Publicidade

Arquivo de setembro, 2007

terça-feira, 25 de setembro de 2007 Sem categoria | 13:27

Bulgária e Coréia recebem empurrão rumo a Pequim

Compartilhe: Twitter

A Copa do Mundo de vôlei, que será disputada no Japão no final do ano, é o caminho mais curto para a Olimpíada de Pequim. Os três primeiros colocados já têm os seus lugares garantidos. Disputam a Copa do Mundo as melhores seleções de cada continente, mais Bulgária e Coréia do Sul, que receberam um empurrãozinho da Federação Internacional de Voleibol (FIVB).

A Bulgária recebeu o seu convite por permitir que a Alemanha seja sede do Pré-Olímpico Internacional. Já a Coréia do Sul ganhou a oportunidade pelo desempenho na competição asiática. Das duas seleções, o time do leste europeu deve dar trabalho aos outros participantes.

Os búlgaros são conhecidos por sua força. Com jogadores pesados, eles têm um ataque muito potente e fazem as defesas adversárias sofrerem. O Brasil sabe muito bem disso. A seleção de Bernardinho perdeu para a Bulgária na fase final da Liga Mundial de 2006, por 3 a 0, e na Liga Mundial de 2007, por 3 a 2.

Agora, com o convite da FIVB, a Bulgária pode cruzar o caminho do Brasil mais uma vez. A equipe nacional já estava com vaga garantida na Copa do Mundo por ter conquistado o Sul-Americano, no Chile. Para chegar a Pequim, o Brasil precisa se preocupar com mais essa potência.

Já os sul-coreanos não devem chegar longe na Copa do Mundo. Apesar da agilidade da escola de voleibol da Ásia, eles ainda não têm a habilidade para bater os times considerados grandes.

Com a lista fechada, o Brasil precisa ficar atento, além da Bulgária, com a Rússia, vice-campeã da Liga Mundial, a Espanha, que esteve uma excelente atuação ao conquistar o título europeu, e talvez os Estados Unidos, que podem surpreender. Além disso, vale conferir a atuação da seleção sem Ricardinho como levantador diante das potências do vôlei mundial.

Times da Copa do Mundo

1. Japão (país-sede)
2. Espanha (campeão europeu)
3. EUA (campeão da América do Norte e Central)
4. Brasil (campeão sul-americano)
5. Austrália (campeão asiático)
6. Egito (campeão africano)
7. Rússia (vice-campeão europeu)
8. Porto Rico (vice-campeão da América do Norte e Central)
9. Argentina (vice-campeão sul-americano)
10. Tunísia (vice-campeão africano)
11. Bulgária (convidada)
12. Coréia do Sul (convidada)

*Foto: Bulgária comemora vitória sobre o Brasil na Liga Mundial de 2007/Divulgação/FIVB*

Autor: Tags:

segunda-feira, 10 de setembro de 2007 Sem categoria | 09:57

Brasil ganha mais um e Ricardinho fica mais longe do time

Compartilhe: Twitter

A seleção brasileira faturou mais um ouro no domingo. Diante da Argentina e com superioridade em quase toda a partida, o Brasil venceu por 3 sets a 0 e levou o título sul-americano e a vaga para disputar a Copa dos Campeões, em novembro, no Japão. Enquanto o grupo segue vencendo, parece que o levantador Ricardinho está cada vez mais longe de voltar a vestir a camisa verde e amarela.

Em reportagem publicada pela “Folha de S. Paulo” nesta segunda, Bernardinho afirma que as declarações de Ricardinho dizendo que a família da seleção brasileira nunca existiu o deixaram abalado. “Sinto que não consegui orientar ou colocar tudo como eu deveria. Como líder eu, sinceramente, falhei”, comentou o técnico, que segue convicto de sua decisão de cortar o levantador do time.

Bernardinho ainda falou que compreende a mágoa do jogador, afastado do time brasileiro pouco antes do Pan-Americano. “Entendo que seja humano que alguém reaja quando está magoado. Mas isso gera mais afastamento”, afirma.

Ele também assume que o levantador, que levou o título de melhor do jogador do mundo na Liga Mundial deste ano, fará falta ao Brasil. “Agora, sem Ricardinho, temos de ser ainda mais um time, já que nos faltará algo na parte técnica”, completou.

Para Bernardinho, toda a confusão com a saída do atleta fez aqueles que ficaram no time se unirem ainda mais e realmente mostrar que são uma família. “A postura do grupo é coerente. Qualquer família tem briga, mas a nossa é investigada pela imprensa. Passei a respeitar ainda mais esses caras depois disso”, disse o treinador à Folha.

Resta saber como o Brasil irá se apresentar contra um time grande sem Ricardinho e quanto será essa falta na parte técnica. No Sul-Americano, assim como no Pan, a seleção não encarou adversários muito fortes. E ainda sim, sofreu para vencer a Argentina na final quando os hermanos começaram a defender mais no terceiro set.

Por outro lado, Marcelinho e Bruno estão mais entrosados com a equipe e mais preparados para segurar a pressão de serem levantadores do melhor time da atualidade.

Agora o Brasil já pensa na Copa do Mundo, que acontece em novembro, no Japão. Lá, os melhores times de cada continente lutam pelas primeiras vagas na Olimpíada de Pequim. Tem vaga garantida as três melhores equipes. O Brasil defende o título. Será a prova de fogo para o grupo mostrar toda a união e a sua força sem Ricardinho que, ao que parece, está cada vez mais longe de voltar a ser o líder do time nacional.

Foto: Dante encara bloqueio duplo da Argentina/EFE

Autor: Tags: