Publicidade

Posts com a Tag Fernanda Garay

segunda-feira, 5 de agosto de 2013 Seleção feminina | 12:50

Estreia com viradas, pressão e 100% para Brasil no Grand Prix

Compartilhe: Twitter

A seleção brasileira feminina fechou o primeiro final de semana do Grand Prix com três vitórias em três jogos. A equipe passou por Polônia, Rússia e Estados Unidos com três viradas. Muitos falam que é bom começar um torneio aos poucos e pegar rivais em uma crescente para se adaptar, mas também vale a pena já estrear com rivais complicados. E fica melhor ainda se passar no teste.

Mais sobre vôlei de quadra? Curta a página do blog Mundo do Vôlei no Facebook

Divulgação/FIVB

Festa do Brasil na vitória sobre os EUA para fechar a primeira semana no Grand Prix

Nos três jogos, o Brasil cometeu diversos erros no primeiro set e demorou a se acertar na relação saque e bloqueio. Depois, como Fabiana comentou em uma das coletivas pós-jogo, o serviço passou a funcionar e os outros fundamentos também melhoraram. O passe, em alguns momentos, ainda é um problema. Contra o bloqueio alto desse primeiro final de semana, a seleção se deu bem quando conseguiu fazer suas jogadas de meio, ou seja, quando o passe entrou.

Além de melhorar o começo dos jogos, é bom também cuidar desse fundo. Mas o time mostrou que consegue encarar a pressão, virando jogos diante de rivais complicados e bons tecnicamente. Sim, a equipe nacional teve falhas, mas soube como consertá-las a tempo em todas as partidas.

Fernanda Garay foi a maior pontuadora em todos os jogos e diante dos Estados Unidos dividiu o posto com Gabi. Garay virou uma referência nessa seleção desde que entrou bem nas Olimpíadas de Londres. Já Gabi, caçulinha do time, mostrou personalidade e ganhou elogios do técnico José Roberto. Foi titular o tempo todo e não se intimidou mesmo sendo alvo no saque e muitas vezes caçada no bloqueio. Chegou bem ao time.

Leia mais sobre os jogos do Brasil no Grand Prix:

O Brasil, e todo mundo, começou a renovação em suas seleções. Por aqui, há ressalvas, mas o caminho parece interessante. O time ficou um pouco mais baixo com Monique como oposta ou Juciely como central. Mas a meio-de-rede, por exemplo, ajudou no jogo tenso diante das russas e surpreendeu as rivais. Acho que a vantagem é ter jogadoras em quase todas as posições. Na ponta, além de Gabi, tem Priscila Daroit no banco e ela foi destaque nos primeiros torneios que a seleção ganhou na temporada. No meio, tem Juciely que vai brigar com Thaísa, Fabiana e Adenízia. No fundo, Camila Brait é a sucessora de Fabizinha. A notícia ruim ficou por conta de Fabíola, que por problemas pessoais pediu dispensa da seleção. Ela pode fazer falta nos próximos jogos… Vamos ver como Claudinha estreia na equipe.

Siga também a página do Mundo do Vôlei no Twitter

A seleção brasileira viaja agora para Porto Rico e encara a República Dominicana na próxima sexta-feira. Depois, joga contra a Bulgária e fecha a segunda semana diante das donas da casa.

P.s.: galera, quem me segue no Twitter ou no Facebook viu meus comentários sobre problemas por aqui. O blog está bastante instável desde a semana passada, mas a tecnologia daqui do iG está tentando resolver. Portanto, se me ausentar mais do que o normal, já sabem o motivo!

Autor: Tags: , , , , , ,

quarta-feira, 10 de abril de 2013 Superliga | 14:35

Ranking, set de 21 pontos, Bernardinho, mercado e quase férias

Compartilhe: Twitter

*atualizado às 15h21

Galera, estou de férias na redação do iG, mas sigo acompanhando o que acontece no vôlei nesta semana. Fico por aqui (por isso o “quase férias” do título) até a final da Superliga masculina e como essa semana começou agitada, resolvi colocar o papo em dia no blog. Teve ideia de diminuir número de pontos por set, novo ranking de atletas, movimentação no mercado e uma confirmação que a gente já esperava, mas que mesmo assim deve ter sido comemorada.

>> Curta a página do Mundo do Vôlei no Facebook

A novidade desta quarta-feira é que a FIVB estuda diminuir os sets de 25 para 21 pontos. A ideia será testada na Liga europeia e serviria para diminuir o tempo dos jogos. O assunto já rendeu comentários no Twitter. Estava agora mesmo comentando isso com Gustavo. O central gostou da ideia e ainda deu uma sugestão: “Melhor os 21 pontos, na minha opinião, e um tempo a menos. Substituições mais rápidas!”, me respondeu ele. Com uma parada a menos e menos pontos, o jogo pode ficar mais ágil. Ainda assim, não perderá a essencial. Não sei se só quatro pontos fariam tanta diferença, mas quem sabe a mudança não dá certo? Como estávamos falando no Twitter, jogos de mais de 2h30 ou 3h são bem cansativos. E vocês, galera, o que acham dessa ideia?

Outro assunto foi o ranqueamento, que gerou algumas polêmicas nesta temporada. Quantas vezes escrevi ou comentaram que o Sollys/Nestlé era a seleção brasileira? Quem não lembra das reclamações de Zé Roberto Guimarães depois da semifinal da Superliga? Pois bem, uma das selecionáveis terá que deixar o time.

Alexandre Arruda/CBV

Fernanda Garay agora é 7 no ranking da CBV

Cada equipe pode somar 32 pontos, mas pode contar com, no máximo, três jogadoras com sete pontos, valor mais alto do ranking. E depois do bicampeonato olímpico, Fernanda Garay foi promovida ao grupo de sete pontos. A classificação acho que é justa, afinal, a ponteira fez uma excelente temporada e nas Olimpíadas de Londres tirou o lugar de Paula Pequeno e foi importante para a seleção. Como o ranking leva em conta o que a atleta fez no ano anterior, Fê Garay deveria mesmo ser 7.

Veja o ranking completo das atletas da Superliga feminina

Agora, além dela, Thaísa, Jaqueline e Sheilla são as atletas do Sollys/Nestlé com pontuação máxima. Uma delas terá que sair. Qual faria menos falta? Não tenho ideia. Alguns boatos falam que é a própria Fê Garay quem vai deixar o time. Não sei, mas qualquer uma fará falta porque todas são destaques em suas posições. O Sesi já tentou levar a Jaqueline e o time paulista tem Fabiana e Tandara como 7 no momento. Ah, e Tandara foi o mesmo caso de Garay. Ela mudou de pontuação nesta temporada. Mas aí acho que contou não a seleção, até porque ela conseguiu o seu lugar no time, mas é reserva, mas o crescimento ao longo da Superliga. Bom, vou parar de fazer suposições e deixar para os dirigentes do Sollys e dos outros times se acertarem com isso… Mas quem quiser comentar e montar o seu time, fique à vontade!

Falando em montar time, o mercado teve mudança e confirmação nesta semana. Pacheco é o técnico do time masculino do Sesi, na vaga deixada por Giovane. Apesar de achar que houve falha na semifinal por não ter um plano B para a lesão de Serginho, que jogou no sacrifício o tempo todo contra o Sada/Cruzeiro, gostava do trabalho de Giovane. Mas Pacheco tem mais experiência no banco, diversas finais de Superliga e o time paulista segue em boas mãos. O ruim disso é ver a equipe de Campinas que ficou sem patrocinador já perdendo gente também.

>>Acompanhe o Mundo do Vôlei também no Twitter

Alexandre Arruda/CBV

Bernardinho segue na Unilever e na seleção

Outro técnico foi notícia, só que pela confirmação. Bernardinho, campeão da Superliga, segue na Unilever e na seleção brasileira. Tem gente que pode falar, reclamar do jeito dele ou se algumas decisões como cortes e tal, mas Bernardinho é um treinador e tanto. Ele mexeu na Unilever em diversos jogos da Superliga e isso fez o time mudar e vencer. Até na final, as jogadoras falaram que mudaram de postura após uma conversa dele do segundo para o terceiro set. A torcida carioca deve ter comemorado a decisão, ainda mais depois de o próprio Bernardinho ter comentado no começo da temporada ao Diário de São Paulo, se não me engano, que estava cansado e que seguiria só com um dos times, a Unilever ou a seleção. Mas ainda assim, era uma decisão esperada. Ary Graça já tinha dito que seguiria no time nacional, e não o imagino fora da Unilever. Alguém imagina?

A semana ainda deve render mais assuntos, afinal, a decisão da Superliga masculina será no domingo, no Maracanãzinho. Eu sigo nas minhas “quase férias” e, por isso, posso ficar um pouco distante nos próximos dias. Mas volto para a final RJX x Sada/Cruzeiro!

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013 O nome da Superliga, Superliga | 12:34

O nome da Superliga: Fernanda Garay

Compartilhe: Twitter
Fernanda Garay

Fernanda Garay - ponteira do Soollys/Nestlé

Depois de abrir a série “O nome da Superliga” com William, a personagem desta semana é Fernanda Garay. A jogadora, que chegou ao Sollys/Nestlé nesta temporada, foi maior pontuadora em algumas partidas, já levou título de melhor da rodada e, no momento, é a melhor atacante da Superliga feminina, com 28,13% de aproveitamento.

Garay está em uma crescente. Na seleção, ela começou as Olimpíadas de Londres como reserva e conquistou o lugar de Paula Pequeno ao longo do torneio. No Sollys/Nestlé, ajudou muito no começo da temporada, quando o time não contou com Sheilla. A oposto perdeu as finais do Paulista e o começo da Superliga e caberia às mais experientes dividir a responsabilidade em quadra. Com isso, Jaqueline virou uma segurança e Fernanda Garay também ganhou mais espaço. Ela foi crescendo, recebendo bolas e se firmando com uma bela opção no ataque de Osasco.

A atacante tem estilo próprio de bater na bola. Ela se curva ao atacar e costuma não aliviar a pancada. E tanto na seleção quanto no Sollys, ela pode dividir a responsabilidade do fundo de quadra com Jaqueline, que teoricamente e a ponteira passadora. Com isso, acaba ainda mais solta para atacar. Ela está amadurecendo em quadra e ainda pode, sim, ajudar mais no fundo. Já vi alguns jogos que ela foi alvo do saque rival e não contribuiu muito. Mas acho que ela já tem os seus méritos em quadra.

O melhor jogo de Fernanda Garay até aqui foi a vitória sobre o Sesi no primeiro turno. O Sollys/Nestlé marcou 3 sets a 2 e a ponteira assinalou 36 pontos, igualando Karen Rodrigues como a maior pontuadora em um jogo da Superliga (a marca da ex-jogadora era de 98/99). Agora, o Sollys encara mais uma vez o Sesi nesta semana. Será mais um jogo comandado por Garay? Façam suas apostas e comentem por aqui!

Autor: Tags: , , ,

sábado, 26 de janeiro de 2013 Superliga | 08:42

Rodada de vitória suada do Amil e surpresa do Pinheiros

Compartilhe: Twitter

*atualizado às 14h30

Divulgação

Andrea, do Pinheiros, encara o bloqueio do Sollys/Nestlé

A quarta rodada do returno da Superliga começou com uma surpresa e acabou tarde na sexta-feira. Primeiro, o Pinheiros, na zebra até aqui da competição, venceu o Sollys/Nestlé. Depois, o Vôlei Amil penou, levou o jogo ao tie-break e só no quinto set venceu o Sesi em casa. Que rodada!

Quando vi na tabela que seria dia de Sollys/Nestlé x Pinheiros, não tive como evitar o pensamento de que seria mais uma vitória do time de Osasco. O retrospecto das duas equipes e os elencos apontavam para isso. Mas se de um lado a bicampeã olímpica Sheilla, titular em dois sets, marcou apenas 3 pontos, do outro a líbero Leia fez uma partida de dar inveja.

Com defesas lindas da sua líbero, o Pinheiros mostrou volume e acabou com a paciência do Sollys. Depois de tanto atacar e a bola não cair, elas perderam e a concentração e a partida por 3 sets a 1 (25/16, 28/26, 20/25 e 25/19). E o Pinheiros não apenas defendeu, como sacou bem. O time da capital paulista marcou 11 pontos em aces. Isso mesmo, foram 11 pontos diretos de saque! Que número invejável.

Do lado do Sollys, se Sheilla não aparece bem nos números, quem assume a responsabilidade é Fernanda Garay, maior pontuadora com 17 acertos. No Pinheiros, destaque para Ellen, com 24 bolas no chão. Pelo elenco, experiência, investimento e tudo mais, o resultado foi uma zebra. Mas que deve ter dado um ânimo e tanto aos Pinheiros, ah, isso deve!

Para fechar a rodada, Vôlei Amil recebeu o Sesi. Pelo primeiro set, vencido pelo time da casa com bom saque e 6 a 2 no bloqueio, poderia se pensar em um jogo mais simples. Nada disso. A partida foi resolvida apenas no tie-break, com vitória do Campinas (25/17, 23/25, 15/25, 25/23 e 15/13), e mostrou algumas coisas…

No Sesi, Tandara cresce como a atacante de definição. Foram 28 pontos dela na partida, soltando o braço do começo ao fim. Mas ainda acho que Fabiana não está rendendo o que pode. Ok, ela marcou 12 pontos, mas poderia ser uma segurança a mais para a levantadora Dani Lins. Quem tem aparecido mais pelo meio é a outra central, a jovem Bia, que foi grande no bloqueio.

Divulgação

Sistema defensivo funcionou e o Vôlei Amil cresceu no bloqueio contra o Sesi

No Vôlei Amil, Daymi Ramirez e Suellen chamaram a atenção. A cubana é aquela atacante que chama o jogo, mas mostrou que também sabe bloquear. E a líbero, criticada pelo peso e por falta de agilidade em alguns momentos, teve uma atuação e tanto na defesa. Ela quase sempre estava na posição certa na quadra. E também recuperou bolas no reflexo e na agilidade. Foi merecida a escolha da líbero como a melhor em quadra.

O jogo foi bom. O Sesi poderia ter liquidado em 3 a 1 depois de se recuperar. Se no primeiro set não se achou no bloqueio, no terceiro seu um passeio e marcou 7 a 1 no fundamento na parcial. Entretanto, desacelerou no set seguinte, viu o Vôlei Amil voltar a bloquear e continuar defendendo bem e acabou tendo que decidir no 5º set. Aí, melhor para as donas da casa.

De tanto que Zé Roberto reclamou, o seu time se acertou na defesa. Várias bolas subiram e os contra-ataques entraram. Mas acho que isso não deve fazer o Sesi abaixar a cabeça. O time vem, sim, melhorando no returno e, apesar da primeira derrota, errou menos e fez uma boa partida. Talvez falta equilibrar mais a distribuição no ataque e deixar Dani Lins com o passe mais redondo. Mas um time que passa um set inteiro sem nenhum erro, como foi na terceira parcial, também merece méritos.

Enfim, foi uma bela rodada! Na classificação, Unilever segue líder após vitória sobre o Usiminas. Mesmo com a derrota, o Sollys/Nestlé é o segundo, com o mesmo número de pontos do Banana Boat/Praia Clube, que levou um susto e só bateu o São Caetano por 3 a 2. Agora, o Vôlei Amil é o quarto colocado, seguido pelo Sesi. E daqui a pouco tem mais vôlei, com a Superliga masculina… Tá bom para um feriadão?

P.s.: viram a virada do Sesi para cima do RJX na manhã deste sábado? Placar foi 3 sets a 2 (21/25, 22/25, 25/20, 26/24 e 15/12), com destaque para Lorena, maior pontuador com 26 bolas no chão e Everaldo, levantador que entrou no segundo set no Sesi e não saiu mais. Com isso, o time paulista ajudou o Sada/Cruzeiro na corrida pela liderança. O RJX ainda está dois pontos na frente na tabela, mas os mineiros jogam neste sábado…

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013 Superliga | 15:44

Bloqueio e Garay ajudam, e Sollys se recupera no returno

Compartilhe: Twitter

Vôlei Amil x Sollys/Nestlé foi o principal jogo da primeira rodada do returno da Superliga feminina 2012/2013, encerrada na noite de terça-feira. As atuais campeãs havia perdido para o elenco de Campinas na estreia na competição e vinham de outra derrota, para o Unilever. Contando mais uma vez com o elenco completo, o time de Luizomar de Moura se acertou no bloqueio e venceu por 3 sets a 0.

Divulgação

Festa do Sollys/Nestlé na vitória em Osasco

O fundamento foi o diferencial para o Sollys/Nestlé. Elas marcaram 12 pontos no bloqueio e levaram sete. Além disso, viram o Vôlei Amil se perder em algumas jogadas mesmo depois de começar o primeiro e o terceiro sets com vantagem no marcador  (o que rendeu críticas do técnico José Roberto Guimarães) . E o time de Osasco logo tirou essas vantagens e equilibrou e virou o jogo. Fernanda Garay estava em uma noite inspirada, fez 18 pontos, inclusive o último da partida, com um bloqueio (olha o fundamento fazendo a diferença).

Veja mais detalhes da primeira rodada do returno da Superliga feminina

O Vôlei Amil tem que tomar cuidado para não se perder em quadra, com já aconteceu mais de uma vez. Elas recuperam a bola, mas demoram a definir o ponto. Já no Sollys, a tendência é embalar porque, finalmente, o time está completo. Sheilla e Adenízia estão de volta ao elenco titular e são ajudas e tanto para a equipe. Ivna substituiu bem a oposta e colabora mais inversões, mas não tem a experiência da bicampeã olímpica. E Adenízia faz o contraponto das centrais com Thaísa. Enquanto a loira é mais forte, ela é mais ágil e rápida no ataque.

O restante da primeira rodada foi como o esperado. Unilever, líder da competição, bateu o São Caetano. Já o Sesi passou pelo Pinheiros. O Rio do Sul fez um jogo duro e venceu o Usiminas/Minas no tie-break. E, como já falamos aqui, o Banana Boat/Praia Clube abriu o returno passando pelo lanterninha São Bernardo.

Que venha a segunda rodada. E mais uma vez o Vôlei Amil estará no jogo em destaque, encarando o Unilever no Maracanãzinho. Quem leva a melhor no segundo Bernardinho x Zé Roberto? No primeiro tudo quem venceu foram as cariocas…

Autor: Tags: , , , , , ,

terça-feira, 15 de janeiro de 2013 Superliga | 08:00

De volta à Superliga depois de uns dias de folga

Compartilhe: Twitter

Galera, estava de folga na última semana depois do plantão de final de ano e para voltar o nosso bate-papo por aqui vamos falar do primeiro turno da Superliga? No masculino, o RJX foi  líder e Sesi conseguiu uma boa recuperação. Já no feminino, Banana Boat/Praia Clube conseguiu se impor entre Unilever e Sollys/Nestlé. Além disso, as estrangeiras foram destaque.

Superliga feminina

Herrera - Divulgação/CBV

Cubana Herrera é destaque do Praia Clube e líder nas estatísticas da Superliga 2012/2103

O returno para as mulheres começou na noite de segunda-feira com mais uma vitória do Banana Boat, que marcou 3 a 0 para cima do lanterninha São Bernardo. E o time mineiro é uma boa surpresa desta Superliga. Comandado pela cubana Herrera, maior pontuadora desta edição até agora, a equipe perdeu apenas para Sollys e Unilever por enquanto e, com o resultado da segunda, assumiu provisoriamente a ponta. A rodada segue nesta terça-feira.

Ainda falando do primeiro turno, quem havia acabado na liderança foi o Unilever, que acertou nas contratações das estrangeiras. A canadense Sarah Pavan aos poucos assumiu a função de oposta de segurança e já é a segunda na lista de pontuadoras do torneio. A norte-americana Logan Tom vem desequilibrando no saque e é a melhor na função. Bernardinho sanou os problemas da temporada passada, quando sofreu com lesões e tinha poucas opções no banco e segue firme entre os favoritos.

Ainda entre os líderes na primeira metade da competição ficou o atual campeão Sollys/Nestlé. E elas sofreram com lesões. Sheilla perdeu o começo do torneio depois de fraturar um dedo do pé, Camila Brait teve lesão na coxa e ficou fora de alguns jogos e Adenízia se recuperou de fratura na mão e só voltou na última partida do turno, na derrota por 3 a 2 para as cariocas do Unilever. Enquanto isso, Fernanda Garay apareceu como uma boa alternativa. Ela já é a terceira na lista de pontuadoras e repete a posição entre as atacantes. Agora, com o time completo, veremos o Sollys/Nestlé apontado como favorito em quadra no returno.

Em quarto lugar no turno ficou o Vôlei Amil e aqui voltamos a falar as estrangeiras. Antes de chegar, a búlgara Vasileva era apontada como a jogadora que seria a referência no ataque. Ela veio para o elenco e honrou as expectativas e é a melhor atacante da Superliga. A ponteira de mais de 1,90 ataca na força e merece e liderança nas estatísticas. Por enquanto, as comandadas por José Roberto Guimarães têm apenas duas derrotas e seguem no ‘bolo’ das primeiras colocadas.

Que continue o segundo turno, mas já temos uma Superliga feminina mais equilibrada do que nas outras edições.

Superliga masculina

RJX - Divulgação/CBV

RJX fechou o primeiro turno da Superliga masculina na liderança

Os jogos do masculino seguem a partir de quarta-feira e, na primeira parte da competição, o RJX ficou com a liderança isolada, com apenas duas derrotas após 11 rodadas. E a primeira dela veio já no final do turno, com 3 a 2 diante do Medley/Campinas. Depois, um surpreendente 3 a 0 para o Canoas. No domingo, vitória sobre o Super Imperatriz para garantir a ponta. O time carioca conta com Lucão como melhor bloqueador e boa fase de Théo como oposto. Além disso, Dante está atuando mais depois de tantos problemas no joelho. E nos jogos que perdeu, principalmente contra o Canoas, caiu por causa dos seus erros .

Em segundo lugar na tabela ficou o Sada/Cruzeiro, atual campeão. O time mineiro fez uma boa contratação para a temporada: o cubano Leal, que vem bem ao lado de Wallace no ataque e é o melhor na função. E William faz mais uma boa campanha, como o destaque na função. Tem três derrotas, mas para times a altura (RJx, Sesi e Medley/Campinas). Segue como candidato ao título.

E quem se recuperou na tabela foi o Sesi. Depois de começar com três derrotas seguidas e uma vitória contra o então lanterninha UFJF, a equipe paulista voltou a tropeçar diante do RJX. Aí veio o Sada/Cruzeiro e a nova fase. O time marcou 3 a 0 e não perdeu mais. No começo, sofreu com lesões, como as dores de Murilo e Sidão, as câimbras de Lorena e a pubalgia de Éder, último de voltou ao time. Com elenco completo, ficou mais mais fácil se encontrar e se recuperar, encerrando o turno em terceiro lugar.

Completam a lista dos oito primeiros que seguiriam aos playoffs se a classificatória já tivesse acabado Canoas, Medley/Campinas, Vivo/Minas, São Bernardo e Vôlei Futuro. Desses, aposto nos dois primeiros. Canoas foi bem montado, com atletas experientes e os campineiros já deram trabalho aos ‘grandes’.

A Superliga masculina segue nesta quarta-feira, com o primeiro jogo do returno, entre Sesi e Medley/Campinas.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , ,

quinta-feira, 13 de setembro de 2012 Diversos | 10:29

Entrosadas x novatas e um Zé Roberto incomodado no clássico

Compartilhe: Twitter
Sollys/Nestlé x Vôlei Amil

Sollys/Nestlé foi bem no bloqueio e na virada de bola para vencer o Vôlei Amil

A noite de quarta-feira foi de clássico no Campeonato Paulista. De um lado, o Sollys/Nestlé, atual campeão brasileiro. Do outro, o Vôlei Amil, time criado nesta temporada e que tem no comando José Roberto Guimarães. E no duelo entre quem está mais entrosado e quem acabou de se formar logo no começo da temporada, venceu o entrosamento, com folga.

O time de Osasco fez 3 sets a 0 para cima das rivais de Campinas (25/18, 25/23 e 25/17), em 1h18min. A equipe é a base da seleção brasileira, já que conta com Thaísa, Adenízia e Jaqueline, além de Fabíola e Camila Brait, que passaram pelo time nacional, e Sheilla e Fernanda Garay, que chegaram na última janela de mercado. O elenco de Campinas tem experientes como Fernandinha, Walewska e a cubana Daymi Ramires, sem falar no técnico Zé Roberto no banco. Mas a diferença foi que o Sollys/Nestlé, mesmo no começo da temporada, já está ‘redondinho’ e sabe jogar junto. Já o Campinas tem potencial, mas ainda está de conhecendo.

E esse ‘saber jogar junto’ fez a diferença, como é o esperado. O Sollys trabalhou com a bola na mão e pode usar e abusar das bolas de meio com Thaísa e Adenízia. Além disso, com fez vários pontos no bloqueio, principalmente no primeiro set. A virada de bola com Sheilla, Fê Garay e Jaqueline também funcionou. O Vôlei Amil ficou atrás em todos os sets e ainda precisa se encaixar mais em quadra. Já o Sollys tem que diminuir os erros de ataque, mas deve aproveitar que já começa a temporada um passo a frente dos rivais.

E Zé Roberto ainda viveu uma situação, digamos, desagradável em quadra. Em conversa ao iG e ao Mundo do Vôlei na tarde de quarta-feira, ele comentou um incômodo por enfrentar as ex-comandadas da seleção. “É ruim, é muito duro. Eu não gosto. É uma sensação muito difícil. Mas tem que jogar e cada um vai tentar fazer o melhor pelo seu time. Tem que saber separar. Uma coisa é dentro da quadra e outra coisa é fora. A gente tem que manter o respeito nos dois recintos. Lá dentro a gente vai fazer tudo pela nossa equipe. Depois acaba o jogo e é vida que segue e tudo fica dentro da quadra.”, comentou.

O técnico já havia ‘sofrido’ na rodada anterior, na vitória sobre o Sesi, que contava com Dani Lins, Tandara e Fabiana. E sabe que, agora de volta a um time brasileiro, passará por isso muitas e muitas vezes.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , ,

domingo, 24 de junho de 2012 Seleção feminina | 10:49

Brasil vence segundo teste e vai para as finais do Grand Prix

Compartilhe: Twitter

A seleção brasileira feminina teve dois bons testes na primeira fase do Grand Prix. Em casa, jogou contra os Estados Unidos, um time bem equilibrado e já pronto para as Olimpíadas, e perdeu. Agora, neste domingo, encarou a China na casa das rivais precisando do triunfo para chegar às finais da competição. A equipe cumpriu o seu papel e marcou 3 sets a 0 no placar. O Brasil ainda teve falhas, mas soube lidar com a pressão e avançar no torneio.

No sábado, Sheilla disse logo depois de passar por Porto Rico que o saque seria importante contra a China. Ela tinha toda a razão. Como a recepção chinesa é fraca! O saque brasileiro nem precisava ser forçado que já quebrava o passe rival. Méritos para a seleção, que soube usar esse recurso muito bem no primeiro set e também no terceiro. Sem passe, o ataque chinês ficou previsível e o bloqueio nacional agradeceu, marcando 15 pontos no jogo.

Veja como foi a vitória do Brasil sobre a China set a set

Entretanto, o Brasil também teve seus erros. Venceu o primeiro set muito bem, com facilidade, mas não entrou embalado na parcial seguinte e aí apareceram as falhas do lado de cá na recepção. Jaqueline falhou, Fabi falhou, Fernanda Garay falhou. Com isso, a China passou a bloquear mais. E também marcou mais aces: 4 a 2. Mas a seleção conseguiu se acertar e fechar o set. O mesmo aconteceu na terceira parcial.

Outro ponto a ser trabalhado são os contra-ataques. O Brasil cresceu na defesa, recuperou lindas bolas, mas errou na finalização diversas vezes. Na última parcial, por exemplo, foi um contra-ataque com três bolas para Sheilla e nenhuma no chão. Depois, três bolas para Jaqueline em outro rali e, mais uma vez, nenhuma definição. As bolas recuperadas tem que ser melhor aproveitadas.

Mas acho que o jogo deste domingo valeu a pena. Zé Roberto já está desenhando o que pretende usar nas Olimpíadas e, repetindo a escalação, todas ganham mais ritmo e entrosamento (as defesas mostram isso). Fernanda Garay pode ter falhado no fundo, mas entrou muito bem na rede, soltando o braço, e também dando um ânimo a mais ao time. Mesmo jogando apenas dois sets, ela foi a maior pontuadora, ao lado de Jaqueline, com 12 acertos. Thaísa fez uma boa primeira fase, voltando a ter um saque que mostrou resultado e resolvendo no ataque e no bloqueio. E hoje o técnico usou as duas liberos. Fabi fazia a recepção e Camila Brait, a defesa. Acho que ajudou, principalmente no final da partida, quando a seleção parecia mais ligadas nas coberturas e determinada e vencer logo.

O duelo valeu também pela classificação e por ver o Brasil cumprir o que precisava, ou seja, entrar, vencer e somar três pontos. Participar de mais jogos dará mais tempo para o time se preparar para Londres e seguir com os testes, como esse das líberos. E será a chance de encontrar, ou reencontrar,  times que serão rivais lá em Londres, como Turquia, Estados Unidos…Acho que agora, é mais importante colocar o time à prova em uma fase final de Grand Prix do que passar o tempo apenas treinando em Saquarema. Vai ser bom para o Brasil passar por mais partidas, sentir mais a pressão do resultado e ganhar mais tempo em quadra até as Olimpíadas.

Autor: Tags: , , , , , , ,

sexta-feira, 6 de abril de 2012 Superliga | 23:29

E a final será Unilever x Sollys mais uma vez…

Compartilhe: Twitter

Começa Superliga, termina Superliga e uma coisa não muda: a final. Pela oitava vez consecutiva Unilever vai encarar o Sollys/Nestlé na decisão do torneio nacional. O time do Rio Janeiro venceu o Vôlei Futuro agora há pouco por 3 sets a 0 e avançou à briga pelo título.

Unilever

Juciely ajudou no bloqueio da Unilever. Fundamento fez a diferença mais uma vez

Leia mais detalhes do jogo: Unilever vence Vôlei Futuro e vai a mais uma final de Superliga

E depois de um 3 a 0 no qual só o Unilever jogou e outro jogo decidido no tie-break para o Vôlei Futuro, a partida desta noite começou um pouco devagar. Ninguém atacava a bola de verdade! Era largada de um lado e largada de outro. Aos poucos, as largadas do Unilever cairam mais e o time venceu o primeiro set.

O cenário começou a mudar na segunda parcial. De um lado, Sheilla passou a soltar o braço. Do outro, Paula Pequeno e Fernanda Garay também começaram a atacar mais. O Vôlei Futuro cresceu, liderou, mas falhou. Quando tinha a vantagem e podia decidir e empatar o jogo, pecou nas finalizações e levou a virada e saiu, de novo, derrotado.

Ainda havia o terceiro set, mas o Vôlei Futuro demorou a voltar para a quadra e levou um 7 a 1. Elas até empataram, mas aí o jogo voltou a ser como na primeira partida da série, com o bloqueio do Unilever marcando presença. Foram três pontos em sequência no fundamento no finalzinho da parcial, mais uma vitória, final de jogo e a vaga na decisão. Amanda, que saiu do banco para ajudar no fundo, acabou aparecendo também na rede e foi destaque da partida.

Ninguém estava no auge do ataque nesta noite. Mari pouco apareceu. Sheilla demorou a virar de verdade. Joycinha também mais aliviou do que soltou o braço. Os passes quebrados dos dois lados ajudaram para isso. Mas se não dá para decidir no ataque, a opção é decidir no bloqueio. Parece que foi essa a tática adotada pelo Unilever e que já deu certo em outros jogos da Superliga. O time de Bernardinho pode sofrer na recepção e, muitas vezes, depender do talento de Fernanda Venturini (apesar de eu achar que ela não foi tão bem nesta sexta-feira), mas está se mostrando uma potência e tanto no bloqueio, marcando muito bem os rivais. E o Vôlei Futuro ajudou, sendo pouco agressivo nos momentos decisivos. E lá vamos nós para mais um Rio x Osasco na decisão…

Autor: Tags: , , , , ,

domingo, 18 de dezembro de 2011 Superliga | 12:38

Vôlei Futuro parece ter acertado a mão nesta temporada

Compartilhe: Twitter
Fernanda Garay - Divulgação/CBV

Fernanda Garay é um destaques do Vôlei Futuro na temporada

Pelo menos por enquanto, depois de três rodadas na Superliga, parece que os times do Vôlei Futuro acertaram a mão, principalmente entre as mulheres. A equipe equilibrou forças, ficou mais experiente e, além de liderar o torneio nacional, é o único que ainda não perdeu nenhum set.

O nome da terceira rodada, depois da vitória sobre o BMG/São Bernardo, foi Fernanda Garay, reforço do Vôlei Futuro na temporada. Ela foi a melhor jogadora em quadra na sexta-feira e segue o bom momento vivido desde o começo do ano, com a convocação para a seleção. Garay ajuda no passe e também é uma força no ataque, ao lado de Paula Pequeno, que entrou neo meio do jogo contra o São Bernardo e fez a diferença. Bela contratação de Garay e boa fase de Paula.

E falando em passe, Walweska, nova central, é uma das poucas meios que também fazem fundo. E ter a bola na mão ajuda Ana Tiemi e Ana Cristina, as duas levantadoras. Aí está mais uma vantagem para a temporada. No ano passado, Alisha Glass era a aposta, mas a norte-americana teve uma lesão e voltou para os EUA. Agora, o time tem duas jogadoras na posição.

O banco também teve uma mudança. Paulo Coco no lugar de William. E ele tem um time mais experiente e mais equilibrado em quadra. Apesar de na Superliga ainda não ter encarado as potências, venceu o Paulista diante do Sollys/Osasco com o time o completo.

Depois de uma temporada que era esperado pelo menos a final, o Vôlei Futuro melhorou e parece ter acertado a mão. No masculino, o perfil foi adotar jogadores bons, mas fora da seleção, como Lorena e Piá, e ter o time todo o ano todo. Eles também seguem invictos depois dos 3 a 1 sobre o Londrina na noite se sábado, mas aparecem em terceiro na classificação. Mas a Superliga masculina fica para o próximo post.

Autor: Tags: , , , ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. 3
  5. Última