Publicidade

Arquivo de maio, 2013

quinta-feira, 30 de maio de 2013 Seleção feminina | 16:28

Brasil melhora e vence Rússia em dia de Pri Daroit

Compartilhe: Twitter

*atualizado dia 31 de maio, às 18h03

A seleção brasileira feminina de vôlei fechou a primeira fase da Mountreux Volley Masters com três vitórias e todas por 3 sets a 0. Talvez no post da vitória de quarta-feira, sobre a China, tenha sido exigente demais querendo ver logo o time mais bem encaixado e errando menos. Mas nesta tarde as brasileiras realmente se mostraram concentradas, entregaram apenas três pontos nos dois primeiros sets e soube se segurar para liquidar a partida na terceira parcial. Boa evolução!

Leia mais detalhes da partida

Zé Roberto repetiu suas titulares, com Dani Lins, Juciely, Adenízia, Fê Garay, Pri Daroit, Monique e Camila Brait. Nos dois primeiros sets, domínio e logo os 25 pontos no placar. Aqueles erros de recepção que incomodaram nos primeiros jogos voltaram a aparecer na terceira parcial e a Rússia, pela primeira vez, liderou o placar. Mas no final, o Brasil colocou uma bola não com Pri Daroit, que fez um ace logo em seguida, se segurou e fechou no erro de saque das rivais.

Mais notícias, transações de mercado e bastidores? Curta também a página do Mundo do Vôlei no Facebook

Falando em Pri Daroit, foi o dia dela. A ponteira foi a maior pontuadora, com 17 pontos. Ela mostrou regularidade no ataque e está se saindo muito bem nesses primeiros testes. Além disso, tem um bom saque. Lembram dela no Grand Prix do ano passado, aqui em São Paulo, entrando nos finais dos sets e decidindo no serviço?

Siga também o Mundo do Vôlei no Twitter

Outra que vem agradando é Monique. Com dores no ombro direito, Tandara nem está sendo relacionada para a competição. Entretanto, a oposto do Praia Clube é mais uma firme no ataque, ágil, e bem com as levantadoras. Boa estreia na seleção!

E acho bom também Zé Roberto ter mexido pouco no time. Esse começo de temporada é o momento de testar, claro, mas também vale a pena deixar um grupo em quadra para que elas se entrosem e ganhem ritmo juntas aos poucos. Nesta quinta, a única mudança foi com a entrada de Suellen no saque. O resto ficou igual e o Brasil teve a sua melhor apresentação no torneio.

Que venha a semifinal! A seleção feminina vai encarar a República Dominicana na briga por um lugar na final. A partida será neste sábado, às 13h30 (horário de Brasília). Na outra semifinal o duelo será entre Rússia e Itália.

Autor: Tags: , , ,

quarta-feira, 29 de maio de 2013 Seleção feminina | 20:01

Seleção feminina e o time juvenil da China

Compartilhe: Twitter

O segundo jogo do Brasil na Montreux Volley Masters foi diante da China, nesta quarta-feira. Só que em quadra, nada daquele time de conhecidas como Yimei Wang. Longe disso. Antes mesmo da partida, Sheilla comentava nas redes sociais: “Detalhe, a jogadora mais velha da seleção chinesa tem 19 anos!!! To velha mesmo!!!”. Pois bem, a rival da seleção era equipe juvenil do país asiático, que usa o torneio como preparatório para o Mundial da categoria. E o resultado foi mais uma vitória para o Brasil, como o esperado por atuar com sua seleção adulta, mas de novo com erros.

Mais notícias, transações de mercado e bastidores? Curta também a página do Mundo do Vôlei no Facebook

Logo de cara, a China saiu na frente e marcou uns cinco pontos em erros do Brasil. O segundo set, por exemplo, teve algumas viradas no placar. Ok, posso estar sendo exigente demais, mas não dava para esperar mais do time brasileiro, mesmo que no comecinho da temporada, diante de uma equipe juvenil?

O placar foi de 25/19, 27/25 e 25/23. Pri Daroit e Fê Garay comandaram os ataques do Brasil. O bloqueio também fez a sua parte, com 12 pontos contra quatro das chinesas. O Brasil venceu porque, mesmo a esta altura, é mais time e tem técnica. Está sofrendo com erros (21 nos três sets) e com a a falta de entrosamento. Isso vem com o tempo, não tem jeito, afinal, Zé Roberto mexeu um pouco no time. Agora tem de novo Pri Daroit, tem a estreia de Monique, volta de Fabíola…

Siga também o Mundo do Vôlei no Twitter

Com o resultado, o time nacional está na semifinal e encara a Rússia nesta quinta-feira. Se vencer, fica com a primeira colocação do grupo. Dá para esperar menos erros dessa vez?

Autor: Tags: , , , ,

terça-feira, 28 de maio de 2013 Seleção feminina | 18:22

Erros na recepção, mas dever cumprido na estreia

Compartilhe: Twitter

A seleção brasileira feminina venceu a Suíça nesta tarde, na primeira partida da temporada, na estreia na Montreux Volley Masters. O placar foi de 3 sets a 0, com parciais de 25/21, 25/23 e 25/10. O time teve muitos erros na recepção, quase se complicou no segundo set, mas cumpriu o dever na estreia, de vencer sem perder nenhuma parcial.

Mais notícias, transações de mercado e bastidores? Curta também a página do Mundo do Vôlei no Facebook

Divulgação

Dani Lins comemora vitória na estreia com as companheiras da seleção

A recepção realmente foi o problema da equipe. No segundo set, por exemplo, o Brasil marcou 21 a 15 e empacou, sem conseguir nenhuma bola na mão de Fabíola, que havia entrado na inversão de 5-1. Sim, era só o primeiro jogo, tinha tensão da estreia e tal, porém foram erros demais. É o primeiro ponto a ser melhorado, sem dúvida.

Já o terceiro set foi uma lavada da seleção, que se impôs no saque com Pri Daroit e deslanchou de vez. Não dava para comparar muito os times na técnica. Era só ver a posição do bloqueio brasileiro, bem armado e a facilidade de ataques colocados, como as diagonais de Fê Garay. Mesmo na estreia, o Brasil é mais time, com variedade de jogadas e, por isso, dominou.

Siga também o Mundo do Vôlei no Twitter

O que deu para perceber desse jogo? Bom, além dos problemas na recepção, teve gente que pode ter sentido a pressão. Ellen fez uma Superliga e tanto pelo Pinheiros, mas não se achou muito em quadra. É nova, vai ter outras chances e logo deve corresponder. Já as gêmeas Monique e Michelle viraram quando solicitadas, assim como Pri Daroit. São três ainda novas na seleção, mas com experiência na base e isso pode ter ajudado.

Como disse, o Brasil cumpriu o seu dever. Venceu quem seria o rival mais simples e agora encara China e Rússia. Os jogos serão quarta e quinta, às 13h30 (horário de Brasília). Agora é usar o tempo e os jogos para se arrumar. Esse é só o começo do novo ciclo…

Autor: Tags: , , , , , ,

segunda-feira, 27 de maio de 2013 Seleção feminina | 19:09

Ano da seleção começa com mais novatas que veteranas

Compartilhe: Twitter

Começa nesta terça-feira mais um ciclo olímpico para a seleção feminina brasileira de vôlei. As comandadas por José Roberto Guimarães estreiam na Montreux Volley Masters diante da Suíça, às 16h (horário de Brasília). E para o início do trabalho, mais caras novas do que veteranas. Quem vai ser sair bem e se firmar na equipe para o ciclo que vai até 2016?

Veja os horários de jogos da Montreux Volley Masters

CBV

Tandara, Fê Garay e Ellen: mistura na seleção brasileira para começar o ciclo olímpico

As mais experientes são Dani Lins e Fabíola, Tandara, Fê Garay, Adenízia e Camila Brait. Já entre as novatas, tem gente que nem é tão nova assim na idade, mas que tem pouca rodagem da seleção, como Juciely. E outras como Claudinha, Monique, Ellen, Pri Daroit, Michelle, Letícia Hage e Suellen.

Mais notícias, transações de mercado e bastidores? Curta também a página do Mundo do Vôlei no Facebook

Primeiro as veteranas… Acho justa a volta de Fabíola ao time e, até agora, não entendi o seu corte para levar a Fernandinha para as Olimpíadas de Londres. Dani Lins cresceu em 2012, segurou o time em Londres e Fabíola fez de novo uma boa Superliga. Vale apostar nelas mais uma vez. Já Camila Brait tem tudo para mostrar o seu potencial sem ter que dividir o posto por enquanto com Fabi. A será a vez de Tandara aparecer como oposta. Ela também melhorou na Superliga, conseguiu ser a jogadora de segurança em diversos jogos, principalmente na segunda parte do torneio.

No lado das novatas, quero ver o desempenho de Claudinha. Como ela vai ser sair em um time grande, com mais responsabilidade. Ela vai trabalhar com Zé também no Vôlei Amil e pode ajudar nesse novo ciclo, afinal, o Brasil sofreu com levantadoras ultimamente. Dani foi fundamental em Londres, como já disse, mas isso foi uma boa surpresa.

Na posição de oposto, Monique deve colocar pressão em Tandara. Ela cresceu no Praia Clube e teve que ajudar o time quando Herrera se machucou. Já as ponteiras, quero ver Ellen, o rosto novo. A jogadora se destacou no Pinheiros, uma equipe com atletas pouco conhecidas, mas que deu trabalho. Ellen se mostrou forte no saque e consciente na rede, apesar de seus 1,79m. Vamos se terá chance na seleção e como ela se sai.

Siga também o Mundo do Vôlei no Twitter

CBV

Juciely tem 32 anos, mas é umas jogadoras da ala das menos experientes da seleção

Tem ainda as centrais. Juciely é baixa para a posição (1,84m), não é mais tão nova (tem 32 anos, 10 anos a mais que Letícia, outra central que vai para a Montreux), mas é veloz e excelente jogadora. As últimas Superligas deixaram isso bem claro. Ainda pode ser aproveitada por Zé Roberto. Pena que Bia e Angélica estão machucadas e não viajaram com a seleção. Bia, por exemplo, apareceu mais até que Fabiana no Sesi na última temporada. E Angelica foi mais um destaque do Praia Clube. Espero que ainda tenham chances.

Se há um momento para testar e colocar mais novatas que experientes em quadra é agora. E que a altura não seja um problema, porque essa seleção está um pouco baixa e, se ganha na velocidade, pode perder na marcação.

A Montreux é só o primeiro torneio da temporada e vale a pena já começar a mexer no time para ter tempo para pensar em formações, analisar desempenhos até ter um time lá no meio do ciclo que deve serguir até as Olimpíadas. Mais para frente, com Grand Prix e tal, as velhas conhecidas Sheilla, Thaísa, Fabiana e companhia devem voltar. Por enquanto, boa sorte para quem chegou! E bom desempenho para quem já estava no time!

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , ,

quarta-feira, 22 de maio de 2013 Superliga | 14:48

Brasil Kirin em Campinas e uma discussão sobre patrocínio

Compartilhe: Twitter

A Brasil Kirin, empresa de bebidas, é a nova patrocinadora da equipe de vôlei masculino de Campinas, como foi divulgado na terça-feira. Ótima notícia, afinal, é sempre bom saber que um time que chegou às finais de Superliga e Campeonato Paulista seguirá no cenário. E melhor ainda se for um contrato longo…

Curta a página do Mundo do Vôlei no Facebook

Saiu na imprensa que o contrato seria de quatro anos. Nesta manhã eu entrei em contato com o marketing do clube e eles não confirmaram, falando apenas que essa informação será dita na data de apresentação da equipe, no começo de junho. Mas quatro anos seria um bom período. Uma vez, conversando sobre isso com Fofão e Adenízia, elas citaram esse tempo como adequado para se formar e consolidar um projeto.

Siga também o Mundo do Vôlei no Twitter

Espero que o patrocinador venha para ficar no esporte. Não dá para, a cada temporada, trabalhar sob o medo de perder o apoio e ver o time fechar ao final do campeonato. E claro que patrocinador quer resultado, exposição da marca e tal, mas não dá para fazer cobranças com um ou dois anos de projeto. Que fique os quatro anos, ao menos!

Mas, no final, o que parecia ser um mercado bem ruim, ganhou bons ares. Campinas segue com a Brasil Karin e tem tudo para formar uma equipe competitiva, como vinha sendo. André Heller deve seguir, Alan está bem encaminhado e fala-se também de João Paulo Tavares, ex-Cimed. Vôlei Futuro vai continuar, Volta Redonda e São Bernardo também… Que venha a próxima Superliga!

Autor: Tags: , ,

segunda-feira, 20 de maio de 2013 Diversos | 17:45

Romance no vôlei: um mês do casamento da Sheilla

Compartilhe: Twitter

Sheilla usou as redes sociais nesta segunda-feira para comemorar um mês de casamento com Brenno Blassioli. A oposta da seleção brasileira e do Sollys/Nestlé se uniu ao assistente técnico do basquete do Pinheiro em uma cerimônia em Campos do Jordão, em São Paulo, e, agora, mostra um ensaio que fez antes da festa.

A jogadora usou o seu próprio vestido e provou cabelos e maquiagem em uma prévia do que seria o dia da noiva. Ela compartilhou o vídeo da produção nesta segunda-feira. Assista abaixo:

YES WEDDING Warm-up Bride com Sheilla Castro no Blend (Vídeo: Nando Federice) from YES WEDDING on Vimeo.

Sheilla também postou uma foto do dia da união em sua página no Instagram com a legenda: “Pra sempre!!! Parabéns pra gente!!! Primeiro mês!!!”. (O blog está com problema nas imagens.. portanto, aqui está o link da foto da jogadora)

E o momento é de romance nas quadras… Monique, oposto do Praia Clube e que também está na seleção, foi mais uma a comemorar um mês de casamento nesta segunda-feira com fotos nas redes sociais (mais uma vez, o link da foto da oposta).

Já Luciane Escouto, a miss do vôlei que defendeu a Unilever na temporada passada, ganhou aliança do namorado neste domingo e será mais uma em breve no time das casadas. Felicidades aos casais do vôlei!

Autor: Tags: , , ,

terça-feira, 14 de maio de 2013 Diversos, Seleção feminina, Superliga | 15:48

Amil anuncia Claudinha e líderes já têm suas 'cabeças'

Compartilhe: Twitter

O Vôlei Amil anunciou nesta terça-feira Claudinha como a levantadora para próxima temporada. Com isso, os líderes da última Superliga fecham as, digamos, cabeças de suas equipes. E acho que fizeram bons negócios.

Divulgação/ZDL

Claudinha é a nova levantadora do Vôlei Amil

O time de Campinas era justamente quem precisava de uma mudança. Zé Roberto apostou em Fernandinha, mas ela poderia ter mostrado mais. Ela sofreu com uma antiga dor nas costas e lesões e nem pode atuar em toda a temporada e, em alguns momentos, pecou nas decisões em quadra, sendo um pouco previsível. Pri Heldes entrou, e bem, em seu lugar, mas ainda é muito nova para assumir o time, apesar de ter futuro. Agora chega Claudinha.

>>Curta a página do Mundo do Vôlei no Facebook

A ex-levantadora do Minas também é jovem, tem 25 anos, mas tem feito boas Superligas. Ela é habilidosa e ao mesmo tempo passa segurança em quadra e deve dar uma cara nova ao time. Além disso, terá dupla jornada para mostrar o trabalho a Zé Roberto, em Campinas e na seleção. Boa chance para dar um salto na carreira.

>>Siga o Mundo do Vôlei também no Twitter

Essa semana também foi de anúncios de renovações na Unilever. Seguem no time Sarah Pavan, Valeskinha e, já que o assunto do post são levantadoras, Fofão. Aos 43 anos ela vai para mais uma temporada e ainda comandando a equipe com aquela tranquilidade aparente que lhe é peculiar. É um exemplo a ser seguido e deve mesmo se manter em quadra enquanto o físico lhe permitir.

Sollys/Nestlé e Sesi, que completaram os quatro primeiros na temporada 2012/2013 já haviam renovado com suas levantadoras e também acertaram. Fabíola, além de ter conquistado a torcida, fez duas excelentes temporadas no Osasco, enquanto Dani cresce em Londres e ainda pode ajudar o time da capital.

Cabeças definidas, agora é seguir a movimentação nas outras posições! Gostaram dos negócios até aqui?

Autor: Tags: , , , , , , , ,

Diversos | 09:25

Sul-Americano masculino x feminino e as vagas no Mundial

Compartilhe: Twitter

Aos poucos, as vagas para o Mundial de Clubes estão sendo preenchidas. No final de semana, o UPCN, da Argentina, faturou o Sul-Americano e assegurou o seu lugar. Isso não quer dizer que, apesar do tropeço em casa do Vivo/Minas na final e do RJX ter caído na semi e ficado com bronze, os brasileiros estejam fora do Mundial. Dois times serão convidados pela organização. No feminino, o país vai ao torneio com a Unilever. Pois bem, encerrado o Sul-Americano fica mais uma vez visível o abismo entre homens e mulheres por aqui e também me reascende uma dúvida: por que o Mundial masculino é diferente do feminino?

Se no feminino a Unilever deu um passeio para ficar com o título, no masculino os brasileiros não foram o que a torcida esperava. As equipes da Argentina eram as que poderiam dar trabalho. E na final, o UPCN soube se virar nos momentos chaves e aplicou 3 a 0 no Vivo/Minas em pelo BH. Se os mineiros não tiveram Filip ou Lucarelli inspirados, os argentinos tinham Evandro e companhia para liquidar a partida.

E começa ano, termina ano é esse o cenário. Enquanto o Brasil reina soberano no vôlei sul-americano feminino, o masculino está um pouco mais parelho. Falta investimento entre as mulheres nos outros países? Seria bom alguma ajuda ou incentivo para que houvesse um equilíbrio maior para elas também… Se nada for feito, podemos ver outros 25 a 3 como fez a Unilever.

Agora, é esperar pelo Mundial de Clubes. E de novo estão as diferenças entre homens e mulheres, mas em outros aspectos. O torneio feminino, por exemplo, contará com seis equipes e só a Unilever representará o Brasil. Cadê o Sollys/Nestlé? Ok, o time perdeu a Superliga, mas é o atual campeão mundial e acho que, por isso, mereceria a vaga.

Já o masculino devem ser oito equipes e o Trentino, atual campeão, está na lista e, segundo um texto da FIVB do final de abril, vai participar do torneio justamente porque é detentor do título. Se o critério vale aqui, por que não chamar o Sollys?

Além disso, o Brasil será sede da competição dos homens e levará dois participantes que serão escolhidos pela organização. Aí o assunto volta ao Sul-Americano. Depois ficar com o bronze, RJX merece a vaga por ser o campeão brasileiro? A competição deve acontecer em Belo Horizonte. Com isso, o Sada Cruzeiro, vice brasileiro e que nem jogou a competição continental, deve ser um dos escolhidos?

Os Mundiais masculino e feminino serão em outubro, no Brasil e na Suíça, respectivamente. Vamos esperar para ver quem recebe o convite para a disputa de um lado e se a Unilever, encarando rivais mais complicados, repete a sua supremacia do outro.

Autor: Tags: , , , , , ,

quinta-feira, 9 de maio de 2013 Diversos, Superliga | 10:59

Time novo ou patrocinador para quem já está aí?

Compartilhe: Twitter

Li uma notícia nesta quarta-feira que dizia que Giovane Gávio pensa em montar um novo time e contar com nomes de peso como Murilo e Giba no elenco. A equipe pode ter sede em Barueri, mas Florianópolis e clubes como Pinheiros e Botafogo também já se mostraram interessados. Basta encontrar um patrocinador para tudo isso.

Absolutamente nada contra a criação de novos times de vôlei pelo país, ainda mais com nomes como esses que foram cotados. Só fiquei com uma questão na cabeça. Vale a pena começar um projeto novo ou tentar um patrocinador para quem já está aí no cenário nacional?

Nesta temporada, no final da Superliga, Vôlei Futuro e São Bernardo ameaçaram não seguir para o ano que vem justamente pela questão do patrocínio. Os dois anunciaram em abril que seguem com seus times. Por outro lado, a Medley deixou a equipe masculina de Campinas…

Não valeria mais usar a influência e os nomes para remontar times que já estão aí? Mas se o melhor caminho for mesmo as novas equipes, que elas fiquem no cenário por mais tempo. Como disse Fofão em uma entrevista que fiz para o iG sobre a supremacia de Osasco e Rio de Janeiro nas finais. São times com patrocinadores de longa data ou que passou por problema, mas manteve o alto nível e não fechou as portas. Ela ainda sugere um tempo mínimo com um patrocinador que resolva investir no vôlei. Teria que ficar, ao menos, quatro anos. Tempo para uma equipe se montada, se entrosar e buscar algum resultado.

Seja com time novo ou em algum que já esteja por aí, torço para que a cada temporada a gente tenha que falar menos de patrocinadores e tal. E também torço por Murilo, Giba e Giovane na próxima Superliga! São nomes que agregam ao esporte.

Autor: Tags: , ,

terça-feira, 7 de maio de 2013 Seleção masculina | 10:32

Capitão novo e dupla esperada de levantadores na seleção

Compartilhe: Twitter

*atualizado às 14h27

Galera, as férias foram bem aproveitadas, mas é hora de voltar ao batente. Aos poucos estou me interando as movimentações de mercado e notícias que perdi nesse tempo que fiquei longe do blog. E a semana começou com novidade. Foi divulgada a lista de inscritos do Brasil para a Liga Mundial e, além de alguns nomes novos, uma mudança esperada para o cargo de capitão. Bruninho é o dono da função.

Veja a lista completa de inscritos para a Liga Mundial

Divulgação/CBV

Bruninho - capitão do RJX no título da Superliga e, agora, da seleção brasileira

Giba era o capitão do Brasil até as Olimpíadas de Londres. Na ausência do ponteiro, Murilo ficava com a tarja e era apontado como novo líder desse ciclo até por Bernardinho. Só que ele vai ficar seis meses afastado das quadras depois de uma operação no ombro realizada no final da semana passada. Com isso, a tarja ficou para Bruno.

Relembre os capitães da seleção brasileira

É uma escolha interessante. Ele foi o capitão no Pan de 2011, quando o Brasil atuou com uma seleção B. Também faz a função em seus times. O levantador é a cabeça da equipe por comandar as ações. No caso de Bruno, ele é um jogador com essa característica de liderar, então, é justo aliar uma coisa a outra.

Ainda falando de levantadores, teremos mudança esse ano na posição também. Bruninho segue ali, mas tem a companhia de William, Rapha e Murilo Radke nos inscritos para a Liga Mundial. Só que Rapha faturou o dedo na Itália, fez uma cirurgia e ficará dois meses afastado. Já Radke ainda é inexperiente para a função e deve ser usado em torneios “menores”, como  a Copa Pan-Americana. Dessa vez, passada as confusões e desentendimentos com Bernardinho, William deve ser o outro levantador.

E repito o que já disse por aqui. Acho interessante ter um levantador mais novo e outro mais experiente na seleção. Bruninho já tem o seu espaço, mas faria bem a ele atuar com William, um cara rodado e também bom no que faz. A tentativa de fazer alguma mescla ao trazer Ricardinho de volta não deu certo e ele não rendeu o esperado. Quem sabe agora a nova dupla não se encaixe?

A Liga Mundial começa no dia 7 de junho. Ainda em maio, o Brasil joga a Copa Pan e pode mesclar e usar os mais novos que foram convocados.  Vamos ver o que a seleção nos reserva no primeiro ano do ciclo olímpico até 2016.

Autor: Tags: , , , , ,