Publicidade

Arquivo de abril, 2007

sábado, 28 de abril de 2007 Sem categoria | 13:11

Saque dá o tetracampeonato ao Telemig na Superliga

Compartilhe: Twitter

O Telemig Celular/Minas acabou de levantar, pela quarta vez, a taça de campeão da Superliga masculina. Em Betim, os mineiros venceram o Cimed, que era o atual campeão, por 3 sets a 0 (veja abaixo a narração da partida lance a lance). O fundamento que deu o título ao Telemig foi o saque, forçado e eficiente em toda a partida.

O Cimed teve o melhor aproveitamento no serviço durante toda a competição. Com Filipe e Bruninho, liderou as estatísticas em todas as rodadas. Mas na partida deste sábado, os catarinenses provaram do próprio veneno. Todos os jogadores do time do Telemig tiveram concentração para sacar bem e deixar a recepção adversária zonza.

Os catarinenses sentiram o gostinho amargo logo no primeiro set. Jardel fez três pontos seguidos de serviço. Ele só perdeu a concentração e colocou a bola para fora depois de um pedido de tempo do técnico do Cimed Renan Sal Zotto, que esfriou a partida. Mas o alívio da equipe de Florianópolis durou pouco. Com set point na não, Ezinho foi para o saque e o que aconteceu? Mais um ponto direito e o Minas saiu na frente do placar.

Parece que a excelente atuação no serviço do Telemig Celular/Minas realmente balançou o Cimed. Apesar de ter começado todos os sets de igual para igual, logo o saque mineiro entrava e o passe catarinense falhava. Sofrimento para o levantador Bruninho, que teve que de desdobrar para arrumar as bolas para o ataque. Já Rafinha não tinha tantos problemas e sempre conseguia acelerar o jogo e escolher quem iria bater. O saque do Cimed, aquele que deu a liderança ao time na fase classificatória, não complicava o fundo mineiro. E para manter a premissa desse jogo, Rafinha fechou o segundo o set em um ace.

A única parcial em que o Cimed pôde impor o seu ritmo foi a terceira. Eles sabiam que era vida ou morte. Tinham de ganhar dois sets e vencer o jogo no tie-break para terem a chance de levarem a final para a quinta partida, em Florianópolis. O sonho catarinense durou pouco…

Apesar de chegarem a ficar cinco pontos na frente do marcador, eles não seguraram a reação do Telemig, que mostrou muita superação e foi tirando a vantagem com ótima atuação de Roberto Minuzzi no ataque. Aí, mais uma vez quem estava no saque era Jardel. Ele fez três pontos seguidos. No total, os mineiros marcaram 13 pontos de saque, contra apenas 3 do Florianópolis. Não era o dia do Cimed, que foi “envenenado” e viu o bicampeonato ir embora.

Superação é a palavra para o Minas

Samuel, único atleta campeão mundial com a seleção que atua no Brasil, viveu um drama pessoal neste final de semana. Seu irmão, de apenas 22 anos, morreu em um acidente de moto em Londrina, no Paraná, na madrugada de sexta-feira. O técnico Mauro Grasso deixou a decisão de entrar ou não em quadra neste sábado nas mãos do jogador.

Ele segurou a dor e foi para final. E Samuel reuniu forças e atuou muito bem. Deu pancadas no saque, no ataque, subiu no bloqueio e ainda ajudou quando pôde na defesa. Foi um jogador completo e superou qualquer sentimento para soltar o grito de campeão.

Além dele, Roberto Minuzzi é outro símbolo de superação. Ele venceu uma doença no coração, que o deixou afastado quase um ano das quadras, e entrou com muita garra na partida de hoje. A cada ponto, Minuzzi vibrava como se fosse o último. O destino foi justo e deu a ele o gostinho de colocar a bola no chão no ponto do tetra.

Na final, só vale 3 a 0

Nesta temporada, tanto homens e mulheres levaram o tetracampeonato. O Rexona/Ades, entretanto, teve mais trabalho que o Telemig Celular/Minas. Foram necessários cinco jogos, três deles decididos no tie-break, para as cariocas vencerem. Já na final da Superliga masculina, todos os jogos acabaram em 3 sets a 0.

O Telemig Celular/Minas foi arrasador nos dois primeiros jogos, soube sacar e atacar bem e levou por 3 a 0. Na semana passada, o Cimed veio para quadra com uma armação diferente. Marco Milinkovic atuou deslocado no meio e Evandro entrou na ponta. A mudança deu certo, o time ganhou um ânimo novo e devolveu o 3 a 0. Aquela partida, o saque catarinense deu resultado e a defesa conseguiu armar contra-ataques. No jogo de hoje, o Telemig fez tudo certo e acabou com a esperança da equipe de Florianópolis de ser bi. E não podia ser diferente… Foi mais um 3 sets a 0.

*Fotos: Equipe do Minas, tetracampeã na Superliga/Divulgação
Samuel e Roberto Minuzzi, com a medalha no peito/Divulgação*

Autor: Tags:

Sem categoria | 09:58

Telemig bate Cimed e é tetra na Superliga masculina

Compartilhe: Twitter

Telemig Celular/Minas arrasa no saque e vence o Cimed por 3 sets a 0 em Betim e, depois de dois vices, é o tetracampeão da Superliga masculina. Os mineiros dominaram a partida nos primeiros sets e buscaram o jogo na última parcial.

O Telemig se deu melhor na primeira etapa, desequilibrou com o saque de Jardel e fez 25 a 20. Na segunda parcial, o levantador Rafinha seguiu jogando bem e o saque mineiro se manteve fulminante. O Minas venceu por 25 a 18 e abriu 2 a 0 na partida. Para fechar, o Minas tirou a vantagem do Cimed e com uma atuação perfeita de Minuzzi, fez 26 a 24 e garantiu a volta ao lugar mais alto do pódio. Veja como foi a partida.

1º set

Os times já estão em quadra para o começo da partida. No Telemig, Samuel, apesar da morte do irmão na madrugada da sexta em um acidente de moto em Londrina, no Paraná, decidiu jogar e vai para a quadra. O levantador Rafinha volta time depois de cumprir suspensão pelo terceiro amarelo. Do lado do Cimed, a mesma formação tática da partida da semana passada, com Milinkovic pelo meio e Evandro na ponta.

A equipe do Minas, que conta com o apoio da torcida que lota o ginásio em Betim, vibra muito a cada ponto. Os dois times variam as jogadas e confirmam os seus saques. Tudo igual em 3 a 3. As equipes forçam o saque, mas o passe sai na mão dos levantadores, que abusam das jogadas de meio de rede neste começo de set. Aos poucos as defesas também aparecem. Eles estão se aquecendo. O Florianópolis faz 6 a 5 numa bola fora de meio de Alberto. Mas logo Ezinho explora bem o bloqueio e o Minas deixa tudo empatado (6 a 6). O Cimed vai para o tempo com 8 a 7 em um ataque pela entrada. Partida totalmente equilibrada.

No primeiro rali do jogo, o Cimed recupera a bola e Samuel crava no ataque. Logo depois, Jardel sobe inteiro no bloqueio e pára Evandro no primeiro ponto deste fundamento no jogo. No troco do Cimed, Evandro vai para o saque e marca o primeiro ace (10 a 9). Com Ezinho mais uma vez usando bem a mão do bloqueio adversário, Minas abre a vantagem de dois pontos (12 a 10). Jardel foi para o saque e colocou a bola no chão entre Filipe e Jeff e Telemig coloca três de vantagem (14 a 11). Técnico Renal Dal Zotto, do Cimed, pede tempo, mas não quebra a seqüência de serviço do Jardel. Com uma em cima de João Paulo e outra em cima do líbero Jeff, Minas abre mais e vai para o tempo com 16 a 11. Aí o tempo pesou e Jardel colocou a bola para fora.

Apesar do saque forçado do Cimed, o levantador mineiro Rafinha consegue arrumar e deixar a bola limpa para o ataque. Com isso, o Minas segue na frente (18 a 14). Em um ataque de João Paulo, a bola estourou no dedinho de Samuel, que ficou sentindo muito. Ele saiu de quadra para colocar uma proteção e voltar para a partida. Mesmo com o desfalque, o Minas mantém o ritmo, consegue variar bem os ataques e segue com vantagem no placar (22 a 18). Ezinho ataca no ombro de Evandro depois de uma bola muito bem arrumada de Rafinha. Ele mesmo aproveita a vantagem e coloca mais um ponto. Florianópolis revida com uma batida de Evandro pela saída. Mas Bruninho saca para fora e Minas chega ao match point e Ezinho fecha no saque em 25 a 20.

2º set

Samuel finalmente volta para o jogo, com uma atadura no dedinho. De novo, a parcial começa equilibrada, com as duas equipes pontuando e confirmando os seus ataques. Como forçam muito saque, os dois times já erraram serviços (4 a 5 para o Cimed). O Minas defende mais neste set e as bolas do Cimed não caem direto no chão. E os mineiros empatam em 6 a 6 em um ataque de Minuzzi. Porém, Florianópolis mantém a vantagem do primeiro ponto do jogo e vai para o primeiro tempo técnico na frente, com 8 a 7, após uma pancada no ataque de Evandro. Ninguém ainda marcou dois pontos seguidos.

E não é só de saque forçado de se ganha jogo. Rafinha, que está muito bem em quadra e arrumando todas as bolas, usa um serviço curto e marca. Logo depois, coloca pra fora. Mas Milinkovic, do Cimed, também erra, deixando a bola na rede. Roberto Minuzzi, que vibra muito, sobe uma parede para cima de Evandro e faz o seu de bloqueio. Na seqüência, ele pára uma bola de xeque de Bruninho (12 a 10).

O Cimed não pode deixar o Minas gostar do jogo. Para confirmar o ótimo momento de Minuzzi, ele recebe uma bola acelerada e vira. O líbero mineiro Serginho defende uma bola forte no ataque do Cimed e o Telemig faz mais um e abre a vantagem de três pontos no set (14 a 11). Para tentar colocar o time catarinense de volta na disputa, Renan tira Milinkovic, que estava improvisado como central, e põe Eder, que é meio-de-rede. Ele entra bem e pára Jardel no bloqueio. Ezinho bate uma chutada e Minas vai para o segundo tempo técnico na frente (16 a 14).

Na volta para a quadra, Samuel erra no ataque e Florianópolis empata em 16 a 16. Samuel recebe mais uma e estoura no peito do catarinense Renato. Ezinho, que fechou o primeiro set no saque, vai para o serviço e marca dois aces seguidos no momento em que o Cimed estava se recuperando. Renan, do Cimed, pede tempo para segurar o Minas, que já abre 20 a 17. E agora só dá Telemig. Depois de um rali e mais um ponto, Minuzzi bloqueia Evandro sozinho e faz 22 a 17. E bloqueio duplo também funciona pela saída (23 a 17). Para alívio dos visitantes, Ezinho erra o saque (23 a 18). Mas o Cimed também erra e dá o match point para o Minas. Alberto vai para o serviço e coloca a bola no chão, fechando o segundo set em 25 a 18.

3º set

O meio-de-rede Eder segue em quadra, acerta o saque e o Florianópolis abre uma vantagem logo no começo do terceiro set. Minas fez um ponto com Minuzzi e logo depois caiu o rendimento(4 a 1 para o Cimed). O serviço do Cimed agora funciona mais e Rafinha não trabalha mais com a bola na mão. E foi justamente o serviço a principal arma do Cimed em toda a Superliga. O catarinense Evandro leva a rede no ataque e o Telemig empata em 5 a 5. Os mineiros estão de volta e a um set do tetracampeonato. Será que sai o ouro agora?

Em um contra-ataque bem armado por Bruninho, João Paulo explora o bloqueio do Telemig e coloca o seu time na frente. Para completar, dois pontos no saque de Filipe (9 a 5) e Mauro Grasso, técnico do Minas, pára o jogo. Entretanto, a parada não fez Filipe perder o ritmo e marcou mais um, deixando os catarinenses com cinco pontos de vantagem (10 a 5). O Telemig diminui com o erro de Filipe e um contra-ataque certeiro de Samuel (10 a 7).

O time de Florianópolis precisa vencer esse set para se manter vivo na Superliga. Mas o Minas quer acabar logo e levar a taça para casa. O levantador Rafinha marca o primeiro ace mineiro no set e não deixa a vantagem catarinense aumentar (11 a 9). E essa partida está sendo decidida mesmo no saque. Alberto solta o braço, a defesa do Cimed tenta chegar, só que apenas encosta na bola. Ponto do Telemig, que fica a dois de distância do Cimed (14 a 12). Aí Samuel coloca o saque para fora e os catarinenses vão para o tempo com 16 a 13.

Filipe, do Cimed, saca bem, o passe sai quebrado e Samuel erra o ataque. Com isso, o Florianópolis abre quatro (18 a 14). Entretanto, do outro lado quem vai para o saque é Jardel. Ele força muito, a bola explode no líbero Jeff, Evandro tenta buscar, mas Nei coloca a bola para fora na devolução. Mais uma vez ele saca, ninguém do Cimed consegue defender e Minas deixa tudo igual em 18 a 18. Quando o Cimed consegue finalmente passar na mão de Bruninho, Evandro erra o ataque e Telemig vira (19 a 18).

Para piorar a vida do Cimed, qualquer mineiro no saque faz estrago. Agora é a vez de Alberto marcar mais um no serviço e deixar o Minas muito perto do tetra(23 a 21). Das mãos de Minuzzi sai o match point (24 a 22), mas Samuel erra a mão no saque e deixa a bola na rede. Num contra-ataque, Minuzzi ataca no chão, faz 26 a 24 e depois de dois anos com o vice, o Telemig Celular/Minas é tetra na Superliga masculina.

*Fotos: Roberto Minuzzi, do Telemig Celular/Minas, vibrou muito a cada ponto/Divulgação
Evandro, destaque no ataque do Cimed/Divulgação*

Autor: Tags:

sexta-feira, 27 de abril de 2007 Sem categoria | 13:44

Telemig encara o Cimed e pode ser tetra na Superliga

Compartilhe: Twitter

O Telemig Celular/Minas recebe o Cimed neste sábado, às 10h, em Betim, para mais uma partida da série final da Superliga masculina. Com a vantagem de duas vitórias contra uma do Cimed, os mineiros podem sair com a taça e comemorar o tetracampeonato neste final de semana. O Mundo do Vôlei vai acompanhar o jogo e postar ao vivo.

Mas o clima não será totalmente de festa para o Telemig, mesmo com a vitória. O time pode não estar completo na decisão. O irmão do ponta Samuel, único atleta da seleção brasileira que atua no País, morreu em um acidente de moto nesta madrugada em Londrina. Samuel, que estava em Betim nesta manhã, não treinou com a equipe e deve seguir ainda nesta sexta para o Paraná. O técnico mineiro disse que a decisão de entrar em quadra ou não no sábado será do jogador.

Do lado do Cimed, nenhum desfalque. Renan Dal Zotto pode usar a mesma armação que saiu com a vitória na última partida, deslocando o argentino Marcos Milinkovic para o meio e deixando Evandro na ponta. Com a mudança, o time ganhou mais volume no ataque e conseguiu confundir o bloqueio mineiro.

No jogo de semana passada, o Cimed, atual campeão nacional, voltou a sacar bem e adiou a festa do Telemig no final de semana passado. Com uma vitória por 3 sets a 0 em casa, o time de Florianópolis, que já havia perdido dois jogos na série por 3 a 0, devolveu o placar a respirou na competição. Agora, os catarinenses entram em quadra mais uma vez e precisam vencer para levar a decisão da Superliga para o quinto jogo.

Já o Telemig depende apenas de recuperar a concentração, o saque forçado e a variação de jogadas das primeiras partidas para levantar pela quarta vez a taça da competição nacional. Para isso, Mauro Grasso conta com a volta de seu levantador titular, Rafinha, que cumpriu suspensão pelo terceiro cartão amarelo no confronto do último domingo.

A partida deste sábado está marcada para às 10 horas e será realizada no ginásio Divino Braga, em Betim. Os ingressos já estão esgotados.

Autor: Tags:

domingo, 22 de abril de 2007 Sem categoria | 14:08

Cimed arrasa e adia a decisão da Superliga

Compartilhe: Twitter

Com saque forçado todo o tempo, ótimas defesas e ajuda do Telemig Celular/Minas, o atual campeão da Superliga masculina vence por 3 sets a 0 (25/17, 25/22 e 25/19) e adia a festa do tetra mineira. O ponta Filipe, que foi arrasador no saque, levou o troféu Viva Vôlei, dado do melhor jogador em quadra.

O Cimed começou essa partida diferente. Eder saiu e Milinkovic foi improvisado no meio. Na ponta, entrou Evandro. A mudança deu certo e a equipe de Renan Dal Zotto entrou em quadra com mais garra e com muita vontade de impedir o tetra do Minas. O Florianópolis voltou a sacar bem como fez durante toda a Superliga e acabou com a recepção do Telemig. Os mineiros foram obrigados a jogar o tempo todo com bolas pelas pontas, já que o passe não saiu na mão de Luizinho. Com isso, o bloqueio catarinense conseguiu chegar em todas as bolas e a defesa dos donos da casa trabalhou bem, proporcionando diversos contra-ataques.

O Telemig conseguia começar bem os sets, mas não segurava o serviço e a variação de bolas do Cimed e acabava permitindo a reação dos catarinenses. Em todos os sets, os mineiros sofreram uma pane e viram a equipe de Florianópolis crescer na partida. Veja todos os detalhes desse confronto no Mundo do Vôlei.

Apesar da derrota, o Telemig Celular/Minas ainda segue com a vantagem na série final. Se vencer na próxima partida, na semana que vem em Belo Horizinte, conquista o tetracampeonato. O Cimed precisa manter o espírito de luta dessa partida e partir para cima para levar o quarto jogo e obrigar a quinta e última partida. Ao Telemig, resta levantar a cabeça e reencontrar o voleibol dos primeiros jogos.

Autor: Tags:

Sem categoria | 13:33

Acompanhe o terceiro set de Cimed x Telemig

Compartilhe: Twitter

O Cimed veio inspirado para essa partida e não deu chances para o Telemig nos dois primeiros sets. Levou o primeiro por 25 a 17 e o segundo, por 25 a 22. O Minas não consegue recepcionar o saque catarinense e com isso, não varia as jogadas. Já o Cimed, ataca de todos os lugares na quadra. Acompanhe agora o terceiro set. Cimed pode fechar.

3º set

Assim como na parcial anterior, Minas começa bem no saque e já abre 3 a 0 no serviço de Luizinho, que força bastante. Cimed marca o primeiro em uma bola rápida para Milinkovic. Os anfitriões encostam depois de uma excelente defesa de Filipe e bola no chão com João Paulo. E João Paulo pára Minuzzi e deixa tudo igual: 4 a 4. O diferencial neste set é o equilíbrio.

E mais uma vez, o Telemig leva a virada e se desestabiliza. Cimed marca três caixotes no bloqueio com Felipe, Nei e Felipe de novo e faz 10 a 7. Mauro Grasso muda o time do Minas e tira Samuel, que estava muito marcado. Deu certo uma jogada. Logo o Cimed recuperou a bola, trabalhou o contra-ataque com a bola que voltou no bloqueio e abriu 12 a 8. Aí só deu Cimed. Milinkovic marcou no bloqueio e o Ezinho colocou para fora com Ezinho (14 a 8). Para completar, Evandro, que entrou muito bem nesse jogo, marca mais um de bloqueio e leva o seu time para o tempo técnico com 16 a 9 no placar.

O Minas tenta não entregar o jogo. Jardel acerta a mão pelo meio e Samuel solta o braço no saque. O resultado são cinco pontos seguidos, dois diretos de saque e um ótimo rali com finalização de Minuzzi (18 a 16). O Cimed recupera a tranqüilidade na bola fora de Minuzzi e um ace de Evandro (21 a 16). Jardel ainda faz um ace na linha e o Minas respira no 22 a 19 para o Cimed. Mas na seqüência ele joga para fora e os donos da casa marcam 23 a 19. O match point veio no erro de Samuel, em um ataque avião. Num bloqueio de Filipe que colocou a bola na linha na paralela, Cimed faz 25 a 19 e devolve um 3 sets a 0 para cima do Telemig Celular/Minas

Autor: Tags:

Sem categoria | 13:04

Acompanhe o segundo set de Cimed x Telemig

Compartilhe: Twitter

Depois de vencer por 25 a 22 o primeiro set e respirar na série final, Cimed começa com a bola no segundo set. Se os catarinenses vencerem, forçam a quarta partida. Acompanhe agora o segundo set.

2º set

O Telemig Celular/Minas usa a mesma tática do Cimed no começo do segundo set. Ezinho força, quebra a recepção adversária e abre 4 a 1 de virada. Em uma confusão no fundo do Minas entre Ezinho e Serginho, Evandro marca no saque e Cimed encosta no placar (6 a 5). O empate veio um golpe de sorte. No ataque mineiro, a bola bate em Nei, volta para a quadra do Telemig e é ponto (6 a 6). Evandro bate no fundo da quadra, Serginho tenta chegar, mas não recupera a bola e o Cimed vai para o primeiro tempo na frente, com 8 a 7.

O Telemig não deixa o Cimed escapar e gostar do set. Com dois ataques do levantador Luizinho e saque bom de Jardel, o Minas empata em 9 a 9. Do outro lado o Cimed consegue variar bem as jogadas de ataque e três pontos novamente com erro de Samuel (12 a 9). O Cimed segue superior no jogo. A cada bola no chão do Florianópolis, muita vibração em quadra e barulho da torcida, que lota o ginásio do Sesc. Depois de um ponto de saque de Filipe e uma bola certeira de Evandro no contra-ataque, Cimed vai para a parada com 16 a 12.

Na volta para a quadra, Milinkovic pára Samuel no bloqueio e aumenta a vantagem do Cimed para 17 a 12. Os catarinenses jogam mais soltos e aproveitam bem o saque forçado, que segue quebrado a recepção mineira. E parece que o Minas sofreu uma pane. Milinkovic também deixa o seu no saque e faz o Cimed abrir 20 a 13 na última etapa desse set. Sem passe e sem variação de jogadas, o Telemig não consegue jogar e está sempre muito marcado pelo bloqueio dos donos da casa. Cimed segue na frente, com 23 a 15. Nei ataca bola rápida e Cimed chega ao match point no 24 a 16, mas dá um ponto de graça para o Minas com um erro de posicionamento. Também num ponto de graça, Cimed vence o segundo set por 25 a 17 com um saque na rede do levantador Luizinho.

Autor: Tags:

Sem categoria | 12:34

Acompanhe Cimed x Telemig na final da Superliga

Compartilhe: Twitter

Começa o jogo no ginásio do Sesc em Florianópolis. Quem larga na frente é o Cimed, com ataque de Evandro estourando no bloqueio. Acompanhe o primeiro set.

1º set

A primeira vantagem da partida é do Cimed, que abriu 3 a 1 em um bom saque de Filipe, melhor no fundamento na Superliga, e um contra-ataque pela entrada. Cimed está mais focado e consegue trabalhar mais a bola. Como aconteceu em toda a Superliga, o time de Florianópolis força muito o saque de Evandro, aproveita os contra-ataques e vai para o primeiro tempo técnico com boa vantagem: 8 a 3.

Quem está virando as bolas pelo Minas é Samuel, que já marcou três pontos no ataque. Ele é o único jogador da seleção brasileira na Superliga. Apesar disso, o saque do Cimed faz estragos na recepção mineira e Bruninho garante a vantagem com uma ótima seqüência de serviços (um ace e duas bolas que voltaram de graça) e os catarinenses fazem 14 a 7. A folga no placar é mantida com um saque na rede do Telemig. Cimed vai para o tempo com 16 a 9.

Com saque potente, o Cimed além de quebrar a recepção do Minas, consegue chegar em todas as bolas no bloqueio. Sem um bom passe, resta aos mineiros usarem muitas bolas nas pontas. Para piorar a situação do Telemig, eles erram muitos saques e não defendem tão bem quanto nos últimos jogos dessa série final. Em um ataque de Milinkoc, Minas toca na rede e dá mais um ponto de graça, deixando 20 a 14 para o Cimed.

Para dar moral para o Telemig, Samuel e Alberto pegam Filipe em um bloqueio duplo e tiram a vantagem. Agora, 20 a 17 para os donos da casa. O Minas marca 19 a 21 em um ataque para fora de Filipe. Mesmo com a diferença, os visitantes ainda estão vivos no set. O troco veio em um bloqueio de Milinkovic em Samuel e um ace de Filipe (23 a 19). Cimed chega ao match point com uma bola pela entrada de João Paulo, mas ele mesmo coloca a bola fora e desperdiça o ponto. Para deixar mais tenso, Samuel faz um ace na paralela. (24 a 22). Entretanto, o Cimed fecha em 25 a 22 uma bola de Evandro explorada no bloqueio.

Autor: Tags:

Sem categoria | 12:19

Cimed e Telemig Celular/Minas fazem a final da Superliga

Compartilhe: Twitter

Cimed e Telemig Celular/Minas já estão em quadra para a terceiro jogo da série final da Superliga masculina, em Florianópolis. O Telemig, que já venceu duas por 3 sets a 0, fica com tetracampeonato hoje com mais uma vitória. Se der Cimed, a decisão é adiada para a quarta partida. Acompanhe agora pelo Mundo do Vôlei.

E o time do Cimed vem com alterações para essa partida. Começam como titular Nei e João Paulo. Do lado do Minas, a única mudança é no levantamento. Rafinha, suspenso com o terceiro cartão amarelo, dá lugar a Luizinho.

Autor: Tags:

Sem categoria | 09:05

Primeiro tetra sai no saque e no levantamento

Compartilhe: Twitter


O Rexona/Ades conquistou neste sábado mais um título da Superliga feminina ao vencer o Finasa/Osasco por 3 sets a 2. É o quarto ouro para a galeria das meninas do Rio de Janeiro. Com isso, o time de Bernardinho se torna o primeiro a ser tetracampeão nacional. Isso graças a um ótimo trabalho no levantamento e um saque poderoso.

Um serviço bem feito já é metade do ponto no voleibol. O Rexona levou essa premissa a risca durante toda a competição. Com um saque forçado, principalmente de Sassá, as cariocas causaram diversos problemas para as recepções adversárias. No finalíssima dessa Superliga, as atletas souberam usar essa arma.

Logo no primeiro set, o Rexona sacou bem e deixou o Finasa sem passe na mão e com jogadas previsíveis pelas pontas. O resultado foi um placar arrasador de 25 a 12. O cenário se repetiu no quarto set. Mais uma vez com o saque potente e as paulistas com pouca variação, o Rio de Janeiro venceu por 25 a 12. Para fechar, o serviço voltou a fazer estragos no tie-break, quando o Finasa ficou tonto em quadra depois de estar vencendo por 5 a 0 e ver o Rexona virar em 15 a 11, com a ajuda de Regiane e mais uma vez Sassá no saque. Ou seja, as campeãs venceram nos sets em que sacaram melhor.

Quando o serviço não era tão glorioso, o trabalho sobrava para as levantadoras. E como aconteceu em diversos jogos nesta Superliga, a arma carioca veio do banco de reservas. Camilla Adão entrou muito bem no lugar da Dani Lins no meio da partida e não saiu mais. Ela soube distribuir bem as jogadas e deixar o bloqueio paulista confuso. Nenhuma atleta do seu time ficou sobrecarregada no ataque. Isso mostra visão de jogo e um futuro promissor para Camilla.

Já no Finasa, Fernandinha não teve o mesmo sucesso. Ela conseguiu o lugar de titular de Fabiana Berto durante as finais e atuou bem nas demais partidas dessa decisão. Neste sábado, com o passe quebrado, Fernandinha foi obrigada a usar muito Paula Pequeno. A ponta agüentou a responsabilidade e foi a melhor atacante do jogo. Mas isso não foi suficiente, afinal, quando uma pessoa recebe a maioria das bolas é mais fácil armar o bloqueio e a defesa. Isso, junto com a verdadeira pane no quarto e no quinto sets quando nada deu muito certo para o Osasco, fez o time perder o tetra.

Além do levantamento, quem também deu aula foi a defesa. E aí os dois times atuaram muito bem. O Finasa não conseguiu segurar o saque adversário em algumas parciais, mas fez ótimas defesas para armar contra-ataque nos dois sets em que ganhou. A bola ficou muito tempo no ar e os ralis foram de perder a conta. Nenhuma bola era perdida para nenhum dos lados. E valia tudo! Peixinho, ombro, cotovelo, tudo para não deixar a bola cair direto no ataque.

Em uma partida com time disparando na frente, time buscando o placar, momentos de extremo equilíbrio e ralis gigantes, levou o título quem teve mais tranqüilidade. O Rexona soube ter calma nos momentos decisivos e mostrar superação para tirar cinco pontos de vantagem. Entretanto, isso não tira o mérito do Finasa, que não vendeu nada fácil esse ouro. Foi uma série final digna de série final. Cinco jogos, decisão no tie-break e muito coração em quadra. Será que o jogo deste domingo da final da Superliga masculina entre Telemig Celular/Minas e Cimed rende tanta emoção? Vale lembrar que o Minas também pode ser tetra…

Autor: Tags:

sábado, 21 de abril de 2007 Sem categoria | 09:31

Rexona/Ades vence Finasa/Osasco e é tetra na Superliga

Compartilhe: Twitter

Com muita raça, superação e saque forçado, Rexona/Ades bate o Finasa/Osasco e fica com tetracampeonato na Superliga feminina de vôlei. No primeiro set, o Rexona venceu por 25 a 15. Na segunda parcial, com um jogo muito equilibrado, Finasa/Osasco fechou e deixou tudo igual. Mantendo um bom ritmo, o Finasa virou o jogo e levou a terceira parcial por 33 a 31. O Rexona/Ades variou bem as jogadas, aproveitou a pane do Finasa/Osasco e marcou 25 a 12 e levou o jogo para o 5º set. Aí o Rexona sacou muito bem e marcou 15 a 11 e ficou com o título . Veja como foi a decisão set a set.

1º set

Logo no primeiro ponto do jogo, um rali que acabou com o ponto do Finasa num erro no fundo do Rexona. Com um bom saque de Valeskinha, Finasa marcou no bloqueio e abriu 3 a 1. Mas o Rexona já buscou e com uma china de Fabiana, um bloqueio e um ace de Renatinha assumiu a liderança no 6 a 3. Rexona começou sacando melhor e usando mais jogadas de velocidade, aproveitando as jogadoras altas pelo meio. Forçando o serviço em Natália, o Rexona manteve a vantagem no saque (12 a 7). Finasa tentou variar as jogadas, mas as bolas não chegavam redondas na mão de Fernandinha.

A liderança chegou a 15 a 8 em um bloqueio carioca no meio de Osasco. As visitantes não conseguiram passar bem e com isso, acabaram jogando muito pelas pontas, deixando o jogo previsível. Já no Rexona, Dani Lins impôs muita velocidade e seu time disparou no bom saque de Renatinha (18 a 9). Usando a mesma arma do Rexona, Finasa força o saque e tira três pontos. Entretanto, a manhã parecia ser do Rexona que, no contra-ataque de Fabiana pelo meio e um ace de Regiane, abriu 22 a 12. Sassá bateu pela entrada de rede, a bola desviou no bloqueio e o Rexona faz 25 a 12, em 23 minutos.

2º set

Segunda parcial começou com equilíbrio e defesas de ambos os lados. O Osasco assumiu a liberança no 3 a 2 com bloqueio. Em uma parede do Rio de Janeiro, Fabiana pegou Elisângela e deixou tudo igual. Rexona abriu dois com variação de ataque, mas o Finasa estava mais ligado na partida e virou com bloqueio da novata Natália na experiente Renatinha. Fernandinha diversificou as jogadas, desafogou Paula Pequeno e a equipe de Osasco foi para o tempo na frente.

Apesar do time do Rio de Janeiro ter continuado com o saque forçado, o Finasa/Osasco conseguiu armar mais contra-ataques. As donas da casa abriram dois pontos no erro de golpe de vista das paulistas. Logo depois, Sassá fez um ace e marca 12 a 9, maior vantagem no set. Depois de mais um rali, Renatinha achou um espaço na quadra oposta e levou o Rexona para o tempo técnico na vantagem, com 16 a 14. E os ralis são a marca desse jogo. Após muito tempo de bola no ar, o Finasa pegou a defesa do Rio dando bobeira e empatou em 18 a 18.

A virada veio num golpe de vista de Elisângela, que deixou a bola de Regiane sair. Porém, o Rexona não deixou o Finasa escapar e pelo meio com Fabiana voltou à frente (21 a 20). No finalzinho, Sassá estoura a bola no bloqueio e o Rexona abre dois (23 a 21). O time de Osasco buscou o empate na combinação do saque de Raquel e bloqueio: 23 a 23. Aí a situação ficou dramática. Depois de erros de saque dos dois lados, Valeskinha parou Renatinha e o match point ficou para o Finasa, no 26 a 25. Rio empatou mais uma vez depois de um contra-ataque de Sassá. A carioca Regiane desperdiçou no ataque e a paulista Adenísia também errou. Com a bola nas mãos da veterana Elisângela, que explorou o bloqueio, Finasa fechou em 31 a 29, em 40 minutos.

3ª set

O Finasa voltou para o terceiro set empolgado com a vitória na parcial anterior e abriu 4 a 0, com boa passagem de saque de Natália, de apenas 17 anos. O empate carioca veio na bola na rede de Elisângela, no 4 a 4. Bernardinho substituiu Dani Lins por Camilla Adão, que entrou bem e deu um novo ritmo para o ataque das donas da casa. Usando um serviço forçado, Elisângela colocou a bola entre Sassá e Fabi e marcou 8 a 6 para as paulistas. A equipe de Osasco impôs o seu ritmo no saque. Rexona teve um momento de bobeira na defesa, só usou bolas altas na ponta e Adenísia bloqueou e deixou o Finasa com 11 a 6 no placar.

A recuperação carioca veio também com saque caprichado. Regiane acerta a mão e Fabiana bateu bem na china e encosta no placar (11 a 10). Regiane também bateu pelo meio no fundo e o Rexona empatou. A virada veio numa bola de defesa da paulista Arlene, que voltou para fora (13 a 12). A equipe de Bernardinho cresceu no jogo com marcação forte no bloqueio e muita variação da levantadora Camilla (15 a 12).

Seguindo a dinâmica dessa parcial, a duas equipes se alternaram na liderança. Valeskinha bateu pelo meio e deixa 16 a 16. Bloqueio duplo do Rexona pegou Natália e fez 17 a 17. Aí concentração carioca e bobeira paulista. Rio fez 20 a 17 num furo do fundo do Finasa. Paula Pequeno toca na rede, mas como foi após o toque carioca, o jogo seguiu. Mas ela ficou discutindo e perdeu o foco. Rexona aproveitou e abriu quatro (22 a 18). Em três ataques seguidos de Paula Pequeno, que chamou a responsabilidade, o Osasco reagiu e encostou no final (21 a 22). E mais uma vez, o empate. Camilla conduziu e Finasa fez 23 a 23. Entretanto, o match point ficou com o Rexona, em um caixote em Natália. Valeskinha, no Osasco deu o troco e pegou Sassá na rede (25 a 24). Foi mais um set com o final muito disputado. Em dois ataques para fora, com Regiane e Thaísa, Finasa recuperou o ponto do set. Após saque balanceado de Paula, Adenísia cresceu no bloqueio, parou Regiane e fez 33 a 31, com 48 minutos de parcial.

4º set

No saque de Sassá, Rexona/Ades abriu 3 a 0 logo de cara. Assim como no set anterior, Camilla Adão seguiu na quadra e variando muito bem, deixando o bloqueio do Finasa/Osasco meio confuso. O diferencial nessa partida nem foi o saque, pois as duas equipes conseguiram recepcionar bem. Contando com bons ataques, o Rio de Janeiro seguiu na frente e foi para o primeiro tempo com 8 a 3 no placar. Num instante de bobeira do time de Osasco, levantadora Fabiana Berto deu dois toques e Valeskinha colocou o braço no saque da carioca Fabiana. Com isso, Rexona abriu 13 a 4.

Apesar da diferença, o Osasco seguiu encostando nas bolas no bloqueio com Valeskinha e tentou vibrar a cada ponto. No tempo, Luizomar pediu para o Finasa acelerar o jogo. Mas Elisângela levou amarelo por reclamação e logo depois a vantagem do Rexona seguiu em nove pontos (18 a 9). Na china com Fabiana, bola dentro e mais um ponto para o Rio, que dominava com tranqüilidade. O time visitante teve mais uma pane, como na primeira parcial. O Rio de Janeiro chegou ao match pont em uma largada para fora da levantadora Fernandinha, que voltou para a quadra. Para fechar, Renatinha buscou o fundo da quadra, marcou 25 a 12 e levou a decisão para o tie-break.

5º set

A parada para o set decisivo ajudou o Osasco, que entrou com tudo e abriu 3 sets a 0 num erro de Thaísa pelo meio. Agora a pane é do lado do Rexona/Ades. Valeskinha parou Thaísa sozinha no bloqueio e o Finasa fez 5 a 0. A reação carioca veio em bons ataques de Renatinha e Regiane (5 a 3). Mas em uma combinação de saque com Natália e bola de xeque com Valeskinha, Osasco voltou a abrir (7 a 3). Finasa foi com 8 a 4 para a virada de rede, depois de uma bola forte de Paula Pequeno.

Parece que a troca de lado ajudou o Rio de Janeiro, que conseguiu uma recuperação espetacular. Regiane marcou um ace e Sassá subiu sozinha no meio e parou Valeskinha, encostando de vez no marcador (8 a 7). Regiane seguiu no serviço, colocou a bola na linha e empatou o tie-break. Sassá atacou na entrada, a defesa do Finasa não pegou e Rexona virou (9 a 8).

Como no começo do jogo, o saque do time do Rio de Janeiro entrou e agora fez estragos. Em um ace de Marcelinha, que tinha acabado de entrar, Rexona colocou dois pontos de vantagem(11 a 9). Do outro lado, Finasa apenas colocava a bola em jogo. Com um bloqueio triplo para cima de Natália, Rio de Janeiro marcou 15 a 11 e ficou com o tetracampeonato na Superliga feminina diante da sua torcida, no ginásio Caio Martins, em Niterói.

*Fotos: Rexona/Ades comemora/Último Segundo
Regiane, um dos destaques do jogo, supera bloqueio do Finasa/Último Segundo*

Autor: Tags:

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. Última