Publicidade

segunda-feira, 5 de agosto de 2013 Seleção feminina | 12:50

Estreia com viradas, pressão e 100% para Brasil no Grand Prix

Compartilhe: Twitter

A seleção brasileira feminina fechou o primeiro final de semana do Grand Prix com três vitórias em três jogos. A equipe passou por Polônia, Rússia e Estados Unidos com três viradas. Muitos falam que é bom começar um torneio aos poucos e pegar rivais em uma crescente para se adaptar, mas também vale a pena já estrear com rivais complicados. E fica melhor ainda se passar no teste.

Mais sobre vôlei de quadra? Curta a página do blog Mundo do Vôlei no Facebook

Divulgação/FIVB

Festa do Brasil na vitória sobre os EUA para fechar a primeira semana no Grand Prix

Nos três jogos, o Brasil cometeu diversos erros no primeiro set e demorou a se acertar na relação saque e bloqueio. Depois, como Fabiana comentou em uma das coletivas pós-jogo, o serviço passou a funcionar e os outros fundamentos também melhoraram. O passe, em alguns momentos, ainda é um problema. Contra o bloqueio alto desse primeiro final de semana, a seleção se deu bem quando conseguiu fazer suas jogadas de meio, ou seja, quando o passe entrou.

Além de melhorar o começo dos jogos, é bom também cuidar desse fundo. Mas o time mostrou que consegue encarar a pressão, virando jogos diante de rivais complicados e bons tecnicamente. Sim, a equipe nacional teve falhas, mas soube como consertá-las a tempo em todas as partidas.

Fernanda Garay foi a maior pontuadora em todos os jogos e diante dos Estados Unidos dividiu o posto com Gabi. Garay virou uma referência nessa seleção desde que entrou bem nas Olimpíadas de Londres. Já Gabi, caçulinha do time, mostrou personalidade e ganhou elogios do técnico José Roberto. Foi titular o tempo todo e não se intimidou mesmo sendo alvo no saque e muitas vezes caçada no bloqueio. Chegou bem ao time.

Leia mais sobre os jogos do Brasil no Grand Prix:

O Brasil, e todo mundo, começou a renovação em suas seleções. Por aqui, há ressalvas, mas o caminho parece interessante. O time ficou um pouco mais baixo com Monique como oposta ou Juciely como central. Mas a meio-de-rede, por exemplo, ajudou no jogo tenso diante das russas e surpreendeu as rivais. Acho que a vantagem é ter jogadoras em quase todas as posições. Na ponta, além de Gabi, tem Priscila Daroit no banco e ela foi destaque nos primeiros torneios que a seleção ganhou na temporada. No meio, tem Juciely que vai brigar com Thaísa, Fabiana e Adenízia. No fundo, Camila Brait é a sucessora de Fabizinha. A notícia ruim ficou por conta de Fabíola, que por problemas pessoais pediu dispensa da seleção. Ela pode fazer falta nos próximos jogos… Vamos ver como Claudinha estreia na equipe.

Siga também a página do Mundo do Vôlei no Twitter

A seleção brasileira viaja agora para Porto Rico e encara a República Dominicana na próxima sexta-feira. Depois, joga contra a Bulgária e fecha a segunda semana diante das donas da casa.

P.s.: galera, quem me segue no Twitter ou no Facebook viu meus comentários sobre problemas por aqui. O blog está bastante instável desde a semana passada, mas a tecnologia daqui do iG está tentando resolver. Portanto, se me ausentar mais do que o normal, já sabem o motivo!

Autor: Tags: , , , , , ,

2 comentários | Comentar

  1. 22 camila 09/08/2013 16:18

    Estou gostando dessa seleção renovada, apesar de achá-la extremamente dependente da Garay. É bom todo mundo saber que não existe lugar garantido, nem mesmo para craques do calibre da Sheilla(que não está num bom ano) ou da Thaísa. Se mantivermos o nível de jogo apresentado no Brasil, temos tudo para sermos as campeãs do Grand Prix.

  2. 21 Alan Jorge 06/08/2013 7:39

    Oi Aretha tudo bem? Assisti os jogos da seleção esse fds as vezes não entendo certas decisões do nosso Tecnico Zé Roberto, embora tenha ganhado a Medalha de ouro na ultima olimpíada, acho que já passou seu tempo no comando da seleção, sei que as meninas Monique e Gabi são ótimas e tudo mais, mas não pra serem titulares absolutas, até concordo entrar pegar uma experiência e tudo mais, mas tirar a Sheila,Fabi e outras, realmente não sei. Acho que isso é tirar a confianças dessas mais experientes que ainda podem jogar uma ou mais olimpíadas. Sei que é uma renovação, mas que o Brasil tem q fazer isso aos poucos, não sei se estou certo ou errado o que vc acha?

    • Aretha Martins 08/08/2013 14:42

      Oi, Alan

      Sheilla, Fabiana e companhia estão fora, ou jogando menos, apenas nesse começo de ciclo olímpico. Acho que agora é o momento mesmo de testar e arriscar nova jogadoras para daqui a pouco, já ter o time de fato que vai para as Olimpíadas do Rio, um time que mescle experientes e quem se der bem das novatas…

      Abs e continue comentando por aqui

  1. ver todos os comentários

Os comentários do texto estão encerrados.