Camponesa Minas x São José dos Campos – 22 pontos (maior pontuadora do jogo)

Jaqueline é a referência no ataque do Minas. E claro que é bom contar com uma jogadora experiente para virar as bolas. Mas o desempenho da jogadora e a melhora da equipe ao longo da competição já coloca o Camponesa Minas como concorrente ao título? Os playoffs vão dizer… E o legal deste ano na Superliga é isso, que alguma surpresa pode acontecer. O Sesi, desde a temporada passada, chegou para acabar com a hegemonia Rio x Osasco. Agora, Dentil Praia Clube montou um elenco bom no papel, mas teve tropeços da competição. Já o Pinheiros, mais modesto em termos de estrelas, conseguiu surpreender os considerados favoritos, venceu a Copa Brasil e é o quinto da tabela. Vamos ver quem se mantém até à final!

P.S.: Na partida contra o São José, o Camponesa Minas ainda mandou um recado. As jogadoras foram para quadra com camisas e uma faixa contra o preconceito. Na partida contra o Sesi, a central Fabiana, do time paulista, disse ter escutado insultos racistas de um torcedor que acompanhava o jogo em Belo Horizonte. Que os torcedores se espelhem na faixa e camisas do Minas. 

Autor: Tags: , ,

terça-feira, 9 de dezembro de 2014 Superliga | 08:00

Aos 20 anos, Rosamaria comanda Pinheiros, diz que ficou apavorada com Zé Roberto e sonha alto na Superliga

Compartilhe: Twitter

Ela tem 20 anos, 1,84m e é a segunda maior pontuadora da Superliga, perdendo apenas para Tandara, oposta da seleção e do Praia Clube. Essa é a catarinense Rosamaria, titular na saída de rede do Pinheiros. Nos sete jogos da equipe até agora, ela só não foi a maior pontuadora do seu lado uma vez. Nos outros, ficou com a média de mais de 18 pontos por partida.

Rosamaria veste a camisa 9 do Pinheiros na Superliga 2014/2015

Rosamaria veste a camisa 9 do Pinheiros na Superliga 2014/2015

Rosamaria também conta com um time que vem embalado, como ela mesma disse em um papo exclusivo com o Mundo do Vôlei. Apesar de não contar com jogadoras de peso da seleção, as paulistanas têm apenas duas derrotas no torneio nacional e, nas últimas rodadas, elas deram trabalho para os estrelados Praia Clube, acabando com a invencibilidade da equipe mineira, e para o Molico/Nestlé, fazendo o rival perder os primeiros sets da competição (veja o post anterior para saber mais).

Leia mais: Em casa, Pinheiros derruba invencibilidade do Praia Clube

“Nosso time veio embalado desde o Paulista, apesar de não ter chegado à final (caiu na semifinal diante do Molico). A nossa receita é acreditar que dá”, resume a oposta. Ela reconhece pontos fracos do Pinheiros, mas já aponta a solução. “A gente sabe quem jogadoras mais baixas e a velocidade com que o time joga facilita a nossa vida. Estou feliz com a boa fase, não só minha, mas do grupo, e esperamos melhorar mais ainda”, completa.

Essa é a primeira Superliga de Rosamaria como titular. A oposta já jogou no Brusque e no São Caetano. “Com 16 anos eu joguei no Brusque, mas foi no segundo turno. Eu ainda estava na escola e tinha que conciliar com os jogos”, lembra. A jogadora ficou conhecida nas duas temporadas que defendeu o Amil, antigo time de Campinas, sob  o comando de José Roberto Guimarães. Ela era reserva, mas acabou ganhando espaço com a lesão da cubana Ramires, passou a atuar mais e faturou troféus de melhor em quadra.

Ser comandada pelo técnico da seleção assustou a jovem. “No começou eu falei: ‘meu Deus do céu’. Eu fiquei apavorada, mas de uma maneira boa”, conta aos risos. Além de Zé Roberto, ela atou ao lado de nomes conhecidos do vôlei. “No início foi um choque. Tinha a Wal (Walewska, meio de rede), Natália, Tandara… Eram ídolos que eu só via de longe e, de repente, eram minhas amigas. Todos tiveram muita paciência”.

Passado o “susto”, os tempo de Amil serviram como aprendizado para que Rosamaria conquistasse o posto entre as seis jogadores principais de um time. E como boa oposta, mesmo com a pouca idade, ela não se incomoda com responsabilidade pela virada de bola. “Eu gosto”, resume. “Nas seleções de base eu fui capitã e sempre gostei da responsabilidade em cima de mim. Lógico que não é fácil e nem se compara com que é a Superliga, que tem muito mais visibilidade e o nível é altíssimo”, explica. Aí vale a ajuda do técnico Wagão no Pinheiros. “Gosto de ter responsablidade, mas o Wagão e a comissão estão sempre dando suporte. E acho que a gente tem que ser assim, e ir para cima sempre. Não pode se acomodar”, comenta.

Facebook

Rosamaria já figurou listas de musas do vôlei

Ela também diz não acompanhar de perto das estatísticas. Na quinta rodada, quando assumiu a liderança entre as pontuadoras, só ficou sabendo do feito pela assessoria de imprensa da CBV. Agora, segunda colocada nesse quesito e quinta melhor no ataque, ela segue distante dos números e focada em seu time.

Outro título que não incomoda Rosamaria é o de musa. Ela se diverte com o assunto. “Vire e mexe eu vejo umas fotinhos minhas em blogs ou eleições de musas da Superliga, mas eu nunca ganhei nada. Ah, eu gosto”, diz um pouco envergonhada. A bela catarinense já se arriscou como modelo, mas a timidez atrapalhava. “Sempre que aparecia algum trabalho eu pensava em não fazer. E também já jogava e estudava, não dava. Tenho até vontade de fazer mais alguma coisa, como fotos, mas ainda não procurei nenhuma agência”, comenta.

Falando em musa, outra bela jogadora é referência para Rosamaria nas quadras. A oposta, mas que atuou como ponteira e exerceu essa função nas seleções de base, considera Jaqueline uma atleta completa e um exemplo. Segundo a jovem, a veterana já deu conselhos e trata muito bem as novatas da base.

Nesta Superliga, o reencontro entre ídolo e pupila será na primeira rodada do returno. O Pinheiros estreou no torneio nacional com vitória sobre o Minas, antes da contratação de Jaque pela equipe de Belo Horizonte. Por enquanto, foco de Rosamaria está nas próximas rodadas do Pinheiros, que tem pela frente Sesi e Rexona. Parada dura e mais desafios para Rosamaria e companhia.

Autor: Tags: , , , , , ,

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014 Superliga | 10:46

Um invicto a menos no feminino e duelos de favoritos no masculino

Compartilhe: Twitter

A Superliga já caminha para o final do primeiro turno e os jogos desta semana tanto no feminino quanto no masculino merecem destaque. Entre as mulheres, há um invicto a menos. O Dentil/Praia Clube sofreu a primeira derrota com os 3 a 2 diante do Pinheiros em São Paulo. Entre os homens, a rodada da noite de quarta-feira teve duelo de favoritos e o Brasil Kirim venceu o Sesi em casa. Já o Sada Cruzeiro sofreu para manter a invencibilidade.

Divulgação

Pinheiros bate Praia Clube e acaba com invencibilidade do time mineiro na Superliga feminina 

Vamos começar pelo torneio feminino. O Praia Clube estava embalado, mas parou diante do Pinheiros na casa do adversário. Nem os 28 pontos de Tandara ajudaram o time mineiro, que se perdeu em erros e sofreu com o bloqueio do lado paulista (foram 11 pontos neste fundamento). O Praia é o quarto colocado no momento na tabela. A liderança segue com o Molico/Nestlé, que além de ter vencido todos os jogos até aqui, passou por todo mundo p0r 3 a 0. E o Molico é justamente o próximo rival do Praia. Será que o time de Uberlândia se recupera? Ou as meninas do Osasco seguem nos 3 a 0?

Ainda entre as mulheres, vale falar de Jaqueline. A ponteira fez o seu segundo jogo pelo Camponesa/Minas, agora em casa, e ajudou o time na vitória sobre o Maranhão/Cemar. Depois de um tempo parada desde o Mundial até a definição de um time, a ponteira ainda recupera o ritmo e ainda não assumiu o posto de titular. Por enquanto, deu sorte e saiu com vitórias. Vamos esperar por um jogo com ela do começo ao fim.

No masculino, na noite de quarta-feira, o Sada Cruzeiro sofreu para se manter como o único 100% até aqui. Depois de abrir 2 a 0, eles pararam e deixaram o Minas crescer no saque e no bloqueio e voltar para o jogo no clássico mineiro. Durante a terceira parcial, o Sada não marcou nenhum ponto de saque ou de bloqueio. A partida voltou a se equilibrar no quarto set, e o Sada Cruzeiro venceu apenas no tie-break. Foi o primeiro 3 a 2 da temporada do time de William, Wallace e companhia, que segue na liderança.

Outro clássico foi Brasil Kirin x Sesi. Em casa, a equipe de Campinas manteve o embalo e passou pelo Sesi por 3 a 1. Foi a oitava vitória do Campinas em nove rodadas da Superliga masculina. Oito vitórias também é o número para o Taubaté/Funvic, mais um time que promete dar trabalho. Eles venceram o Maringá de virada.

Por enquanto, Sada Cruzeiro, Brasil Kirin e Taubaté/Funvic seguem embolados nos primeiros lugares da tabela e estão a sete pontos do quarto colocado, o Minas.

Autor: Tags: , , , , ,

quarta-feira, 19 de novembro de 2014 Superliga | 10:50

Jaqueline, o Minas e a Superliga feminina

Compartilhe: Twitter
Divulgação

Jaqueline assina com o Minas para a temporada da Superliga

A Superliga feminina está na terceira rodada e ganha um reforço. Jaqueline, depois de chorar ao final do Mundial por não ter clube e até cogitar parar e ficar fora das Olimpíadas de 2016 também pela falta de time, assinou com o Camponesa/Minas. Os treinos começam na próxima segunda e ainda não há data para a estreia, mas a contratação já provocou boas reações.

Logo depois do anúncio, fiz um post na página do blog no Facebook e quem comentou gostou da novidade. Para o torneio também acho que fará bem. O Minas já tinha investido para a temporada com as experientes Walewska e Carol Gattaz, além das opostas Lia, que deu muito trabalho em outras temporadas, e Ju Nogueira e da ponteira Mari Paraíba. Jaqueline reforça o time, pode ajudar no passe e dar volume ao time. Sem contar que nunca é demais contar com uma jogadora de seleção em seu elenco. O Minas subiu um degrau na lista de concorrentes ao título.

A briga esse ano no feminino deve ser interessante. Na temporada 2013/2014, o Sesi já conseguiu chegar até a final, mudando a história recente do torneio de Rio x Osasco. Agora mais gente tenta entrar para esse seleto grupo. O Praia Clube é um desses. A equipe vem crescendo na Superliga e nesse ano tem no elenco Tandara, da seleção; a cubana Ramirez, que foi destaque nos anos que jogou por aqui, e Sassá, ex-seleção. Além disso, Ju Costa é uma das ponteiras e ela tem um ótimo ataque na pancada. Completam o time Natasha, central, e Karine, levantadora.

É uma pena que o clássico mineiro do turno já tenha acontecido, antes da contratação de Jaqueline. O Praia recebeu o Minas e venceu por 3 a 2.

 

Autor: Tags: , , ,

quinta-feira, 24 de abril de 2014 Seleção feminina | 12:41

Jaqueline tem lugar garantido, pelo menos na seleção

Compartilhe: Twitter

*atualizada

Jaqueline vive um momento complicado e não esconde isso de ninguém. Assim que ficou definido que o ranking para a próxima temporada limitaria a duas jogadoras de pontuação sete por equipe, a ponteira reclamou nas redes sociais. A jogadora segue com a pontuação máxima mesmo depois de um ano sem jogar por conta da gravidez de seu primeiro filho, Arthur, e se vê sem opções de clubes de ponta. Também não se vê saindo do Brasil, já que Murilo ainda tem um ano de contrato com o Sesi. No meio disso tudo, a boa notícia veio do técnico da seleção brasileira.

Reprodução/Instagram

Jaqueline posa com Arthur ainda recém-nascido e Murilo nas redes sociais

José Roberto Guimarães repete a fórmula que deu certo nos últimos ciclos olímpicos e deixa seu time, neste caso o Vôlei Amil, para se dedicar exclusivamente à seleção brasileira. E leva Jaqueline com ele. “Eu conto com a Jaqueline, sim. Posso dizer para vocês que ela vai ser uma das jogadoras convocadas para a seleção na nossa próxima lista. Ela já fez muito pela seleção. Então, acho que chegou a hora de a seleção ajudá-la”, disse o treinador em entrevista coletiva em Campinas na quarta-feira.

Leia mais: Amil confirma saída de Zé Roberto para ser treinador exclusivo da seleção feminina

Ele cumpriu o prometido e o nome da atleta estava na primeira lista de convocadas, divulgada nesta quinta-feira. Mais uma vez, Jaque foi para as redes sociais, dessa vez para agradecer. ” Obrigado a todos de coração pelo carinho que recebo diariamente. Estou muito feliz mesmo”, postou a atacante.

Zé Roberto está certo com essa convocação? Eu acho que sim. Como ele mesmo disse, Jaque já mostrou trabalho na seleção e costuma ajudar no passe e no ataque. E sabemos que passe geralmente é um ponto fraco da equipe nacional.

Também é um bom momento para ganhar ritmo mais uma vez. Jaque ficou muito tempo parada por causa do Arthur e vai precisar de um tempo para se readaptar, como qualquer atleta que se afasta do esporte. Sendo convocada logo de cara, na primeira lista, terá tempo para isso. E estamos ainda no meio do ciclo olímpico e no começo da temporada de seleção no ano do Mundial, este é o momento para testes. Ela vai ter a chance de continuar jogando e mostrar se pode ou não seguir no time. Além disso, agora é a hora da seleção. Quem sabe até a volta da Superliga e dos torneios de clubes, Jaqueline não se encaixe em algum time.

Autor: Tags: , ,

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013 Diversos, Superliga | 10:53

Herdeiro do vôlei

Compartilhe: Twitter
Murilo e Jaqueline no chá de bebê de Arthur

Murilo e Jaqueline no chá de bebê de Arthur

Jaqueline e Murilo já são pais! Nasceu na noite de quinta-feira, por volta de 21h30, Arthur, o primeiro filho do casal, em uma maternidade em São Paulo. O bebê tem 3,6 kg e toda a família passa bem. Parabéns ao casal!

Os jogadores são casados desde 2009 e já contaram ao Mundo do Vôlei detalhes de como se conheceram, do começo de namoro e da vida a dois. Jaqueline revelou, por exemplo, que Murilo demorou três meses até ter coragem de dar o primeiro telefonema a convidando para sair. Ela também se define como a romântica da relação.

Agora o casal comemora a chegada do primeiro filho. Nas quadras, Murilo também tem motivos para comemorar, já que está de volta à ativa depois da cirurgia no ombro, já levou Viva Vôlei de melhor jogador e o Sesi é o segundo na classificação geral da Superliga.

Autor: Tags: , , ,

quarta-feira, 12 de junho de 2013 Diversos | 14:51

Romance está no ar!

Compartilhe: Twitter

Dia 12 de junho, Dia dos Namorados! E o vôlei reúne diversos casais no esporte, como Jaqueline e Murilo ou Mari Paraíba e Riad. Luciane Escouto conheceu o agora noivo também nas quadras, quando defendia o Macaé e ele era fisioterapeuta do time. Tem aqueles comprometidos com amores de fora das quadras e que ainda encaram a distância, como os jogadores da seleção masculina, que estão na Argentina para a Liga Mundial, longe das amadas…

Veja também: Seleção de fotos e declarações do Dia dos Namorados no mundo dos esportes

Esses e outros casais das quadras declaram seu amor nas redes sociais nesta quarta. Veja as fotos e as frases apaixonadas na galeria (clique nas imagens para ampliá-las):

Autor: Tags: , , , , , , , , , , ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. 3
  5. 4
  6. 5
  7. Última