Publicidade

Arquivo de maio, 2009

sábado, 30 de maio de 2009 Campeonato Italiano, Seleção masculina | 10:30

Estrela do Trentino, Leandro Vissotto quer vaga na seleção

Compartilhe: Twitter

Quem acompanhou o Trentino nesta temporada sabe de quem estamos falando. O oposto Leandro Vissotto é um gigante de 2,12m, foi decisivo nos jogos finais do Italiano, tem o título da Liga dos Campeões da Europa e chega à seleção brasileira com grandes chances de assumir a vaga de titular. Conversei com o jogador para o iG Esporte e para uma entrevista exclusiva para o Mundo do Vôlei. Confira a nossa conversa na íntegra!

Leandro Vissotto treina na seleção brasileiro - Divulgação/CBVMundo do Vôlei: Você chegou à seleção brasileira no começo da semana e agora, sem André Nascimento e Anderson, pode virar titular. Como está o clima no time nacional?
Leandro Vissotto:
É um trabalho muito intenso, mas ainda está no começo. É uma grande oportunidade que todo mundo estava esperando. Vai mudar muita coisa na seleção, principalmente na posição de oposto. Não é sempre que tem uma vaga assim em aberto.

Mundo do Vôlei: Mas por enquanto você está quase sozinho na seleção, já que quase todo mundo está na pré-temporada na Europa…
Leandro Vissotto:
Por enquanto estamos treinando em quatro. Tem eu, João Paulo Bravo, Wanderson e Léo. Ainda não tive contrato com os outros jogadores. Mas Quando tiver todo mundo vai ser melhor. Aí é que vamos nos conhecer e ver como estamos. Vamos treinar para nos entrosar.

Mundo do Vôlei: E treinar com poucos jogadores assim, como é?
Leandro Vissotto:
A diferença é que o treino é mais curto, mas é muito mais intenso. E treinamos as mesmas coisas, ataque, defesa, bloqueio…

Mundo do Vôlei: Você já esteve na seleção, jogou a Copa América no ano passado, já fez parte da seleção de novos e agora tem a chance de ser titular do time principal. Aumentou a responsabilidade?
Leandro Vissotto:
Antes chegava como um complemento e agora é a peça principal. E também tem a responsabilidade de manter o Brasil lá em cima.

Mundo do Vôlei: E agora é um momento de renovação, de preparar o time para um novo ciclo olímpico…
Leandro Vissotto:
Sim, é o momento de renovação e não tem que ter cobranças. Se tiver, tem que ser algo positivo. É um time novo, que vai se conhecer agora. Tem que fazer um grupo novo e começar tudo de novo. Sim, tem a responsabilidade (de manter os bons resultados), mas responsabilidade todo mundo tem e em todos os momentos da vida, no profissional, no pessoal… Tem que saber lidar e não usar isso como um peso ainda maior. Já tem um adversário do outro lado a cada jogo, não precisa de mais.

Mundo do Vôlei: Mas a cobrança sempre vai existir, ainda mais depois de todos os resultados da “era Bernardinho”. Você e os outros novatos estão preparados para isso?
Leandro Vissotto:
Somos jogadores novos, mas já temos bastante bagagem. Eu jogo na Itália e lá os estrangeiros, principalmente, sofrem muita pressão. Mas sei que com a camisa da seleção é um compromisso ainda maior e vou entrar com vontade e fazer o melhor possível para conseguir a minha vaga.

Leandro Vissotto - Divulgação/Trentino

Mundo do Vôlei: Nesta temporada, você foi um dos destaques do Trentino no Campeonato Italiano e na Liga dos Campeões. Como é o assédio lá fora?
Leandro Vissotto:
Lá o pessoal acompanha muito o time. Já tem uma história com a cidade de Trento e sempre todo mundo acompanha, vai aos ginásios e viaja para ver o time. Lá os jogadores de clube são muito mais conhecidos do que aqui no Brasil. Aqui, são reconhecidos os caras da seleção e acho isso até injusto com quem é bom e joga nos clubes. Lá na Itália ainda tem a admiração das crianças, as pessoas te conhecem e às vezes te param quando você sai para jantar. É uma satisfação pessoal muito grande. Estamos aqui para dar bons exemplos. O importante é a admiração pelo jogador. Isso é muito positivo. Você é visto como um símbolo. Mas a gente sabe que isso é passageiro. Tem que aproveitar essa pseudofama para passar algo de bom para as pessoas.

Mundo do Vôlei: Pelo visto você está feliz na Itália. Vai continuar por lá ou pensa em voltar a jogar no Brasil?
Leandro Vissotto:
O Campeonato Italiano é o melhor do mundo. É o número um se comparar com o nível internacional. Enquanto gostar e tiver prazer de jogar no alto nível, eu vou continuar lá. Ainda tenho mais três temporadas de contrato com o Trentino.

Mundo do Vôlei: Mas nem tudo deu certo nesta temporada na Itália. Você faturou a Liga dos Campeões, mas ficou com o vice no Campeonato Italiano. O que faltou para vencer o Piacenza na final?
Leandro Vissotto:
Faltou fôlego. O nosso objetivo era conseguir a Liga dos Campeões e nós vencemos. Já o Piacenza chegou mais descansado para a final. Eles tinham três jogadores importantes que ficaram fora por causa de lesão e estavam voltando a jogar, Marshall, Zlatanov e João Paulo Bravo. Com isso, chegaram mais frescos à decisão. O time deles eliminou o Macerata na semifinal, que era um dos favoritos, e mereceu o título. O nosso segundo lugar foi muito bom. Fiquei muito feliz pelo que fiz nesta temporada. Ficamos em segundo, mas combatemos até a final. Foi decidido no último jogo, no último set, por dois pontos. É claro que a gente quer ganhar tudo. Mas estou feliz e lá as pessoas reconheceram o nosso esforço.

Mundo do Vôlei: E no Campeonato Italiano você jogou com bons atletas do mundo inteiro. Isso vai ajudar em alguma coisa agora na Liga Mundial?
Leandro Vissotto:
Conhecer os outros jogadores ajuda um pouco, você acaba sabendo de alguma coisa. Ajuda para não pegar a gente de surpresa.

Mundo do Vôlei: E o que esperar da Liga Mundial, sua primeira competição com a seleção brasileira?
Leandro Vissotto:
Pelo que eu andei escutando, é um ano de renovação para todo mundo, não só para nós. Então eu não sei dizer o que esperar dos outros times.

Autor: Tags: , ,

terça-feira, 26 de maio de 2009 Diversos, Superliga | 09:46

Time está pronto, agora só falta a vaga na Superliga

Compartilhe: Twitter

O Sesi-SP apresentou a sua equipe para a temporada na manhã de segunda-feira e conseguiu reunir um bom elenco. Tem jogadores experientes ao lado de bons novatos. Agora, só falta o convite da Confederação Brasileira para participar da próxima Superliga, o que deve acontecer em breve…

Do lado dos veteranos estão Anderson, Filipe e Jeff. Quem acompanha o vôlei nacional conhece o potencial desses jogadores. Anderson dispensa apresentações, pelas conquistas com a seleção brasileira e pelo que jogou na Unisul na última temporada. Filipe era ponta do São Bernardo e carregou o time até as semifinais da Superliga 2008/2009. Tanto que a equipe parou quando ele torceu o tornozelo em um dos jogos da série e acabou fora da decisão. Ele foi o pilar do time e se mostrou muito bem em quadra. Já Jeff é um líbero experiente, com passagens pelos grandes times nacionais e sabe fechar o fundo de quadra.

Do lado dos novatos, gente que já defendeu a seleção brasileira de novos, ou jogou a Copa América no ano passado, e está louco para voltar ao time nacional. Chupita, que acabou de voltar do Japão é a potência na ponta. Ele pode demorar um pouco a se reacostumar com o estilo brasileiro e com os altos bloqueios adversários, mas tem grandes chance de brilhar. Daniel, que estava no Minas, disputava partida a partida a vaga de levantador de titular com Rafinha e sabe jogar com bolas aceleradas. Gustavão é um gigante no meio. Vini, outro central, já mostrava bom trabalho na Cimed. E Thiago Barth já está concentrado com Bernardinho para a Liga Mundial e saiu na frente por um lugar na renovada seleção masculina.

Chupita também sonha com a seleção; assista a entrevista!

Daniel e Gustavão falam de seleção e da expectativa no Sesi; clique e veja as entrevistas

Elenco para bater de frente com os grandes do Sesi conseguiu, pelo menos na teoria. Os trabalhos mesmo só começam no dia 8 de junho, mas todos estão muito empolgados com o novo time. Conversei com eles no evento de lançamento da equipe e os olhos de todos brilhavam. E também estão bastante confiantes de que vão ganhar a vaga na Superliga 2009/2010. Tomara!

Enquanto a gente fica esperando uma resposta da CBV, veja a cobertura completa do lançamento do Sesi-SP que fiz para o iG Esporte e assista aos vídeos com as entrevistas dos jogadores do novo time paulistano. E também dê a sua opinião! O que você achou do elenco do Sesi? Comente!

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,

quinta-feira, 21 de maio de 2009 Diversos | 11:35

Uma notícia ruim para as mulheres e uma boa para os homens

Compartilhe: Twitter

Rompimento de um lado e renovação do outro. O vôlei está passando por altos e baixos e sofrendo as conseqüências da crise econômica mundial. A vítima da vez foi o torneio Salonpas, que não terá edição em 2009.

A empresa japonesa Hisamitsu Pharmaceutical, principal patrocinadora da competição, disse que não vai bancar o torneio neste ano. Quem perde mais com isso são os torcedores, afinal, a Salonpas Cup reúne em São Paulo grandes times do mundo que não podemos ver nos nossos ginásios todos os dias. No ano passado, por exemplo, além de Finasa/Osasco e Rexona/Ades, estava em quadra o Pesaro, de Zé Roberto Guimarães e Jaqueline e atual campeão italiano. Resta esperar e ver se a Salonpas Cup volta no ano que vem.

Mas, falando em patrocinador, o vôlei masculino ganhou uma boa notícia! A Vivo vai seguir como patrocinadora do time do Minas por mais uma temporada. Vale lembrar que a equipe de Belo Horizonte é uma das melhores da Superliga há, pelo menos, quatro anos. Se não venceu, foi vice. Para a temporada 2008, montou um timaço com André Nascimento, André Heller, Henrique e as pratas da casa como Ezinho e Rafinha. Sofreu um pouco com o entrosamento, mas, se conseguir segurar o elenco-base, vai dar muito mais trabalho à Cimed no ano que vem.

E tem gente também ainda querendo voltar ao Brasil. Rodrigão e Dante estão estudando propostas internacionais, porém já admitiram que pensam em jogar mais uma vez no País. O central ainda está em dúvida se segue no Macerata ou se joga por aqui. Já Dante aproveita a dispensa da seleção brasileira para curtir a família e o filho Antônio, que há pouco tempo teve uma forte pneumonia, e decidir onde vai jogar na próxima temporada. Seria bom ver os dois nos nossos ginásios de novo…

Autor: Tags: , , , , ,

segunda-feira, 18 de maio de 2009 Campeonato Italiano | 11:21

Piacenza é campeão e faz história na Itália

Compartilhe: Twitter

Acabou o Campeonato Italiano e o dono da taça foi o time “da primeira vez”. Depois de quatro finais, o Piacenza, do brasileiro João Paulo Bravo, faturou o título. O time venceu o Trentino na casa dos adversários no último jogo da série, acabou com os traumas de ser apenas vice e levantou a taça.

Lembra o terceiro jogo dessa série, quando Piacenza venceu e assumiu a liderança na final? Foi ao começo da lista da “primeira vez”: pela primeira vez estava na frente na série decisiva, pela primeira vez teria a chance de conquistar o título em casa, pela primeira vez fez o Trentino perder diante da torcida e, pela primeira vez, fez o rival perder um tie-break.

Piacenza é campeão italiano - Divulgação/LegavolleyNa partida de domingo, quando estava tudo empatado, já que o Trentino havia levado o quarto jogo, alguns itens dessa lista se repetiram. O Piacenza venceu de novo o Trentino na casa do rival e, mais uma vez, por 3 a 2. A equipe de João Paulo Bravo continuou a sua lista de “primeira vez”. Foi o primeiro time a terminar a temporada regular em quinto lugar e ser campeão. E, para manter a regra, quase todos os jogadores do Piacenza faturaram o título pela primeira vez. Só o técnico Angelo Lorenzetti, campeão com o Modena em 2002, e o levantador Dante Bonifante, campeão com o Treviso, já tinham sentido o sabor da vitória.

Depois de passar pelo Peruggia, melhor time da segunda fase, pelo Macerata, vencedor da temporada regular, e pelo Trentino, campeão da Liga dos Campeões da Europa, o Piacenza mereceu muito o título. Principalmente pelo poder de reação. Depois de levar um 3 a 0 na quarta partida da final e sair atrás do placar no ultimo jogo, o Piacenza se superou, virou e venceu. Depois de quatro anos na espera, vale gritar “É Campeão”!

O último jogo

Com o ginásio lotado em Trento, os donos da casa saíram na frente. O Trentino lutava pelo bicampeonato e venceu os dois primeiros sets por 25/21 e 25/20. A partir daí, a reação do Piacenza foi impressionante. Eles levaram os dois sets seguinte, por 25/21 e 25/22, e empataram a partida. No tie-break, o Trentino reagiu e parecia que iria repetir o feito da última temporada, quando faturou o título em cima do Piacenza. Entretanto, o Piacenza manteve a concentração, segurou o jogo e fechou em 15 a 13.

O grande nome da partida foi o italiano Zlatanov. Só ele fecharia um set sozinho e ainda sobraria, já que marcou 30 pontos. João Paulo Bravo também fez a sua parte e colocou 13 bolas no chão. Cubano Marshall, destaque do Piacenza na fase final, foi autor de 18 pontos. Do outro ladro, o brasileiro Leandro Vissotto também não fez feio e marcou 17 vezes.

Ou seja, foi uma série final de alto nível, como é esperado no Campeonato Italiano, e decidida apenas nos últimos lances do tie-berak da última partida.  Emoção e bons jogos. “Estavamos esperando isso acontecer há anos e é muito bom que tenha vindo desta maneira”, concluiu o campeão João Paulo Bravo.

Crédito das fotos: Divulgação/legavolley.it

Autor: Tags: , , , , ,

quinta-feira, 14 de maio de 2009 Diversos | 20:56

Tecnologia nas quadras de vôlei

Compartilhe: Twitter

Chega de dúvidas na hora de assinalar se a bola foi na linha, dentro ou fora. A Penalty  e a 3RCorp, em parceria com a CBV, tiraram um projeto que estava no papel desde 2005 e apresentaram nesta quinta-feira a bola inteligente, a Penalty d-Tech. A novidade pode entrar em quadra ainda neste ano, na próxima Superliga, que começa em novembro.

A nova bola contém um chip que manda informações para um palm, que ficará com o primeiro árbitro, indicando quando foi fora ou dentro. Também será possível saber a velocidade precisa de saques e ataques e, no futuro, a posição do jogador em quadra. Ou seja, tudo será vigiado e guardado no chip dentro da bola. A decisão do árbitro ainda é autônoma, mas vai ganhar uma ajuda a mais. Veja como a bola irá funcionar na galeria abaixo. O infográfico foi feito pela fabricante.

Mas, tudo isso não vai sair barato. O projeto custou US$ 2 milhões, bancados pela Penalty. Já instalar as câmeras e antenas mostradas no gráfico acima vai levar mais R$ 100 mil. Além disso, o monitoramento de cada jogo vai sair por R$ 30 mil.

Se tudo der certo, não vamos mais ver pelo menos alguns pontos que claramente favorecem uma equipe. Como na final da Superliga feminina deste ano. O Rexona/Ades estava superior em quadra, mas ganhou alguns pontos em erros claros da arbitragem e isso ajudou a desestabilizar mais ainda o ex-Finasa/Osasco, que já estava meio abalado em quadra. Isso para citar um exemplo, porque em diversos jogos da temporada alguns times ganharam uma ajudinha a mais. Vamos ver se, dessa vez, o projeto vira mesmo realidade. Ah, e que a Confederação Brasileira não se empolgue com o projeto e deixe de lado outros problemas da Superliga, como a transmissão dos jogos, a final em uma partida única no Rio…

Autor: Tags: , ,

Campeonato Italiano | 11:37

Vissotto empata série final na Itália com João Paulo Bravo

Compartilhe: Twitter

Ainda não foi desta vez que o Piacenza conseguiu mudar a sua história e faturar um título do Campeonato Italiano. Diante da sua torcida, o time do brasileiro João Paulo Bravo sentiu a pressão e perdeu por 3 sets a 0 (25/23, 25/11 e 26/24) para o Trentino, do oposto Leandro Vissotto. Duelo brasileiro está acirrado lá na Itália!

A partida da noite de quarta-feira foi a quarta da série final. Se o Piacenza vencesse, fecharia a série em 3 a 1 e levaria o caneco. Mas, logo de cara, João Paulo Bravo e companhia pararam no bloqueio do Trentino. Só o levantador sérvio Nikola Grbic fez três dos sete pontos de Trento nesse fundamento no primeiro set. Na parcial seguinte, o Piacenza se desconcentrou, errou muito, principalmente no ataque, e levou uma lavada dos visitantes. No último set, o time da casa tentou reagir, salvou dois match points, mas acabou perdendo para o Trentino.

Desta vez, os brasileiros não foram os principais jogadores das suas equipes. O melhor em quadra foi mesmo Grbic e seus bloqueios. Mas a atuação nacional foi equilibrada. Leandro Vissotto terminou com oito pontos marcados e João Paulo Bravo, com nove. Riad, outro brasileiro do Trentino, começou como titular, mas logo voltou para o banco.

A decisão do título italiano ficou para a última partida. Trentino recebe o Piacenza no domingo e quem vencer é campeão. Pelo desenrolar da competição, Trentino leva a vantagem, já que está empolgado com a boa vitória desta quarta e só perdeu uma vez em casa, justamente para o Piacenza.

Façam as suas apostas! Quem fatura o Campeonato Italiano de 2009? Trentino leva o bi ou Piacenza, depois de quatro anos, vai conseguir desencantar? Deixem os seus palpites por aqui e a gente descobre quem acertou no domingo!

Autor: Tags: , , , ,

quarta-feira, 13 de maio de 2009 Superliga | 23:25

Sesi-SP “adota” ex-Unisul

Compartilhe: Twitter

No ultimo post, sobre o final do time da Unisul, de Joinville, fiz uma pergunta: o que aconteceria com os jogadores da antiga equipe? Teriam espaço para jogar no vôlei nacional. Pois essa pergunta teve a sua resposta nesta tarde. Sob o comando de Giovane Gavio, o Sesi-SP anunciou um time de vôlei masculino adulto e pode ser a nova cada para os jogadores “órfãos”.

O primeiro a garantir o seu lugar foi Anderson, fiel escudeiro de Giovane. Os dois se conhecem desde os tempos de seleção, quando jogaram juntos, e se deram bem no ano passado na Unisul. Giovane disse que Anderson iria com ele até para a lua na coletiva na sede do Sesi nesta segunda. Isso que é companheiro! O levantador Jotinha, reserva de Marcelinho na última Superliga, e o central Gustavão também devem seguir com o técnico, pelo menos já têm acordo verbal com Giovane.

Já as caras novas do time estão no meio-de-rede, com a vinda de Thiago Barth, e no levantamento, com o pré-contratado Daniel. Agora, como lembrou Giovane, falta gente para formar as pontas da rede. O elenco todo do Sesi só será apresentado oficialmente no dia 25 de maio.

A cidade de Joinville perdeu um grande time, mas pelo menos o vôlei nacional ganhou o que pode ser uma nova potência. Me desculpem os catarinense, mas eu gostei de ter de novo um time em São Paulo e receber jogos da Superliga por aqui. O time do Sesi vai treinar e mandar jogos na Vila Leopoldina, na capital paulista. Bem-vindos! E que nenhuma equipe mais acabe neste meio de temporada!

Autor: Tags: , , , , , , , ,

segunda-feira, 11 de maio de 2009 Superliga | 15:48

Vítimas da televisão

Compartilhe: Twitter

Atualiazada dia 12/05, às 11h30

Os patrocinadores do vôlei nacional cansaram de não ter seus nomes ditos nas transmissões dos jogos da Superliga feminina e masculina na televisão. O Finasa não deixou claro que foi esse o motivo por abandonar o time adulto de Osasco, mas o Unisul/Tigre/Joinville se despediu do vôlei masculino profissional nesta segunda e disse com todas as letras: a culpa é da TV que não fala o nome completo dos times.

“Ultimamente, a UNISUL, para manter uma equipe competitiva, aceitou reduzir o seu nome no uniforme dos atletas e até em placas publicitárias, e preferiu silenciar-se diante da decisão da emissora de televisão, exclusiva na retransmissão dos jogos, de omitir o seu nome na identificação da equipe. Além disso, de cinco jogos exibidos ao vivo em 2008, apenas um mereceu transmissão simultânea este ano na emissora aberta, o que contribuiu à desistência de patrocinadores, que não renovaram os seus contratos ou que propuseram a redução de valores para a nova temporada.”, afirmou a Unisul em comunicado oficial. As categorias de base ainda não continuar.

Quem assistiu aos jogos pela Globo ou pela SporTV, escutou o Unisul  ser chamado de Joinville, Finasa de Osasco, Rexona-Ades de Rio de Janeiro, Cimed de Florianópolis, Santader/São Bernardo de Brasil Vôlei e assim por diante. A emissora, como mostra nota oficial explicada pelo blog de Maurício Stycer, chama os times apenas pelo nome das suas cidades sedes para evitar a mídia espontâna. Além dos patrocinadores se sentirem incomodados, é também bastante confuso para quem assiste. Confesso que demorei algumas rodadas para ligar o nome Brasil Vôlei ao time do ABC Paulista.

Fica aqui o apelo! Além do Unisul, o Brusque Brasil Telecom já fechou as portas e o Ulbra/Canoas continua apenas para cumprir contrato com os atletas. É hora de mudar! Seja o modelo de patrocínio ou a dependência da televisão para as transmissões. Como já comentaram por aqui, o que acham de jogos pela internet? É um veículo que cresce a cada dia e tem espaço! Ou acontece uma mudança no modelo do esporte ou o vôlei vai perder cada vez mais espaço.  E o que todos querem, sejam jogadores ou público, é ter times para atuar e maneiras de assistir às partidas. E não é de hoje que os times acabam por mudança de patrocinador. Mas agora, ao que parece, a justificativa virou mesmo os problemas com as transmissões…

E agora, mais um drama. Para onde vão os jogadores do antigo Unisul? Os times vão conseguir bancar salários e contratar reforços e ainda não estourar o limite no ranqueamento de 32 pontos? Problema para gente boa e desempregada como o líbero Lukina, o ponta João Paulo, o central Gustavão, o veterano Anderson, o cubano Rocca…

Pelo menos uma boa notícia!

Saiu nesta segunda-feira também que o Sada/Cruzeiro contratou Samuel, da seleção brasileira, por dois anos. Além dos mineiros, Cimed já havia renovado com Bruninho. Pelo menos alguns grandes times vão continuar para a próxima temporada. Ufa!

Leia a íntegra do comunicado da Unisul

Autor: Tags: , ,

Campeonato Italiano, Mais Europa | 11:47

Título brasileiro e virada na Itália

Compartilhe: Twitter

O final de semana foi recheado de brasileiros nas quadras do Campeonato Italiano. No masculino, o Piacenza, de João Paulo Bravo, virou a série final contra o Trentino, de Leandro Visotto. Já entre as mulheres, o Pesaro,de Jaqueline e José Roberto Guimarães, faturou o bicampeonato nacional.

O Piacenza já havia empatado a final com uma vitória por 3 sets a 1 em casa, no meio da semana. No domingo, venceu mais uma vez, agora por 3 sets a 2 (22/25, 25/13, 19/25, 25/23, 15/09), uma partida de “primeira vez”. Olhem a lista: pela primeira vez o Piacenza, de João Paulo Bravo, lidera uma fase final de Campeonato Italiano depois de quatro anos; pela primeira vez o Piacenza pode faturar o título em casa, na partida desta quarta; pela primeira vez o Trentino, de Visotto, perdeu diante de sua torcida nos playoffs; pela primeira vez o Trentino perdeu um tie-break.

Apesar do duelo brasileiro João Paulo Bravo x Leandro Visotto, quem se destacou foi o cubano Marshall. Ele marcou 22 pontos e resumiu o jogo: “Nós jogamos com o coração e com a cabeça e isso foi recompensado pelo resultado”. Emoção e razão juntos em quadra!

Piacenza recebe o Trentino na quarta-feira e, se vencer, fica com o título italiano. Caso dê a equipe de Leandro Visotto, o campeonato será decidido no último jogo da série no domingo, em Trento.

Jaqueline e Zé Roberto faturam o ouro

ZéPesaro levou tudo o que disputou nesta temporada na Itália. Já tinha sido campeão da Superliga e da Copa da Itália. Já estava com duas vitórias na série melhor de cinco da final do Campeonato Italiano. E confirmou o título nacional com um 3 sets a 0 (25/18, 25/18 e 25/21) sobre o Novara.

O time de Zé Roberto dominou os dois primeiros sets e só encontrou resistência na última parcial. Aí brilhou a estrela de Jaqueline, maior pontuadora com 17 acertos, no ataque e no bloqueio, e o Pesaro fechou e levou o título.

Mais gringas do vôlei

Campeão na França: Paris Voley, de Marcelão e do líbero Marquinhos, venceu em casa o Tourcoing por 3 sets a 2 e ficou com o bicampeonato. Marquinhos não jogou a final porque ainda se recupera de uma lesão, mas estava em quadra, vibrou muito e ainda foi homenageado pelos companheiros. O brasileiro também foi eleito, por jornalistas franceses, o segundo melhor líbero da competição, perdendo apenas para Exiga, dono da posição na seleção francesa.

Campeão no Japão: Chupita, que já foi convocado para a seleção brasileira de novos, jogou pouco por causa de uma lesão, mas ajudou o Panasonic a faturar o bicampeonato na Copa do Imperador.

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

terça-feira, 5 de maio de 2009 Campeonato Italiano, Diversos | 11:44

Brasileiro Leandro Visotto comanda vitória na final italiana

Compartilhe: Twitter

Parece que Bernardinho vai mesmo contar com o oposto de peso na seleção brasileira! Leandro Visotto, convocado para a Liga Mundial, fez mais uma excelente partida e comandou o Trentino na vitória sobre o Piacenza na primeira partida da final do Campeonato Italiano.

Leandro Visotto/Site OficialTime de Visotto defende o título italiano e encara mais uma vez o Picenza na final. No jogo da noite de segunda-feira, Trentino venceu o primeiro set (25/18), levou a virada no segundo e no terceiro (17/25 e 21/25) e arrasou na quarta parcial (25/14), forçando o tie-break. E foi no set decisivo que Leandro Visotto fez a diferença. Trentino saiu na frente, abriu 8 a 4, levou a virada e o brasileiro comandou o ataque de seu time e ainda fez o último ponto, fechando em 17 a 15.

A boa atuação do oposto brasileiro ganhou destaque no site oficial do seu time. Visotto foi considerado “uma das melhores coisas da noite “ e apontado como o homem “decisivo em todas as circunstâncias difíceis”. Visotto foi o maior pontuador da partida, com 23 bolas no chão, e assumiu o papel de homem de segurança do time. Que continue assim até a seleção brasileira!

Mais gringas do vôlei

Visotto não foi o único brasileiro em quadra lá fora. Enquanto os jogadores que atuam por aqui curtem a folga pós-Superliga, o feriado prolongado teve conquistas e derrotas para os brasileiros do exterior.

Zé Roberto e Jaqueline saem na frente: a final feminina do Campeonato Italiano também tem brasileiro. O Pesaro, de Zé Roberto e Jaqueline, venceu a primeira partida contra o Novara por 3 sets a 1. Jaqueline foi a segunda maior pontuadora, com 19 acertos.

Giba é vice na Rússia: Iskra Odintsovo perdeu mais uma para o Zenit Kazan, dos norte-americanos Ball e Stanley e ficou com o segundo lugar no Campeonato Russo. A equipe de Giba levou três derrotas seguidas decisão e não teve chance contra o Kazan.

Dante perde bronze: Dinamo Moscou, time de Dante, também não teve boa atuação na Rússia. Assim como a equipe de Giba, perdeu os três jogos da série para o Nova Urengoy e ficou apenas em quarto lugar.

Brasileiro campeão na Espanha: Teruel, time de Xanxa, faturou o título nacional na Espanha na sexta-feira. Além do ouro, brasileiro levou para casa o título de melhor jogador da fase final.

E você, viu a atuação dos brasileiros? Deixe o seu comentário!

Autor: Tags: , , , , , ,